Recuperação dos EUA após tombo de 32% é incerta

Dados da economia e da pandemia no país de Trump acendem alerta sobre o Brasil.

Internacional / 21:00 - 30 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A economia dos EUA encolheu 32,9% (taxa anualizada) no segundo trimestre, declínio mais forte da produção desde que o governo começou a registrar os dados em 1947, informou o Departamento do Comércio nesta quinta-feira.

A queda do Produto Interno Bruto (PIB) foi mais do que o triplo do declínio recorde anterior de 10% no segundo trimestre de 1958. A economia havia contraído 5% no primeiro trimestre. Economistas consultados pela Reuters projetavam recuo do PIB a uma taxa de 34,1% entre abril e junho.

A maior parte das perdas aconteceu em abril. Embora a atividade tenha se acelerado a partir de maio, o ímpeto diminuiu em meio a um ressurgimento de novos casos da doença, especialmente nas densamente povoadas regiões Sul e Oeste, onde autoridades estão fechando as empresas de novo ou dando uma pausa na reabertura. Isso reduziu as esperanças de uma forte recuperação do crescimento no terceiro trimestre.

O “segundo trimestre de 2020 tornou-se tenebroso para o capitalismo, com os EUA registrando queda de 32,8% no PIB e a Alemanha em 10,1%”, comentou, no Twitter, o economista Marcio Pochmann, que na quarta-feira fizera uma observação sobre a situação do Brasil: “A área econômica do Governo Bolsonaro unida em torno da torcida pela crise em ‘V’, contrariando prognósticos do segundo semestre de alta no desemprego a ser registrado oficialmente com o fim dos programas temporários de garantia de renda.”

O estrategista-chefe do Banco Digital Modalmais, Felipe Sichel, acredita que a recuperação dos EUA “será marcada por aumentos súbitos de incerteza decorrente de novos surtos localizados de Covid-19 que resultarão em uma trajetória ‘stop and go’ para a economia americana. Estes choques repentinos de atividade já se mostram de forma clara em indicadores de alta frequência (ex: reservas de restaurantes)”, afirma. “Temos um cenário de preços e de atividade que justificam amplamente postura de política monetária extremamente expansionista”, complementa Sichel.

Economistas dizem que sem o pacote fiscal histórico de quase US$ 3 trilhões a contração econômica teria sido ainda mais profunda. Outro de igual valor está em discussão no Congresso, já que a renda semanal extra de US$ 600 acaba neste sábado.

Em relatório divulgado também nesta quinta-feira, o Departamento do Trabalho informou que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego aumentaram em 12 mil, para 1,434 milhão na semana encerrada em 25 de julho. Cerca de 30,2 milhões de norte-americanos recebiam auxílio na semana até 11 de julho.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor