Redentora com Bush

Do secretário de Relações Internacionais do PT, Valter Pomar, depois de mostrar-se descrente de que a recente visita do presidente Lula aos Estados Unidos resulte em mudanças estruturais nas relações entre os dois países: “Estou mais preocupado em parabenizar o gênio que marcou a visita a Camp David exatamente no dia 31 de março. Que data brilhante, para um governante brasileiro que lutou contra a ditadura militar, estar com o presidente do país que ajudou a articular o golpe cívico-militar de 31 de março/1 de abril de 1964”, ironizou Pomar, principal líder da corrente Articulação de Esquerda, do PT.

Heróis de Lula
O mesmo Pomar, sexta-feira, véspera do 43º aniversário do golpe militar de 1964 e  antes de Lula regressar ao Brasil, ainda sonhava que Lula sinalizasse de alguma forma que reverenciava outros heróis, além de ministros de R$ 8 mil e usineiros: “Espero que Lula aproveite a ocasião para lembrar, lá no “ventre do monstro”, dos verdadeiros heróis do povo brasileiro, gente famosa e gente anônima, que não dobrou sua espinha ao Império”, cobrou o dirigente petista, que, como visto, em vão.

Sobre o risco de piruetas
Os que, dentro e fora do governo, alimentam ilusões de que o apagão aéreo se revolve com o fim do movimento dos controladores padecem da mesma miopia dos que insistem em proclamar serem sadios os fundamentos de um país que, já há década e meia, se arrasta na rabeira do crescimento mundial. Na verdade, além de uma questão estratégica sobre a quem caberá o controle sobre o tráfego aéreo do Brasil, o movimento dos controladores foi impulsionado pelo esgotamento da política de sucateamento da infra-estrutura do país levada a cabo nessa década e meia desperdiçada.
O trágico episódio da queda do avião da Gol apenas explicitou problemas que conviviam em potência já há longos anos e que, como diria o presidente Lula, iam sendo administrados pelo jeitinho brasileiro e boa dose de sorte. O acidente e suas consequências, inclusive, criminais, uniram uma categoria heterogênea, que inclui civis e militares, sobre os riscos a que estão sujeitos os que trabalham no limite do sucateamento. A desmilitarização não apenas não muda esse quadro, como ameaça empurrar o Brasil para o buraco negro da convivência com dois tipos de controles diferentes e antagonizados.

Repeteco
O governador de São Paulo, José Serra, declarou estar preocupado com a crise no controle aéreo brasileiro: “Eu acho que teria dado tempo de montar um esquema alternativo para que o controle não ficasse apenas na mão de um grupo organizado.” E acrescenta: “O que garante a melhora da qualidade do serviço no futuro? O que garante que não teremos novas chantagens?”

Vivandeiras
O gosto e a estridência com que os veículos de imprensa mais conversadores se referem aos controladores como “amotinados” e à “baderna” nos aeroportos reaviva os fortes laços mantidos por eles com o golpe de 64, que, coincidência ou não, completou 43 anos exatamente no sábado. Naquela época, com retórica similar, a imprensa teve papel decisivo para incitar militares e civis à ditadura de triste memória.

Bombardeio midiático
A retórica saudosista da imprensa conservadora não esgota nas suas ligações com o golpe de 64. Tem ainda um forte quê de esquizofrenia: principais apoiadores e incentivadores do forte aperto fiscal que ajudou a sucatear a infra-estrutura do país, eles agora se surpreendem com os efeitos. Lembram cena emblemática do épico Corações e mentes, em que, diante da reação de cineastas norte-americanos à devastação provada pelos bombardeios de aviões dos Estados Unidos, vietnamistas observam com ironia: “Esses norte-americanos são estranhos. Jogam bombas e depois se espantam com os estragos.”

Ritmo lento
A construção civil não iniciou o ano como se esperava. Em todo o Brasil foram criados 5.522 postos de trabalho, menos da metade dos 11.708 registrados em janeiro. A construção civil respondeu por apenas 3,73% dos 148.019 novos postos abertos no país, índice bem abaixo do patamar tradicional, entre 7% e 8%. No Rio de Janeiro, foram criados 1,2 mil empregos no primeiro bimestre – no ano passado, foram 3,9 mil no mesmo período, revela o sindicato da construção (Sinduscon-Rio).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEsoterismo sem resultados
Próximo artigoRetoque

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...

Ciência: entidades pedem liberação de recursos

Organizações questionam redirecionamento para outras áreas de R$ 515 milhões, que eram do CNPq.

Rating da EDP BR não muda com aquisição da Celg-T

Para a Fitch Ratings, a qualidade de crédito da EDP Energias do Brasil S.A. (EDP BR, Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA (bra)’, Perspectiva...

Tesouro: Queda do investimento líquido em ativos não financeiros

O Tesouro Nacional informou nesta sexta-feira que no 2º trimestre de 2021, a necessidade líquida de financiamento do Governo Geral alcançou 7,1% do PIB,...

Leilão de Excedentes da Cessão Onerosa terá sucesso?

Após a realização da 17ª Rodada de Licitações de Blocos para exploração e produção de petróleo e gás natural no último dia 7, considerado...