27.9 C
Rio de Janeiro
quinta-feira, janeiro 21, 2021

Redes sociais rotulam publicações de Trump sobre eleições dos EUA

O Twitter e o Facebook já fizeram alertas em publicações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que alegaram que uma decisão da Suprema Corte do país sobre a votação por correio na Pensilvânia levaria a uma fraude generalizada e que era "muito perigosa". As redes sociais talvez estejam se precavendo porque a Comissão Europeia finaliza um projeto legislativo que estabelecerá uma vigilância de grandes plataformas digitais e punirá a presença de conteúdos ilegais nas suas páginas, mesmo que a origem do material seja uma terceira pessoa ou outra empresa independente. As multas devem acabar na Europa com a impunidade das redes sociais.

Segundo o comissário europeu para o mercado interno, Thierry Breton, a comissão será rigorosa e os departamentos de Breton e a vice-presidente da Comissão, Magrethe Vestager, esperam aprovar o projeto no início de dezembro.

O plano inclui um padrão de serviços digitais, batizado de Digital Services Act ou DSA, que forçará grandes plataformas digitais a responder imediatamente a reclamações ou denúncias sobre o conteúdo que hospedam e removê-los assim que forem exigidos pelas autoridades.

Bruxelas contava com um código voluntário, inscrito em plataformas como Facebook, YouTube ou Twitter. Mas, em face da passividade e lentidão em certos casos, decidiu impor os novos requisitos e obrigações por lei.

De acordo com a Comissão Europeia, o novo padrão de serviços digitais permitirá que plataformas fora da UE escolham o país europeu a partir do qual desejam operar. Mas estarão sujeitos a orientações comuns para toda a Europa e o seu acompanhamento será pan-europeu e não puramente nacional. E as plataformas verticalmente integradas, que oferecem seus próprios serviços além de oferecerem os de terceiros, não serão mais consideradas meros intermediários: serão considerados responsáveis pelo conteúdo que circula em suas páginas. O projeto prevê a criação de um órgão supervisor supranacional composto pela autoridade do país onde a multinacional está sediada, mas também com a presença das autoridades dos países de destino dos seus serviços. E, significativamente, a Comissão Europeia vai participar neste colégio de supervisores, para garantir uma dimensão comunitária no controlo das empresas que operam simultaneamente em todo o mercado interno.

#Da redação com informações da Agência Brasil e do El País. 

Artigos Relacionados

Dois em 10 brasileiros ignoram o que filhos compartilham na internet

Estudo ouviu na AL 2.294 pais e mães entre 25 e 60 anos, das classes A, B ou C, usuários de dispositivos e cujos filhos tenham entre 0 e 18 anos.

Vazamento expõe dados de CPF e veículos de milhões de brasileiros

PSafe identificou também possível exposição de dados de empresas.

Brasil está entre os 30 países que pagam mais caro pela internet

Brasil passou da 58ª para 74ª colocação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.

EUA: expectativa por novos estímulos fiscais traz bom humor

Futuros dos índices de NY estão subindo, mesmo após terem atingidos novos recordes históricos no fechamento do pregão anterior.

Ajustando as expectativas

Bovespa andou na quarta-feira na contramão dos principais mercados da Europa e também dos EUA.

Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

Com mais de 55 milhões de sacas a região é a principal responsável pela maior safra brasileira da história.

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.