Redução de jornada volta para segurar emprego

Programa deve seguir mesmas regras do ano passado.

Estava na mesa do presidente Jair Bolsonaro a medida provisória que recria o Benefício Emergencial (BEm). Com isso, empresas e trabalhadores poderão voltar a negociar redução de jornada e salários. O programa implementado no início da pandemia impediu uma explosão de demissões no setor formal. Ao final do ano, o número de empregos com carteira assinada chegou a ter um leve crescimento.

O BEm terá duração de dois meses, podendo ser prorrogado por mais dois, e permitirá redução nos mesmos percentuais de 2020: 25%, 50% e 70%. A informação é da colunista Carla Araújo, do UOL.

Permanecia, nesta sexta-feira, dúvida sobre a origem dos recursos para bancar o programa. Há a possibilidade de que as últimas duas parceladas sejam pagas usando recursos do seguro-desemprego, o que prejudicaria o trabalhador em caso de demissão posterior. A adesão ao BEm deve implicar estabilidade por tempo proporcional ao da redução salarial, como ocorreu ano passado.

Na quinta-feira, o ministro Paulo Guedes prometeu, além do Benefício Emergencial, a volta do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). Falou também em outras medidas, sem especificar. Disse que serão anunciadas pelo presidente Jair Bolsonaro mais adiante.

Pesquisa divulgada nesta sexta-feira pelo XP/Ipespe revela que 63% dos entrevistados acreditam que a economia do país está indo no caminho errado, 6 pontos percentuais a mais que na pesquisa de fevereiro. Fatos & Comentários, página 3

Leia mais:

Aprovação do Orçamento de 2021 entrará na reta final?

Congresso deve deliberar sobre 30 vetos esta semana

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais

Feninfra questiona no STF a implantação do Código 303

Feninfra: medida vai afetar também as empresas que estão fora da fiscalização da Anatel.

Enel pode sofrer CPI por péssimos serviços prestados

Empresários criticam desde a oscilação de tensão até a falta de poda de árvores.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais