Redução do ICMS para carros elétricos não deve baixar preços

Empresa do segmento diz que faltam também investimentos em infraestrutura.

O Governo de São Paulo anunciou na semana passada a redução da alíquota do ICMS para setores geradores de empregos a partir de 2022. Dentre os segmentos beneficiados está o de mobilidade elétrica, que terá uma redução de 18% para 14,5%.

Por mais que seja uma medida positiva, ainda não é uma notícia que pode de fato fazer com que os preços do mercado diminuam de forma significativa, segundo Ricardo da Silva David, sócio-fundador da Elev, empresa do segmento.

Para ele, apesar de estar no caminho correto, ainda falta muito para os carros elétricos emplacarem no Brasil. “É um pequeno passo para o que nós, que atuamos no segmento da eletromobilidade, esperamos. Os governos estaduais precisam fazer a sua parte, mas também são necessárias ações em nível nacional, provindas do Congresso ou do Executivo. Para o segmento realmente chegar na maior parcela da população, ainda precisamos de incentivos públicos, como é o caso da diminuição do ICMS em São Paulo”, explica Ricardo.

Segundo o executivo, um dos grandes entraves no Brasil ainda é o valor dos automóveis, mas também são necessárias ações coordenadas para incentivar o crescimento do segmento como um todo. “Precisamos de investimentos sérios na estruturação, algo que vai da instalação de carregadores em estradas, condomínios e espaços de comércio e, ao mesmo tempo, com ações dos governos federal, estadual e dos municípios, incentivando o segmento”, declarou.

Na Europa, os incentivos já existentes, somados com a atual crise de combustíveis, tem feito com que muitos optem pelos carros elétricos. Esse é o caso do Reino Unido: segundo o CarGuide, publicado em setembro, houve um aumento de 1.600% em buscas no Google sobre os automóveis elétricos.

Ricardo também ressaltou que a mobilidade elétrica vai ao encontro com as ações de sustentabilidade e proteção do meio ambiente. “Somente considerando a cidade de São Paulo, os carros são responsáveis pela emissão de 72,6% da emissão de gases que provocam o efeito estufa. Imagina a redução do impacto ambiental que teremos quando tivermos mais iniciativas de redução de preços e incentivos ao mercado de elétricos no Brasil?”, conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Vale testa caminhões de 72 toneladas 100% elétricos

Veículos serão usados nas operações da mineradora em Minas Gerais e da Indonésia

Obra em Niterói recebe tapume de plástico 100% reciclado

Ecotapume modular, da Tegra Incorporadora, conta com 3.974 blocos de material reciclado.

Últimas Notícias

China aprofunda cooperação agrícola pela segurança alimentar global

Quando os ventos sopram a exuberante fazenda de trigo que se estende por cerca de 300 hectares no noroeste do Zimbábue em agosto, é difícil acreditar que essa terra fértil era estéril há uma década.

Câmara do Rio cassa mandato de Gabriel Monteiro

Vereador foi julgado por quebra de decoro parlamentar.

ODI não financeiro da China sobe 4,4% de janeiro a julho

O investimento direto não financeiro (ODI, sigla em inglês) aplicado pela China no exterior atingiu 424,28 bilhões de yuans nos primeiros sete meses do ano, um aumento anual de 4,4%, mostram os dados oficiais nesta quinta-feira.

Número de inadimplentes subiu 4,8% no acumulado do primeiro semestre

Cartão de crédito é responsável por mais de 80% dos brasileiros endividados.

Alta do dólar ante moedas emergentes pode manter real pressionado hoje

No câmbio, nossa moeda poderá seguir depreciado ante o dólar, uma vez que a moeda americana opera em alta no exterior.