Redução do ICMS para carros elétricos não deve baixar preços

Empresa do segmento diz que faltam também investimentos em infraestrutura.

O Governo de São Paulo anunciou na semana passada a redução da alíquota do ICMS para setores geradores de empregos a partir de 2022. Dentre os segmentos beneficiados está o de mobilidade elétrica, que terá uma redução de 18% para 14,5%.

Por mais que seja uma medida positiva, ainda não é uma notícia que pode de fato fazer com que os preços do mercado diminuam de forma significativa, segundo Ricardo da Silva David, sócio-fundador da Elev, empresa do segmento.

Para ele, apesar de estar no caminho correto, ainda falta muito para os carros elétricos emplacarem no Brasil. “É um pequeno passo para o que nós, que atuamos no segmento da eletromobilidade, esperamos. Os governos estaduais precisam fazer a sua parte, mas também são necessárias ações em nível nacional, provindas do Congresso ou do Executivo. Para o segmento realmente chegar na maior parcela da população, ainda precisamos de incentivos públicos, como é o caso da diminuição do ICMS em São Paulo”, explica Ricardo.

Segundo o executivo, um dos grandes entraves no Brasil ainda é o valor dos automóveis, mas também são necessárias ações coordenadas para incentivar o crescimento do segmento como um todo. “Precisamos de investimentos sérios na estruturação, algo que vai da instalação de carregadores em estradas, condomínios e espaços de comércio e, ao mesmo tempo, com ações dos governos federal, estadual e dos municípios, incentivando o segmento”, declarou.

Na Europa, os incentivos já existentes, somados com a atual crise de combustíveis, tem feito com que muitos optem pelos carros elétricos. Esse é o caso do Reino Unido: segundo o CarGuide, publicado em setembro, houve um aumento de 1.600% em buscas no Google sobre os automóveis elétricos.

Ricardo também ressaltou que a mobilidade elétrica vai ao encontro com as ações de sustentabilidade e proteção do meio ambiente. “Somente considerando a cidade de São Paulo, os carros são responsáveis pela emissão de 72,6% da emissão de gases que provocam o efeito estufa. Imagina a redução do impacto ambiental que teremos quando tivermos mais iniciativas de redução de preços e incentivos ao mercado de elétricos no Brasil?”, conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Renova Energia fecha negócio da Brasil PCH

A Renova Energia, em recuperação judicial, concluiu nesta quinta-feira a venda de sua posição majoritária na Brasil PCH, sociedade que reúne 13 usinas de...

ANP aprova novas regras para firmas inspetoras de combustíveis

A Diretoria da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou nesta quinta-feira (02) a resolução que revisa os requisitos necessários para...

ONU: 274 milhões precisarão de ajuda e proteção de emergência em 2022

Moçambique é único lusófono coberto na resposta a 63 países.

Últimas Notícias

Contração seguida do PIB configura recessão técnica

A quinta-feira foi marcada pela repercussão dos dados divulgados sobre o Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos...

Renova Energia fecha negócio da Brasil PCH

A Renova Energia, em recuperação judicial, concluiu nesta quinta-feira a venda de sua posição majoritária na Brasil PCH, sociedade que reúne 13 usinas de...

ANP aprova novas regras para firmas inspetoras de combustíveis

A Diretoria da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou nesta quinta-feira (02) a resolução que revisa os requisitos necessários para...

Dia de alta para Petrobras e Braskem

A quinta-feira foi um dia de propensão a risco. “Tivemos uma alta bastante expressiva de alguns papéis na bolsa como Petrobras e Braskem. A...

B3 faz leilão do Fundo de Investimentos da Amazônia

Dia 16 de dezembro, a B3 realizará o leilão de valores mobiliários integrantes da carteira de ações do Fundo de Investimentos da Amazônia (Finam),...