Referências

Em que faculdade de economia, a presidente Dilma Rousseff aprendeu que juros altos são a única forma de combater a inflação? Certamente não foi na Unicamp.

Lições dos EUA
Em 1937, depois de os Estados Unidos acumularem déficits fiscais de 5% a 6% do Produto Interno Bruto (PIB), para enfrentar a Grande Depressão, iniciada em 1930, o presidente Franklin Roosevelt, iludido com a tênue recuperação da economia do país, cedeu às pressões para perseguir o equilíbrio orçamentário. Com isso, retardou a recuperação da economia, que emergiu numa grave depressão, da qual somente saiu com o esforço militar exigido pela entrada do país na II Guerra Mundial, que levou ao aumento exponencial de investimentos públicos, resultando em déficits da ordem de 30% do PIB. Pouco mais de 70 anos depois, posto diante de situação semelhante, o presidente Barack Obama mostra não ter aprendido com as lições da história, capitulando à pressão dos republicanos por cortes de gastos, o que deve empurrar a economia dos EUA para uma recessão ainda mais prolongada e grave do que aquela da qual o país começa a sair muito timidamente.

Lições para Dilma
A opção preferencial de Obama pelo “equilíbrio fiscal” também deveria servir de alerta para a presidente Dilma. Com a Europa estagnada graças ao mesmo modelo, o Brasil, em vez de cortar gastos públicos e retomar o aumento de juros, deveria, mirando-se sucedido nos anos 30, quando o país cresceu um Japão por ano, preparar o terreno para reduzir a dependência da exportações, fortalecer o mercado interno e incentivar o aumento da produção, com a redução de juros e elevação do poder aquisitivo da população.

Além dos números
De acordo com pesquisas do IBGE, existem 14,2 milhões de brasileiros analfabetos com mais de 15 anos de idade e 32,1 milhões de analfabetos funcionais. Além disso, segundo o Índice Nacional de Analfabetismo Funcional (INAF),  apenas 25% da população é capaz de compreender, interpretar e comparar informações de diferentes textos. Ou seja, o aumento do número de crianças matriculadas na rede de ensino do país não é sinônimo de aprendizagem da língua escrita. Esse é o principal tema de Textos em contextos – Reflexões sobre o ensino da língua escrita (Summus Editorial). Organizado por Silvia Gasparian Colello, doutora em Pedagogia pela USP, o livro quer contribuir para a erradicação do analfabetismo e a superação dos baixos níveis de letramento, a partir da abordagem socioconstrutivista.

Sacrifício alheio
Durante debate numa sala de aula da PUC, a professora apoiou um aluno, que, se apresentando como empresário, reclamou dos encargos trabalhistas, defendendo a revogação da CLT, qualificada por ele como “um mimo de Getúlio Vargas”. Segunda a professora, o Brasil estaria “muito atrasado” no processo de globalizando em comparação a vizinhos como Paraguai, Venezuelana, Colômbia e Equador e criticou os trabalhadores brasileiros por serem “muito acomodados” e não fazerem revolução para defender seus direitos. Um estudante mais crítico, então, perguntou se ela gostaria de trabalhar naqueles países, abrindo mão de 13º salário, férias remuneradas, plano de saúde e outros benefícios que a faculdade oferece aos funcionários. E ironizou: “Com isso, a faculdade teria mais dinheiro, para conceder bolsas de estudo  para quem precisa.”

Eu não!
O aluno é claro, ficou sem resposta da professora, que faz sua revolução particular prestando consultorias para empresas, mas o episódio reproduz contradição frequente no debate nacional. Como regra, os defensores do capital financeiro são especialistas em pedir “sacrifícios” e “austeridade”, desde que, por óbvio, restritos aos outros.

Lei é lei
Há cerca de três semanas, durante show de Mart”nália, no Circo Voador, na Lapa, no Rio, uma espectadora acendeu um cigarro. Imediatamente, foi abordada por um segurança, que a lembrou que, pela legislação em vigor, é proibido fumar em espaços públicos fechados. Como se encontrasse cercada por outros espectadores que fumavam maconha sem serem incomodados, ela ainda tentou argumentar contra a diferença de tratamento, mas ouviu do segurança: “Contra maconha, não existe qualquer restrição legal ao fumo em espaço fechado.”

Artigo anteriorFaltou
Próximo artigoDois pesos
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços ao consumidor de março avançaram mais que esperado

Veículos novos registraram o segundo mês consecutivo sem variação, enquanto os usados apresentaram variação positiva.

Castello Branco diz adeus à Petrobras

Assembleia de acionistas da estatal aprovou a destituição.

Alerj pede ao STF suspensão do pagamento de dívida na pandemia

Alerj estima que desde março de 2020, quando se iniciou a pandemia, o Estado do Rio já quitou R$ 1 bilhão em juros da dívida com a União.

Governo Bolsonaro tumultua e população vive drama para receber auxílio

Consórcio do Nordeste, formado por todos os governadores da região, defende que governo descentralize pagamento do benefício.

Indústria do cimento cresce 19% no 1º tri

Mau desempenho no primeiro trimestre de 2020, em razão das fortes chuvas e do início da pandemia, frente ao mesmo período de 2021, refletiram na alta do setor.