Refinaria árabe é vendida por mais de 3 vezes valor da brasileira

Negócio pode ser suspenso pelo Tribunal de Contas da União.

No momento em que o Tribunal de Contas da União (TCU) examina a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam) para o Mubadala, fundo soberano dos Emirados Árabes, o diretor da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (Aepet) Ricardo Maranhão enviou um ofício ao ministro Bruno Dantas, vice-presidente do TCU, em que apresenta números que questionam o negócio.

Trabalho elaborado pelo engenheiro Elie Abadie apresenta dois casos que indicam que o valor da venda da Rlam (US$ 1,650 bilhão) se encontra abaixo do praticado internacionalmente.

Na Refinaria de Port Arthur, Texas, maior refinaria norte-americana, a Shell vendeu, em 2018, à sócia Saudi Aramco sua metade, equivalente à produção de 300 mil barris por dia (bpd), por US$ 2,8 bilhões. A planta brasileira tem uma capacidade ligeiramente superior: 310 mil bpd.

Em outro caso, a Adnoc (estatal de Abu Dhabi) vendeu parte da refinaria de Ruwais às petrolíferas ENI (italiana) e OMV (austríaca). O engenheiro abadie fez um cálculo levando em conta o valor pago por cada uma e a fatia na companhia. A OMV pagou o equivalente a US$ 18.076,60 por barril. A ENI, um pouco menos: US$ 17.895,90 por barril.

O mesmo cálculo para a Rlam mostra que a venda para a Mubadala sairia a US$ 5.323 por barril, o equivalente a 29,57% do valor de compra de uma refinaria equivalente.

Em seu estudo, o engenheiro – que se aposentou da Petrobras após 50 anos de serviços – informa que, nos últimos 15 anos, a estatal brasileira investiu entre US$ 4 bilhões e US$ 5 bilhões por refinaria, ampliando, modernizando e tornando-as mais lucrativas.

Também engenheiro, Paulo César Ribeiro Lima, que trabalhou na Petrobras e posteriormente foi consultor legislativo concursado da Câmara dos Deputados e do Senado, estima o valor justo para a Rlam em US$ 3,33 bilhões, o dobro do negociado.

A operação pretendida não se limita à venda da refinaria, a segunda maior brasileira. Inclui 4 terminais (Madre de Deus, Jequié, Candeias e Itabuna); 669km de polidutos; tancagem para armazenamento; e bases de distribuição primárias e secundárias.

Para o conjunto (refinaria e ativos de logística), Ribeiro Lima estima o valor justo na ordem de US$ 4,2 bilhões.

Técnicos do TCU devem entregar ainda esta semana ao ministro Walton Alencar parecer sobre a venda, que pode ser suspensa pelo órgão. “Consideramos absolutamente pertinentes as críticas feitas no Tribunal ao afogadilho, verdadeira ligeireza com a qual a Petrobras insiste em concretizar esta operação”, afirma Ricardo Maranhão no ofício.

Leia também:

Caixa: aquisições de crédito imobiliário totalizam R$16,1 bi no 1º tri

Pix, varejo e criptomoedas em debate no Payment View

Artigos Relacionados

B3 acolhe novo fundo gerido pela XP Asset

Aconteceu nesta terça-feira, na B3, o toque de campainha para comemorar o lançamento de mais um ETF (Exchange-Traded Fund), que é um fundo de...

TCU: Ferrovia Malha Oeste não presta serviço adequado

Falhas na fiscalização da ANTT permitiram degradação da linha.

Dólar fecha abaixo de R$ 5 depois de 1 ano

Bolsa de Valores ameniza queda no fim do dia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

CVM lança novo Sistema de Gestão de Fundos de Investimento

A partir de 5 de julho, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) irá disponibilizar o novo Sistema de Gestão de Fundos de Investimento (SGF)....

B3 acolhe novo fundo gerido pela XP Asset

Aconteceu nesta terça-feira, na B3, o toque de campainha para comemorar o lançamento de mais um ETF (Exchange-Traded Fund), que é um fundo de...

Airbus e chinesa AVIC fazem parceria

Um projeto de equipamento de fuselagem do Airbus A320 foi lançado em conjunto pela Airbus e pela Aviation Industry Corporation of China (AVIC) nesta...

BID lança guia para ajudar na emissão de títulos sustentáveis

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) lançou um guia para auxiliar e fomentar a emissão de títulos temáticos. O lançamento acontece por meio do...

Vivant lança lata comemorativa ao Dia Internacional do Orgulho LGBT

A lata estampa as cores do arco-íris e traduz o posicionamento da empresa sobre o respeito à diversidade.