Refinaria árabe é vendida por mais de 3 vezes valor da brasileira

Negócio pode ser suspenso pelo Tribunal de Contas da União.

No momento em que o Tribunal de Contas da União (TCU) examina a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam) para o Mubadala, fundo soberano dos Emirados Árabes, o diretor da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (Aepet) Ricardo Maranhão enviou um ofício ao ministro Bruno Dantas, vice-presidente do TCU, em que apresenta números que questionam o negócio.

Trabalho elaborado pelo engenheiro Elie Abadie apresenta dois casos que indicam que o valor da venda da Rlam (US$ 1,650 bilhão) se encontra abaixo do praticado internacionalmente.

Na Refinaria de Port Arthur, Texas, maior refinaria norte-americana, a Shell vendeu, em 2018, à sócia Saudi Aramco sua metade, equivalente à produção de 300 mil barris por dia (bpd), por US$ 2,8 bilhões. A planta brasileira tem uma capacidade ligeiramente superior: 310 mil bpd.

Em outro caso, a Adnoc (estatal de Abu Dhabi) vendeu parte da refinaria de Ruwais às petrolíferas ENI (italiana) e OMV (austríaca). O engenheiro abadie fez um cálculo levando em conta o valor pago por cada uma e a fatia na companhia. A OMV pagou o equivalente a US$ 18.076,60 por barril. A ENI, um pouco menos: US$ 17.895,90 por barril.

O mesmo cálculo para a Rlam mostra que a venda para a Mubadala sairia a US$ 5.323 por barril, o equivalente a 29,57% do valor de compra de uma refinaria equivalente.

Em seu estudo, o engenheiro – que se aposentou da Petrobras após 50 anos de serviços – informa que, nos últimos 15 anos, a estatal brasileira investiu entre US$ 4 bilhões e US$ 5 bilhões por refinaria, ampliando, modernizando e tornando-as mais lucrativas.

Também engenheiro, Paulo César Ribeiro Lima, que trabalhou na Petrobras e posteriormente foi consultor legislativo concursado da Câmara dos Deputados e do Senado, estima o valor justo para a Rlam em US$ 3,33 bilhões, o dobro do negociado.

A operação pretendida não se limita à venda da refinaria, a segunda maior brasileira. Inclui 4 terminais (Madre de Deus, Jequié, Candeias e Itabuna); 669km de polidutos; tancagem para armazenamento; e bases de distribuição primárias e secundárias.

Para o conjunto (refinaria e ativos de logística), Ribeiro Lima estima o valor justo na ordem de US$ 4,2 bilhões.

Técnicos do TCU devem entregar ainda esta semana ao ministro Walton Alencar parecer sobre a venda, que pode ser suspensa pelo órgão. “Consideramos absolutamente pertinentes as críticas feitas no Tribunal ao afogadilho, verdadeira ligeireza com a qual a Petrobras insiste em concretizar esta operação”, afirma Ricardo Maranhão no ofício.

Leia também:

Caixa: aquisições de crédito imobiliário totalizam R$16,1 bi no 1º tri

Pix, varejo e criptomoedas em debate no Payment View

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Número de inadimplentes subiu 4,8% no acumulado do primeiro semestre

Cartão de crédito é responsável por mais de 80% dos brasileiros endividados.

Alta do dólar ante moedas emergentes pode manter real pressionado hoje

No câmbio, nossa moeda poderá seguir depreciado ante o dólar, uma vez que a moeda americana opera em alta no exterior.

Lucro da Caixa cai 70,7% no semestre

Banco destaca o papel das loterias que levantaram R$ 5,4 bi

Últimas Notícias

Vestuário e calçados têm desempenho positivo entre redes de moda

Dia dos Pais impulsionou desempenho do setor; mercado de roupas usadas pode ultrapassar varejo de moda em 2024.

Bares e restaurantes tiveram o maior faturamento do ano em julho

Segundo associação do setor, 32% dos estabelecimentos operaram com lucro no período, enquanto 41% tiveram equilíbrio.

China aprofunda cooperação agrícola pela segurança alimentar global

Quando os ventos sopram a exuberante fazenda de trigo que se estende por cerca de 300 hectares no noroeste do Zimbábue em agosto, é difícil acreditar que essa terra fértil era estéril há uma década.

Câmara do Rio cassa mandato de Gabriel Monteiro

Vereador foi julgado por quebra de decoro parlamentar.

ODI não financeiro da China sobe 4,4% de janeiro a julho

O investimento direto não financeiro (ODI, sigla em inglês) aplicado pela China no exterior atingiu 424,28 bilhões de yuans nos primeiros sete meses do ano, um aumento anual de 4,4%, mostram os dados oficiais nesta quinta-feira.