Refinaria da BA privatizada tem os combustíveis mais caros

Empresa mudou a métrica e forma de divulgação dos reajustes.

Diferentemente da Petrobras, que anuncia o reajuste dos combustíveis em porcentagem, a Acelen – a holding do fundo árabe Mubadala, que assumiu em 1° de dezembro a gestão da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, renomeada Refinaria Mataripe – usou uma fórmula diferente, mudando a métrica e a forma de divulgação, apresentando o reajuste em centavos por metro cúbico, que entrou em vigor em 1° de janeiro.

A mudança de cálculo dificulta a comparação com o modelo da estatal e confunde o consumidor, que fica sem ter noção do aumento real, afirmou o diretor do Sindipetro Bahia, Radiovaldo Costa. Segundo análise técnica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), o reajuste da gasolina efetuado pela Acelen foi de 6,98% e o do diesel, 4,14%.

Na avaliação de Costa, não há nada que justifique o aumento dos combustíveis, imposto pela Acelen no primeiro dia do ano de 2022, disse Costa. “Mesmo se usarmos a lógica do PPI (Preço de Paridade de Importação) – adotado pela atual gestão da Petrobras – não encontramos explicação para o aumento, pois não houve variação do dólar e nem do barril do petróleo neste período”, explicou.

O coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, lembra que, após assumir a gestão da RLAM, em dezembro último, a Acelen suspendeu o fornecimento de óleo bunker para os navios no Terminal de Madre de Deus (Temadre, BA), e não reduziu o preço da gasolina comercializada no estado, como anunciou a Petrobras, na ocasião, para as suas refinarias.

Segundo a FUP, em comparação com as 12 refinarias da Petrobras, a RLAM, privatizada, é a que oferece ao mercado a gasolina e o diesel mais caros. Com este novo reajuste, a gasolina já ultrapassa os R$ 7,00 o litro, chegando a R$ 7,49 em alguns postos do estado.

A operação de venda da RLAM foi concluída com o pagamento de US$ 1,8 bilhão para a Petrobras, valor que reflete o preço de compra de US$ 1,65 bilhão.

Assim que assumiu a gestão da refinaria da Bahia, o presidente do Mubadala Capital no Brasil, Oscar Fahlgren, afirmou que a prioridade é garantir excelência na produção e operação da unidade, além de uma transição estruturada, serena e sem ruptura.

“É criar valor com atenção especial às pessoas e ao meio ambiente. Enfatizamos sempre o compromisso de longo prazo que temos com o país e as regiões onde atuamos. Este é certamente um dos objetivos da Acelen”, frisou.

 

1 COMENTÁRIO

Deixe um comentário para Paulo Sarasate Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Reduzir alíquota de ICMS não aliviará preço de combustíveis

Política equivocada do governo pode levar a falta de diesel.

BB DTVM lança ETF de Agronegócio na B3

Primeiro voltado para o setor de agronegócio disponível no mercado doméstico

Empresas brasileiras pagam mais a acionistas

Vale: 9° lugar no mundo, na frente da Apple

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.