Reforço de caixa

O dinheiro oriundo do pagamento de royalties do petróleo tem representado um importante reforço para o caixa do Estado do Rio de Janeiro. Até setembro, o estado recolheu R$ 485 milhões em royalties, segundo dados contabilizados pela Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet). Desse total, R$ 225 milhões serão esterilizados com o pagamento de dívidas à União, sangria que comprometerá, durante os próximos 20 anos, até 13% da receita líquida estadual.
Apesar dos gastos com juros e com amortização de dívida, o estado dispõe de recursos adicionais de R$ 260 milhões, devido ao aumento dos preços do barril do petróleo no mercado internacional. Como a legislação determina que os recursos oriundos do pagamento de royalties devem ser usados, preferencialmente, em projetos ambientais e de saneamento básico, está na hora de o governo estadual mostrar serviço nesse setor.

Barra
Todo cuidado é pouco aos consumidores natalinos com os preços marcados em código de barras, nos supermercados e lojas de departamento. Na Casa & Vídeo de Itaipu, Região Oceânica de Niterói, um brinquedo que estava marcado a R$ 29,99 na prateleira pulou para R$ 34,99 na boca do caixa – salto de mais de 16%. A diferença de preços – sempre para mais – também é comum nos supermercados. Em alguns, como a Sendas, o programa de computador nas caixas dificulta a conferência, mostrando um produto de cada vez, impedindo que o consumidor reveja algum item antes que seja impresso o cupom fiscal. Haja memória para se lembrar de dezenas de preços.

Folia
Segundo o governo, redução do preço da gasolina só dentro do “cronograma trimestral.” O próximo ajuste, de acordo com o cronograma do governo, ocorrerá no dia 6 de abril de 2001. Como abril é o quarto mês do ano, fica a dúvida: o trimestre do governo federal tem quatro meses ou só começam a contar depois do carnaval?

E as outras?
Instigante o nome do arquivo de computador com a nota do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República distribuída ontem (e que vai publicada pelo MM logo aqui embaixo): versão final.doc

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorIncomodado
Próximo artigoDestino melhor

Artigos Relacionados

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Governo sabota emprego doméstico

Desconto no Imposto de Renda, que acabou, incentivava a assinatura da carteira.

Últimas Notícias

Mais de 80% do estoque da Gafisa tem médio e alto padrão

Em três meses empresa lançou R$ 685 milhões em Valor Geral de Vendas

Medição da produção de petróleo e gás terá novas regras

Baixa vazão deve favorecer ainda mais as petrolíferas

RNI diz que novo plano trouxe melhor resultado em 7 anos

Total de unidades financiada atingiu recorde de R$ 228 milhões

Volume de sedãs cai nos últimos anos

Onix Plus foi o mais vendido em 2021, apesar da crise dos semicondutores.

Sindicatos defendem política pública para tratar dos combustíveis

Melhor alternativa é considerar todas as etapas e beneficiar o consumidor