Refém

O prêmio de 10,96% pago, ontem, pela Argentina para leiloar US$ 350 milhões em letras do Tesouro mostra que, ao contrário das fantasias fundamentalistas, a nomeação de Domingo Cavallo não resolveu o grave problema do estrangulamento externo do país. Além de bancar juros 4,1 pontos percentuais acima dos 6,86% que pagara pouco menos de um mês atrás, em 20 de fevereiro, o país conseguiu colocar papéis de apenas 91 dias. Ou seja, a decantada credibilidade de Cavallo não supera os três meses na avaliação dos financiadores do país.
O leilão deve dar algum fôlego ao combalido Governo De La Rúa, ajudando no pagamento do papagaio externo de US$ 400 milhões que vence na próxima sexta-feira. O preço pago e a insistência na manutenção do câmbio engessado, no entanto, revelam que a moratória é cada vez mais uma realidade para a Argentina e que pode ser deflagrada a qualquer momento. Basta que investidores mais tementes ao risco do país resolvam antecipar a realização de seus lucros.

Reincidente
Se um Cavallo já levou a Argentina à breca, imagine aonde pode chegar um SuperCavallo.

Álibi alienígena
Na sua teoria das pulsões, Freud ensinou-nos como, na luta dos contrários, uma negação pode ser a outra face de uma afirmação. Num governo que tem na projeção sobre seus adversários de seus desejos e fraquezas seu principal ponto de decodificação, não é difícil identificar na histeria com que se lança contra a CPI da Corrupção uma poderosa e irresistível justificativa para a criação da comissão.
O argumento do Planalto de que o requerimento da criação da CPI tem casos demais de corrupção a apurar equivale à típica razão autojustificável para o início imediato das investigações no Congresso. Já a alegação de que a instalação da comissão seria lida pelo mercado internacional como sinal de que o país “vive um mar de lama” tem duas implicações que se complementam. Primeiramente, trata-se de contundente denúncia sobre o grau de submissão a decisões externas que o modelo econômico dependente impôs ao país. E, para além disso, trata-se de álibi não reconhecido pela Constituição brasileira para deter investigações sobre transações obscuras e suspeitas perpetradas em território nacional.

Engessamento
Ao defender a independência do Banco Central, em entrevista ao programa Roda Viva, o presidente da Câmara dos Deputados, o tucano Aécio Neves, argumentou que Armínio Fraga seria “uma das raras unanimidades do país”. Como Fraga é um dos principais ícones da política econômica que sujeita o país a crises endêmicas, Aécio deveria ser mais explícito no seu autoritarismo de tentar impedir que o eleitorado opte por uma política alternativa à da aventura tucana.

Apoio virtual
Se a bancada do Partido Liberal decidir por não apoiar o pedido de CPI da Corrupção estará caracterizando propaganda eleitoral enganosa. Nos anúncios que está veiculando nas rádios, o PL garante que vai apoiar a CPI.

Maus modos
Do presidente da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Luiz Carlos Delben, sobre a decisão do ministro Domingos Cavallo de reduzir a zero, também para países fora do Mercosul, a alíquota de importação de máquinas e equipamentos: “O Cavallo deu um coice no Brasil.” A Abimaq estima que o prejuízo das empresas brasileiras com a medida, encampada pela equipe econômica tucana, pode chegar a US$ 400 milhões.

Reação
O Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro – Universidade do Brasil (UFRJ) está novamente em pé de guerra com o reitor, José Vilhena. A briga, que estava em banho-maria nos últimos meses, se intensificou com a decisão do reitor de não mais convocar o Conselho Universitário. Vilhena teria inclusive declarado, segundo os membros do órgão, que assim agia por que “o conselho estava ilegal”. Hoje os decanos dos diversos centros que compõem a universidade se reúnem no campus da Praia Vermelha para discutir os problemas e traçar caminhos para salvar a instituição. Os decanos temem também que as decanias sejam extintas. A reunião será às 17h, no Salão Pedro Calmon.

Artigo anteriorExportador
Próximo artigoAs propostas de Ciro
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Investimento chinês em pesquisa aumentará 7% ao ano até 2025

País divulga 14º Plano Quinquenal; desde 1953, PIB cresceu 1.232 vezes.

FMI: orçamento deve atender direitos das mulheres

No Egito, por exemplo, houve mais recursos para serviços públicos de creche.

Planos registram maior número de beneficiários desde dezembro de 2016

Dados de janeiro foram divulgados hoje pela ANS e confirmam tendência de crescimento no país.

MP-RJ pede júri popular para Flordelis e mais oito réus

Deputada é acusada de mandar matar o marido; 11 réus respondem ao processo, mas o MP pediu para não se pronunciar sobre dois deles.

Payroll de fevereiro surpreendeu positivamente as expectativas

Soma-se às surpresas a revisão no número anterior de 49k para 166k e, principalmente, a criação de vagas no setor privado em 465k.