Refém

Independentemente do resultado das investigações sobre as novas revelações do escândalo da venda das teles, o episódio revela lição fundamental: o país vive em estado de impeachment informal. Ou em suspenso, como espada de Dâmocles sobre o ainda ocupante da cadeira de presidente da República.
Não se trata da destituição defendida pela oposição, sem maioria no Congresso e ainda sem fôlego suficiente nas ruas. Embora essa seja realidade de alta volatilidade, não é a que está desenvolvimento. O processo em curso – há mais tempo do que percebido, inclusive por formadores de opinião – se arrasta, até a onde a vista alcança, desde o “grampo” do Caso Sivam. Mas já revelou facetas tão variadas desse poder invisível como a criação da CPI dos Bancos e o primeiro round do escândalo das teles.
A longa permanência do então diretor da Polícia Federal em seu posto é apenas uma pista da longa teia que mantém o presidente acuado. O fato de que essa pressão não se explicite o tempo todo pode ser lida como parte de acordos e composições que permitem a luta política prosseguir em níveis menos brutos ou de menor visibilidade até os enfrentamentos intestinos voltarem a se acirrar.
Mesmo a adversários, não interessa ter um presidente acuado e à mercê de chantagens, que vão e voltam ao sabor de interesses não explicitados para o público externo. Sua incapacidade de pôr termo a esse aprisionamento deveria ser motivo para democratizar a discussão sobre seus motivos e liberar as energias do país para enfrentar questões mais de fundo para seu futuro que as dos pesados interesses dos porões do poder. No mínimo, o país teria, literalmente, muito a ganhar.

Voz rouca
Marketeiros do Planalto continuam sem entender o resultado da pesquisa em que brasileiros apontaram o presidente FH como o brasileiro que mais envergonha o país.
Voz rouca II
A decisão do presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB-SP), de resumir a uma advertência verbal a punição ao deputado Jair Bolsonaro (PPB-RJ), que defendeu “o fuzilamento de 30 mil corruptos, a começar por FHC”, pautou-se no receio de transformar Bolsonaro em mártir. Pela quantidade de manifestações nas colunas de leitores do jornais e nas ruas, os governistas corriam o risco de ver Bolsonaro, sem mandato, ser transformado em herói nacional. Na dúvida, preferiram não arriscar.

Especialista
Manchete ontem do jornal Gazeta de Alagoas: “Grampo: Oposição exige impeachment de FHC”. O jornal pertence à família Collor de Mello, com larga experiência no assunto.

Desconto sem IPI
Descontos concedidos a revendedores em promoções estão isentos de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), de acordo com sentença do juiz da 1ª Vara Federal de Franca favorável a Refrescos Ipiranga, engarrafadora da Coca-Cola na região de Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Promoções do tipo “pague dois, leve três” e “dúzia de treze” são comuns no setor de bebidas. Cigarros e filmes fotográficos freqüentemente recorrem ao expediente e agora podem tentar economizar até 15% do recolhimento de IPI. Segundo o advogado da Refrescos Ipiranga, a empresa tentará no Tribunal Regional Federal conseguir a compensação do que foi pago a  mais nos anteriores. O argumento é que o valor do tributo deve recair sobre o montante efetivo da operação, conforme determina o Código Tributário Nacional. O código invalidaria lei complementar (nº 7.789/89) que determina a inclusão dos descontos para o cálculo do IPI.

Caminho alternativo
Criticada pela mídia estrangeira (que foi prontamente imitada pela tupiniquim), a experiência da Malásia para sair da camisa-de-força do neoliberalismo começa a dar resultados. Até a revista Fortune Americas reconhece que o controle do fluxo de capitais não provocou a fuga de investimentos que os economistas ortodoxos esperavam. Ao contrário, o país elevou suas reservas em dólar, através do superávit nas contas externas (e não de empréstimos ou capitais voláteis, como em certo país da América Latina…) e experimenta crescimento da economia.

Artigo anteriorSob o mesmo teto
Próximo artigoSurpresa instigante
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Capitalismo na origem da pandemia

Agronegócio e destruição do habitat estão nas raízes de 70% das novas doenças infecciosas.

Bitcoin leva 2 pancadas de uma vez

Pagamento de resgate a hackers e declaração de Musk mostram ‘lado negro da força’.

Taxação sobre heranças reflete desigualdade

Apenas 0,5% da receita vem de impostos sobre bens deixados ou doados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Hospitais temem onda de multas por não se adequar à LGPD

Estabelecimentos de pequeno e médio porte alegam não ter recursos para cumprir a lei.

Prisão de Pazuello na CPI é improvável, afirma jurista

Liminar concedida por Lewandowski será submetida à apreciação da Corte.

Turismo caiu 17,6% em março

No primeiro mês pandêmico no Brasil, março de 2020, setor viu receitas caírem 22,3%; ante mesmo mês de 2019, retração é de mais de um terço.

Custo de produção de suínos passa dos R$ 7 por quilo vivo

Em abril, os custos para produzir suínos aumentaram 2,33% ante março, fazendo indicador do setor medir a variação nos custos de produção.

Europa opera em comportamento negativo nesta manhã

A Bolsa de Frankfurt cedia 0,80% e Londres operava em queda de 0,66%.