Regra

Embora o montante da ajuda pública a empresas e bancos privados na atual crise assuma dimensões inéditas, o intervencionismo estatal para salvar empresa particulares não é exceção, mas “um traço característico do capitalismo de Estado”. A observação é do intelectual estadunidense Noam Chomsky. Em artigo intitulado “A cara antidemocrática do capitalismo” e publicado na edição eletrônica da Agência Carta Maior, Chomsky observa que estudo dos pesquisadores em economia internacional Winfried Ruigrok e Rob van Tulder constatou que, nos últimos 15 anos, pelo menos 20 companhias entre as 100 primeiras do ranking da revista Fortune não teriam sobrevivido se não tivessem sido salvas por seus respectivos governos. Além disso, muitas, entre as 80 demais, obtiveram ganhos substanciais via demandas aos governos para que “socializassem suas perdas”: “Tal intervenção pública foi a regra, mais do que a exceção, nos dois últimos séculos”, concluíram os pesquisadores citados por Chomsky.

Parlamento virtual
O pensador estadunidense acrescenta que a liberalização financeira teve efeitos para muito além da economia: “Há muito que se compreendeu que era uma arma poderosa contra a democracia. O movimento livre dos capitais cria o que alguns chamaram um “parlamento virtual” de investidores e credores que controlam de perto os programas governamentais e “votam” contra eles, se os consideram “irracionais”. Quer dizer, se são em benefício do povo e não do poder privado concentrado”, ironiza.
Ele acrescenta que os investidores e credores podem “votar” de várias formas, como recorrendo à fuga de capitais, com ataques às divisas e com outros instrumentos que a liberalização financeira “lhes serve de bandeja”: “Essa é uma das razões pelas quais o sistema de Bretton Woods, estabelecido pelos EUA e pela Grã Bretanha depois da II Guerra Mundial, instituiu controle de capitais e regulou o mercado de divisas”, observa.

Sem crédito
Segundo estimativa do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), neste ano o crédito total aos emergentes deve ficar em cerca de US$ 135 bilhões, um terço do que foi concedido em 2007. Para evitar que a crise já vivida pelos bancos dos países centrais afete de maneira mais intensa os bancos dos países emergentes, dirigentes de instituições financeiras públicas e privadas de países emergentes se reúnem nesta terça-feira, em Zurique. O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, representa o Brasil na reunião, que marca o início das atividades do Comitê Consultivo de Mercados Emergentes do IIF.
Entre os temas em discussão está ampliar o peso do G-20 na discussão de reformas do sistema financeiro internacional, com o objetivo de aperfeiçoar sua regulação. Participam, entre outros, representantes da China, Índia, Coréia, Polônia, África do Sul e Venezuela.

Companhias
Defensores da extradição de Cesare Battisti para a Itália mostram-se incomodados com a lembrança de que a decisão do governo italiano de negar a devolver Salvatore Cacciola não despertou as mesmas críticas proferidas agora pela militância midiática. Para eles, as situações não seriam comparáveis, por Cacciola também ter cidadania italiana, enquanto Battisti não é nacional. Esse argumento, porém, desconsidera que Cacciola desenvolveu, digamos, sua carreira no Brasil e, ao mesmo tempo, revela a unidade de medida que move os defensores da extradição de Battisti.

Prevenção
Uma campanha de conscientização, com distribuição de 10 mil folhetos nos condomínios em que administra, com dicas de combate à dengue, é a contribuição da administradora Protel para o Rio não ficar parado enquanto a doença se espalha. “Nosso objetivo é conscientizar os moradores de nossos condomínios sobre a responsabilidade de evitar que a dengue chegue em suas casas”, explica o presidente da Protel, Alfredo Lopes.

Comunicação pública
O professor Bernardo Kucinski ministra a partir de 5 de março, na Escola de Comunicação (ECA) da USP, o curso de especialização “Comunicação pública e de governo”. O objetivo é discutir o conceito de comunicação pública e como ele se aplica a estratégias de comunicação de atos e propostas de políticas públicas de governos centrais, estaduais e municipais e grandes instituições e organizações movimentos sociais e políticos. Kucinski, que também é jornalista, foi assessor especial da Secretaria de Comunicação de Governo e Gestão Estratégica do presidente Lula. Nessa condição, fornecia a Lula e um restrito grupo de auxiliares uma análise crítica da cobertura da imprensa, batizadas de Cartas Críticas.

Artigo anteriorTitanic
Próximo artigoMorais e materiais
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Dia de IPC nos EUA, vendas do varejo e PEC de gastos

Bolsas europeias fecharam majoritariamente em baixa: Madri teve queda de 0,39%.

Bolsas mundiais operam entre perdas e ganhos nesta terça

Em dia de leve alta, investidores locais monitoram as negociações em torno do Orçamento de 2021 e o CPI da Covid-19.

Preços ao consumidor de março avançaram mais que esperado

Veículos novos registraram o segundo mês consecutivo sem variação, enquanto os usados apresentaram variação positiva.

Castello Branco diz adeus à Petrobras

Assembleia de acionistas da estatal aprovou a destituição.

Alerj pede ao STF suspensão do pagamento de dívida na pandemia

Alerj estima que desde março de 2020, quando se iniciou a pandemia, o Estado do Rio já quitou R$ 1 bilhão em juros da dívida com a União.