Reino Unido e UE conversam de novo para garantir acordo pós-Brexit

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, devem conversar de novo por telefone na segunda-feira para abrir o impasse nas negociações comerciais pós-Brexit, informou a mídia local.

A BBC disse que o telefonema agendado é “crucial”, já que o tempo está se esgotando antes do prazo final de 31 de dezembro.

Em sua próxima conversa por telefone, a segunda em 48 horas, os dois líderes vão “avaliar se um acordo comercial pós-Brexit ainda pode ser alcançado”, informou a Sky News.

A quarta-feira é vista por Londres e Bruxelas como o último dia em que um acordo de Brexit poderia ser fechado, informaram fontes da União Europeia.

Os dois líderes tiveram sua primeira conversa por telefone no sábado, depois que os principais negociadores de ambos os lados interromperam suas conversas sobre as principais diferenças em três questões centrais, ou seja, igualdade de condições, governo e pesca.

Após a ligação de uma hora, durante a qual Johnson e von der Leyen concordaram em um empurrão final para chegar a um acordo, os negociadores da Grã-Bretanha e da UE retomaram suas negociações em Bruxelas no domingo para garantir um acordo comercial antes que o período de transição do Brexit expire no fim deste mês.

Os líderes britânicos e da UE emitiram um comunicado conjunto após um telefonema na tarde de sábado, dizendo que as negociações comerciais serão retomadas em Bruxelas no domingo, embora “diferenças significativas permaneçam”.

Os dois líderes conversaram várias vezes por telefone em vez de conversas cara a cara devido à pandemia de Covid-19. Para fazer a vida voltar ao normal, países como Alemanha, China, Rússia e EUA estão correndo contra o tempo para encontrar uma vacina.

O segundo telefonema ocorre no momento em que os negociadores britânicos e da UE se reúnem em Bruxelas para as negociações pós-Brexit, que estão por um fio, já que suas principais diferenças nos três pontos de conflito ainda permanecem.

Também na segunda-feira, a Grã-Bretanha disse que está preparada para negociar um acordo para o Brexit pelo tempo que for preciso, mas também rejeitou qualquer extensão de um período de transição do Brexit ou novas negociações no passado este ano.

A libra caiu drasticamente na manhã de segunda-feira, depois que o principal negociador da UE, Michel Barnier, fez uma avaliação “muito pessimista” sobre as chances de um acordo com do Brexit.

Seu obscuro briefing privado de café da manhã para embaixadores da UE em Bruxelas parecia calculado para alimentar temores de um resultado de não acordo, e a libra esterlina caiu 1,15 por cento em relação ao euro em poucos minutos.

Um diplomata da UE disse: “Estamos no momento do sucesso ou do fracasso”.

A Grã-Bretanha e a UE começaram suas longas e acidentadas negociações pós-Brexit em março, depois que a Grã-Bretanha encerrou sua adesão à UE no dia 31 de janeiro de 2020, tentando garantir um futuro acordo comercial antes que o período de transição do Brexit expire.

As negociações estão em um estágio crucial, pois o tempo está se esgotando para ambos os lados garantirem um acordo antes que o período de transição do Brexit expire no final do ano. O fracasso em chegar a um acordo de livre comércio com a UE significa que o comércio bilateral voltará às regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2021.

Hoje, os líderes da UE devem desbloquear um pacote de 1,8 trilhão de euros para ajudar a reanimar a economia após a pandemia. Eles também devem chegar a um acordo sobre novas e mais ambiciosas metas de redução de emissões de CO2 para combater as mudanças climáticas. Durante dois dias, os líderes dos 27 países da UE discutirão ainda as vacinas contra a Covid-19, a redefinição das relações com os EUA e planos de sanções à Turquia por atividades de perfuração em águas contestadas no Mediterrâneo.

O foco, no entanto, será desbloquear um histórico financiamento conjunto da União Europeia, de 750 bilhões de euros, para bancar a recuperação pós-pandemia, e 1,1 trilhão de euros, do Orçamento do bloco para 2021-2027, que se concentra na digitalização e no combate às mudanças climáticas.

Um consenso sobre os recursos é condição para um acordo sobre a proposta de que a UE reduza as emissões de gases de efeito estufa em 55% até 2030, em comparação com os níveis de 1990, em vez de 40%, conforme acertado agora.

A Polônia e Hungria têm bloqueado o pacote financeiro porque o acesso ao dinheiro deve, pela primeira vez, estar associado ao respeito pelo Estado de Direito. Como Varsóvia e Budapeste estão sob investigação da UE por minar a independência dos tribunais e da mídia, correm o risco de perder bilhões do bloco. Mas a Alemanha, que mantém a presidência rotativa da UE até o fim do ano, fechou um acordo com os dois países que lhes permitirá suspender o veto.

 

Com informações da Xinhua e da Agência Brasil, citando a Reuters

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Artigos Relacionados

Venda cai, mas árabes são o segundo destino de alimentos do Brasil

No total, os embarques de alimentos e bebidas ao exterior tiveram aumento de 11,4% no ano, frente a 2019.

Países ricos se recuperam mais rapidamente, pobres ficam para trás

Lacuna aumenta; vacinação global geraria US$ 9 trilhões até 2025, inclusive para os países desenvolvidos.

Pandemia tira US$ 2 bilhões por ano da educação

Países ricos gastam US$ 8,5 mil por aluno; pobres, US$ 48.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Bens duráveis: encomendas avançaram mais que o esperado em janeiro

Segundo analista, as revisões de dezembro foram altistas.

Coronavírus já contaminou 16% da população da capital paulista

Levantamento mostra aumento de 2 pontos percentuais em relação a janeiro.

Sem consenso, votação da PEC Emergencial é adiada para terça

Pesquisa revela que novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará a renda dos informais diante da atual pandemia no país.

IGP-M acumula inflação de 28,94% em 12 meses

Segundo FGV, taxa ficou em 2,53%, em fevereiro, após registrar 2,58% em janeiro.

Confiança do comércio tem leve alta em fevereiro

Segundo a FGV, é a primeira alta depois de quatro quedas consecutivas.