Relatório de análise gráfica - análise de dados técnicos

Opinião do Analista / 09:45 - 31 de jul de 2012

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Ibovespa: aproximando da resistência - O Índice Bovespa apresentou um pregão de boa recuperação intradiária, se aproximando um pouco mais da resistência forte em 57.600 pontos, que é a partir de onde abriria mais espaço para cima, com sua média móvel exponencial de 200 pregões logo depois. A perda dos 56.090 pontos poderia voltar a trazer quedas dentro dessa congestão maior, mas ainda longe de vendas mais pesadas, já que o suportão fica apenas em 52.200 pontos, que é a base da congestão. O OBV continua totalmente confuso, andando de lado até o momento. Dow Jones: possível topo - O Índice Dow Jones continua com sua tendência de alta e o objetivo de alta continua em 13.340 pontos, que é a máxima do ano e resistência bem importante. Depois de fortes altas em seqüência, o Índice deixou um possível sinal de topo e a perda dos 13.040 pontos poderia confirmar esse sinal, abrindo espaço para realizações com primeiro espaço até os 12.960 pontos, mas longe de comprometer a tendência de alta, que apenas seria terminada abaixo do seu fundo anterior em 12.450 pontos. PETR4: sem mudanças - Sem qualquer modificação mais importante em sua configuração, o papel continua com a recém adquirida tendência de alta, em busca dos R$ 20,50 e principalmente de sua média móvel exponencial de 200 pregões, que fica perto dos R$ 20,89 e é resistência bem importante. O OBV ainda está ajudando a tendência de alta, mas a perda dos R$ 19,81 pode confirmar uma região de topo e com isso trazer ao menos realizações de curto prazo, mas sem perder a tendência, que apenas aconteceria depois do suporte em R$ 18,41. VALE5: ainda fraco - O papel continua fraco e sua tendência terciária ainda é de baixa, com topos e fundos descendentes até o momento, podendo tentar repiques mais fortes acima dos R$ 36,92, em busca do fechamento de gap em R$ 37,62. Como a fraqueza ainda é evidente no seu gráfico, a perda dos R$ 36,21 pode confirmar uma nova região de topos descendentes e com isso voltara mirar a mínima do ano em R$ 33,92, que neste momento é o suporte mais importante. O OBV está condizente com esta fraqueza e somente sinalizaria alguma melhora após a formação de fundos ascendentes, bem como melhora de alguns indicadores. ITUB4: segue melhorando - O papel continua firme no curto prazo, ganhando mais força desde o rompimento de sua média móvel exponencial de 200 pregões feito no pregão anterior, agora com espaço amplo até a primeira resistência realmente importante, que fica em R$ 35,92, mas é fraca. Apesar da melhora recente, novas compras de curto prazo dependem de alguma realização para gerar um stop mais curto, já que o fundo anterior fica somente em R$ 28,71. O OBV também está melhorando e já anima os comprados. RSID3: em busca do objetivo - A tendência de alta que foi iniciada no ativo no pregão anterior ao romper os R$ 4,30 continua ganhando força, ainda em busca da faixa dos R$ 5 a R$ 5,20 como objetivo de alta, contando com grande ajuda dos seus indicadores, como as bandas de bollinger se abrindo e o OBV começando a esboçar alguma reação. O seu primeiro suporte importante fica em R$ ,80, que já fica um pouco distante para ser usado como stop, mas que parece ser a única opção no seu gráfico diário. LAME4: sentindo a resistência - A tendência do ativo ainda é de alta, sentindo a resistência dada pela máxima do ano em R$ 15,22, que é também o seu topo anterior e por isso o pontoa ser rompido para declarar um novo pivot de alta e com isso reforçar ainda mais a tendência de alta. Apesar da bela configuração, novas compras de curto prazo dependem justamente de alguma realização, que podem acontecer até os R$ 13,88, deixando então uma nova região de suporte para servir como stop mais curtinho. O OBV ainda ajuda os comprados até o momento. NATU3: firme na tendência de alta - Sem qualquer sinal de fraqueza até o momento, o papel segue firme e com a máxima histórica como sua única resistência, cujo rompimento deixaria um novo caminho livre para cima, mas com certo cuidado para novas compras de curto prazo já que as realizações já tem espaço para se mostrarem. A perda dos R$ 50,29 poderia ser o primeiro passo para essa realização, em busca do fechamento de gap em R$ 49,47, mas ainda longe do seu fundo anterior. VIVT4: candle de fraqueza - Ainda na tendência principal de queda, o papel deixou um candle de fraqueza, precisando de atenção ao suporte intradiário em R$ 47, já que seu rompimento voltaria a causar alguma queda mais forte, mirando mais uma vez o suporte mais forte que está em R$ 44,88 e cujo rompimento causaria uma venda mais pesada. Os repiques ainda podem acontecer, mas longe de uma melhora mais firme, que somente aconteceria depois de fundos ascendentes no seu gráfico diário e de preferência com uma melhora também no seu OBV. As bandas de bollinger ainda estão no processo de estreitamento e em caso de reabertura voltariam a sugerir movimentações bem fortes no curto prazo. ELET6: voltando a esboçar melhora - O papel segue abrindo suas bandas de bollinger e por isso sugere movimentações mais fortes ainda no curto prazo, com uma melhora que lhe dá agora objetivo de alta em R$ 20,35, que é uma resistência importante. O OBV não chega a animar os comprados, precisando de novos fundos ascendentes para isso. Tem leve suporte intradiário em R$ 19,44 e o mais forte apenas em R$ 18,39, que é o seu fundo anterior. HYPE3: sentindo a resistência - O papel segue volátil e ainda precisando romper os R$ 13,51 e R$ 13,43 para finalmente abrir mais espaço para cima, com um novo pivot de alta e partindo em busca dos R$ 14 ainda no curto prazo. O OBV segue de lado, sem ser contaminado pela tendência de alta no seu gráfico de preços e precisando romper o topo anterior para voltar a falar em otimismo neste indicador. A perda dos R$ 12,77 pode iniciar uma realização mais forte. Daniel Marques Pereira, analista gráfico e Derivativos da Ágora Corretora

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor