Relatório gráfico

Opinião do Analista / 09:13 - 10 de out de 2012

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Ibovespa: ficando perigoso - Em mais um pregão de baixo volume financeiro, o Índice Bovespa se aproximou perigosamente do suporte em 58.100 pontos, cujo rompimento seria o suficiente para iniciar uma nova tendência terciária de baixa, chamando vendas adicionais em busca dos 56.200 pontos ainda no curto prazo e ainda rompendo para baixo sua linha de tendência de alta. No campo superior, leves melhoras podem acontecer depois dos 59.690 pontos e 60.200 pontos, mas o ideal para grande animação e compras mais pesadas seria um aumento no volume financeiro operado acompanhado de novos fundos ascendentes. Dow Jones: começando a assustar O Índice Dow Jones começa a deixar os comprados ligeiramente desconfortáveis, precisando de atenção toda especial ao seu fundo anterior em 13.360 pontos, já que seu rompimento terminaria com a terciária de alta e abriria espaço para precipitações mais fortes. No campo superior, a resistência ainda fica em 13.650 pontos, com o Índice precisando fechar um pregão acima deste nível para declarar mais uma compra em busca dos 14.200 pontos e acalmar os comprados. PETR4: ainda no suporte A confusão no ativo continua intacta, ainda com primeiro suporte em R$ 22,02 que merece atenção e por isso seu rompimento liberaria espaço para precipitações mais fortes até sua média móvel exponencial de 200 pregões, perto dos R$ 21,20. Qualquer repique não seria suficiente para mudar muita coisa, que apenas começaria a ficar ligeiramente mais otimista depois dos R$ 22,88. VALE5: afastando do suporte O papel continua tentando uma melhora e ainda mantém viva a possibilidade de uma grande figura de reversão que apenas seria rompida depois do seu topo anterior em R$ 38,63, que lhe daria uma sugestão de compra para o médio prazo, apesar do stop muito longo. O seu primeiro suporte fica em R$ 34,16 e pode ser usado como stop e caso consiga pequenos fundos ascendentes antes de romper o topo anterior também poderia se fazer pensar em compras. As bandas de bollinger estão começando a se abrir e por isso sugerem movimentações mais fortes e rápidas. ITUB4: piorando O ativo segue complicando a situação dos comprados e o fechamento abaixo dos R$ 30,20 aumentou um pouco seu pessimismo para o curto prazo, lhe dando espaço para quedas adicionais até os R$ 28,45 que seria seu primeiro objetivo. O OBV continua um pouco perdido e não chega a afirmar nada em qualquer das direções. Apesar da possibilidade de repiques, uma melhora mais clara apenas aconteceria depois dos R$ 31,45 ou melhor ainda sob a formação de novos fundos ascendentes. RSID3: ainda acima do suporte novo O papel ainda está fraco, com primeiro suporte leve em R$ 4,55 que merece alguma atenção já que seu rompimento liberaria um pouco mais de espaço para baixo até os R$ 4,40 que ainda é o objetivo de queda. Os repiques ainda podem acontecer, mas sem mudar muita coisa já que compras mais firmes só aparecem depois de novos fundos ascendentes e melhora no seu OBV. LAME4: nova máxima histórica O ativo marcou uma nova máxima histórica e acabou ganhando nova resistência em R$ 17,70, que é a única no caminho e o pontoa ser rompido para voltar a gerar um pivot de alta, ainda com grande ajuda do seu OBV. Realizações começam a ganhar espaço para acontecer por conta do possível sinal de topo deixado, com caminho livre até os R$ 16,50 mas ainda longe de causar qualquer comprometimento em sua tendência terciária de alta. Novas compras dependem de um stop mais curtinho para acontecerem. NATU3: nova máxima histórica A tendência do ativo ainda é de alta e marcou uma nova máxima histórica, sem outras resistências pelo caminho e ainda contando com firme ajuda do seu OBV que também está condizente com a tendência de alta. Um primeiro suporte está em R$ 54,91 e pode ser usado como stop pelos comprados, embora o mais forte seja o seguinte, apenas em R$ 53,65. VIVT4: sentindo resistência O papel continua muito confuso e marcou uma nova resistência em R$ 46,02, que agora é o seu topo anterior e por isso seu rompimento geraria um novo ponto de melhora ao menos em busca dos R$ 47,20 que seria a resistência seguinte, mas ainda dentro de uma congestão maior. Os primeiros suportes ficam em R$ 43,40 e R$ 42,78, sendo este último o mais importante. ELET6: ainda perigoso O ativo segue fraco e sua tendência ainda é de baixa, precisando de grande atenção ao suporte em R$ 16,62, que é o seu fundo anterior já que seu rompimento declararia um novo pivot de baixa e novas precipitações em busca dos R$ 15,55. Os repiques ainda podem acontecer, mas alguma pequena melhora somente apareceria depois dos R$ 17,57e dependendo de fundos ascendentes para gerar algum tipo de animação. O OBV ainda não ajuda os comprados, precisando de fundos ascendentes para isso. HYPE3: objetivo de alta O papel atingiu o seu objetivo de alta ao tocar na resistência em R$ 16,20, o que aumenta um pouco a possibilidade de alguma realização de curto prazo, mas ainda sem comprometer a tendência de alta já que o primeiro suporte de maior importância fica em R$ 14,53. Em caso de rompimento para cima, a resistência seguinte fica em R$ 16,54e novas compras de curto prazo dependem de um stop mais curto. O OBV ainda está condizente com sua tendência de alta. Daniel Marques Pereira, analista gráfico e Derivativos da Ágora Corretora

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor