Remédios subiram 1,73% em maio e somam alta de 18,50% em 12 meses

Resultado foi impactado por avanço nos preços de medicamentos atuantes no sistema nervoso (+12,93%) e musculesquelético (+12,55%).

Os preços dos medicamentos vendidos aos hospitais no Brasil sofreram alta de 1,73% em maio, de acordo com o Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H), indicador inédito criado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com a health Bionexo.

A alta foi alavancada pelo avanço nos preços de medicamentos atuantes no sistema nervoso (+12,93%) e musculesquelético (+12,55%). Outros itens que tiveram alta foram órgão sensitivos (+3,74%), sangue e órgãos hematopoiéticos (+2,84%), preparados hormonais sistêmicos (+1,93%), aparelho cardiovascular (+0,76%), aparelho geniturinário e hormônios sexuais (+0,64%) e imunoterápicos, vacinas e antialérgicos (+0,02%).

Comparativamente, a variação do IPM-H em maio superou o comportamento do IPCA/IBGE de maio (+0,83%) e da taxa média de câmbio (-4,87%), mas foi inferior ao IGP-M/FGV (+4,10%) no período.

Em 2021, o IPM-H já acumula uma alta de 15,62%. Contribuem para essa variação as altas nos seguintes grupos: sistema nervoso (+37,54%), sistema musculesquelético (+25,41%), sangue e órgãos hematopoiéticos (+21,74%), aparelho digestivo e metabolismo (+15,30%), anti-infecciosos gerais para uso sistêmico (+14,42%), aparelho cardiovascular (+13,00%), entre outros.

Nos últimos 12 meses encerrados em maio, a elevação registrada no índice é de 18,50%. Nesse recorte ampliado, os grupos que mais contribuíram para a alta do IPM-H foram: sistema nervoso (+56,72%), aparelho digestivo e metabolismo (+44,49%), sistema musculesquelético (+33,48%), preparados hormonais sistêmicos (+27,61%) e sangue e órgãos hematopoiéticos (+27,13%).

Em contraste, os grupos com as menores variações incluíram: anti-infecciosos gerais para uso sistêmico (+1,14%), órgãos sensitivos (+7,48%), aparelho respiratório (+7,71%), agentes antineoplásicos/quimioterápicos (+9,55%), imunoterápicos, vacinas e antialérgicos (+10,23%) e medicamentos atuantes no aparelho geniturinário e hormônios sexuais (+10,59%).

Os grupos com as maiores altas incluem medicamentos utilizados em casos graves de Covid-19, como é o caso da: norepinefrina (terapia cardíaca e suporte vital), fentalina (analgésico), propofol (anestésico), midazolam (hipnótico/sedativo/tranquilizante), omeprazol e pantoprazol (antiácidos utilizados no tratamento de dispepsia/úlcera gástrica e outros distúrbios gastrointestinais).

Leia também:

Matrículas em cursos superiores cresceram 1,8% no país em 2019

Artigos Relacionados

Copom: ‘Retomada robusta da atividade’ no segundo semestre

Uma semana após a última reunião do Comitê de Política Econômica (Copom) que aumentou a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 ponto...

Urna eletrônica: TSE é acusado de ignorar a ciência

Ausência de um representante do Tribunal ao debate irritou deputados.

Comércio digital cresce e qualidade do emprego cai

Postos de trabalho precários são os mais criados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

CVM lança novo Sistema de Gestão de Fundos de Investimento

A partir de 5 de julho, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) irá disponibilizar o novo Sistema de Gestão de Fundos de Investimento (SGF)....

B3 acolhe novo fundo gerido pela XP Asset

Aconteceu nesta terça-feira, na B3, o toque de campainha para comemorar o lançamento de mais um ETF (Exchange-Traded Fund), que é um fundo de...

Airbus e chinesa AVIC fazem parceria

Um projeto de equipamento de fuselagem do Airbus A320 foi lançado em conjunto pela Airbus e pela Aviation Industry Corporation of China (AVIC) nesta...

BID lança guia para ajudar na emissão de títulos sustentáveis

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) lançou um guia para auxiliar e fomentar a emissão de títulos temáticos. O lançamento acontece por meio do...

Vivant lança lata comemorativa ao Dia Internacional do Orgulho LGBT

A lata estampa as cores do arco-íris e traduz o posicionamento da empresa sobre o respeito à diversidade.