Renan Filho: ‘prioridade é reestabelecer tráfego em estradas gaúchas’

Recuperar vegetação degradada no RS ajuda a prevenir tragédias; maior parte das áreas destruídas está no bioma do Pampa

88
Renan Filho, ministro dos Transportes (Foto: Lula Marques/ABr)
Renan Filho, ministro dos Transportes (Foto: Lula Marques/ABr)

O ministro dos Transportes, Renan Filho, chegou ontem ao Rio Grande do Sul para vistoriar uma série de obras de recuperação de rodovias atingidas pelas fortes chuvas que assolam o estado. De acordo com o ele, a preocupação neste momento é garantir celeridade na adequação e liberação das vias também a carros de pequeno e médio porte, com o restabelecimento de maneira segura do fluxo viário para a população – até o momento, o tráfego só é permitido para veículos de emergência e com doações, maquinário e itens essenciais.

“Nosso intuito agora, é que além dos caminhos assistenciais, que estão avançando, a gente possa garantir a retoma das condições para a trafegabilidade. Assegurar que ela seja reestabelecida para as pessoas o quanto antes e, acima de tudo, de maneira segura”, destacou Renan Filho.

O ministro fez uma vistoria técnica na BR-116, entre os municípios gaúchos de Esteio e Portão, inclusive na ponte do Rio dos Sinos e no Viaduto da Scharlau – estruturas afetadas pela força das águas. Outro ponto vistoriado foi a ponte sobre o Rio Caí, na BR-116 (km 174, na divisa entre Caxias do Sul e Nova Petrópolis). Renan Filho esteve ainda na erosão da BR-116 (km170 – Vila Cristina, em Caxias do Sul).

“De cima da ponte sobre o Rio Caí a gente pode ver como um dos pilares cedeu e ela baixou. De imediato, vamos enviar uma equipe técnica para identificar as condições atuais para instalação de uma ponte provisória que garanta o fluxo. Acreditamos que será possível fazer uma passagem lateral com uma ponte metálica e, assim, assegurar acesso na BR-116, retomando a conexão de Caxias até a cidade de Porto Alegre”, explicou o ministro.

Espaço Publicitáriocnseg

Esta é a terceira vez que o ministro viaja ao estado para acompanhar ações relacionadas à mitigação de impactos das chuvas e de reconstrução da infraestrutura rodoviária. Acompanhado do diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Fabrício Galvão, Renan Filho permanece no Rio Grande do Sul até quinta-feira. Nos próximos dias, ele percorrerá obras em andamento na região da Serra Gaúcha, Porto Alegre e Região Metropolitana da capital.

Entre as ações que o Ministério dos Transportes desenvolve no estado neste momento de calamidade está a abertura de caminhos assistenciais para assegurar o abastecimento das regiões afetadas. Tratam-se de passagens provisórias para que equipes de pronto atendimento, água, comida, remédios e itens essenciais cheguem a quem mais precisa neste momento.

“O ministério está trabalhando para que essa crise que causou tantos danos não se replique em outras áreas, provocando desabastecimento, falta de combustíveis e de alimentos”, pondera Renan Filho.

O Rio Grande do Sul dispõe de 1,16 milhão de hectares de áreas degradadas de vegetação que podem ser recuperadas e usadas para aumentar a resiliência do estado a eventos climáticos extremos. A análise é do Instituto Escolhas que lançou o relatório Estratégias de recuperação da vegetação nativa em ampla escala para o Brasil.

A estimativa do relatório reúne áreas de preservação permanente e de reserva legal que foram destruídas no estado. A maior parte, 751,2 mil hectares, está no bioma do Pampa, enquanto 414 mil hectares são de regiões de Mata Atlântica. A recuperação dessa vegetação está, segundo o documento, prevista nos compromissos previstos na Contribuição Nacionalmente Determinada (INDC, em inglês).

A INDC faz parte das propostas apresentadas pelo Brasil na 21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-21), que ocorreu em Paris, em 2015. Na ocasião, os países apresentaram propostas para reduzir as emissões de gases do efeito estufa, reduzindo o impacto das mudanças climáticas. No total, o Brasil propôs recuperar 12 milhões de hectares de vegetação em todos os biomas até 2030. De acordo com o relatório, no entanto, o país não tem avançado na meta.

“As iniciativas de restauração no país avançam a passos lentos e muito aquém do necessário para o alcance da meta”, enfatiza.

Para fazer o reflorestamento dessas áreas, o relatório prevê a necessidade de aporte de R$ 228 bilhões.

“Um investimento mais que necessário para contribuir com a mitigação climática, como também com outros serviços ecossistêmicos essenciais à sustentabilidade dos agroecossistemas brasileiros, com a promoção da biodiversidade e a manutenção de recursos hídricos, do solo e dos processos ecológicos, que asseguram a estabilidade ambiental para o desenvolvimento das atividades produtivas no campo”, diz o documento.

O Instituto Escolhas aponta, entretanto, que as atividades relacionadas à recuperação florestal podem ajudar na reconstrução da economia do Rio Grande do Sul, devastado pela chuvas ao longo das últimas semanas.

“Os planos de reconstrução do Rio Grande do Sul precisam incorporar a recuperação da vegetação nativa, que é uma infraestrutura natural para prevenir a repetição de tragédias como essa”, diz o diretor-executivo do instituto, Sergio Leitão.

Apenas com a recuperação das áreas degradadas de reserva legal no Pampa, podem ser gerados, segundo o instituto, 80 mil empregos. “É importante pensar em frentes de trabalho de recuperação ambiental capazes de incorporar mão de obra de forma imediata”, acrescenta Leitão.

Com informações da Agência Brasil

Leia também:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui