Renault deve restabelecer na China com uma joint venture com a Geely

As duas empresas devem anunciar um acordo para produzir conjuntamente os veículos elétricos da empresa chinesa na Coréia do Sul, enquanto consideram a possibilidade de exportá-los para os EUA sem impostos, de acordo com fontes familiarizadas com o assunto, disseram à Reuters hoje.

Um cidadão israelense em uma loja de Geely Auto em Tel Aviv, Israel, 10 de novembro de 2021. (Foto: Gil Cohen Megen/ Xinhua)

Xinhua - Silk Road

 

MILÃO, 21 Dez (Editori) – A Renault está restabelecendo sua presença na China graças a uma joint venture com o Geely Auto Group. As duas empresas devem anunciar um acordo para produzir conjuntamente os VEs da empresa chinesa na Coréia do Sul, enquanto consideram a possibilidade de exportá-los para os EUA sem impostos, de acordo com fontes familiarizadas com o assunto, disseram à Reuters hoje. A joint venture permitirá à Renault consolidar suas operações na Coréia do Sul e, de forma mais geral, expandir sua presença na Ásia.

Além disso, a Renault, que deixou a China no ano passado, terá a oportunidade de retornar ao maior mercado automotivo global, criando uma nova marca focada em veículos híbridos plug-in. As fontes explicaram ainda que a marca será administrada por ambas as empresas e que Geely deve trabalhar com a Renault para produzir uma nova gama de veículos verdes usando a chamada Arquitetura Modular Compacta da Geely – uma plataforma de automóvel monobloco de médio porte, desenvolvida em conjunto pela Geely e a Volvo Cars – bem como as cadeias de produção e fábricas da empresa na China.

Por outro lado, a Renault se concentrará no design, vendas e marketing de sua nova marca na China, enquanto a Geely poderia entrar na produção industrial da Coréia do Sul e poderia ter acesso às fábricas de montagem locais da Renault. Como uma das fontes informou ainda à Reuters, Geely planeja produzir SUV modelo Lynk & Co 01 e outros modelos na fábrica da Renault na cidade sul-coreana de Busan.

Lynk & Co 01 está atualmente disponível com três sistemas de energia, ou seja, a gasolina, híbrido elétrico convencional a gasolina e híbrido elétrico plug-in. Não está claro qual dessas versões a Geely planeja construir em Busan, mas uma das fontes afirmou que tanto a gasolina quanto os modelos híbridos serão produzidos na Coréia do Sul. Por meio deste acordo, a Geely também poderia ganhar uma entrada secundária no mercado dos EUA. Com essas informações reveladas exclusivamente pela Reuters, as ações da Renault subiram 2,38%, para 28,8394 euros na Bolsa de Valores de Paris. Fim

 

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

China implementará tarifas da RCEP para mercadorias da Coréia

A partir de 1 de fevereiro, a China adotará a taxa tarifária prometida sob o acordo da Parceria Econômica Abrangente Regional (RCEP), nas importações selecionadas da República da Coréia, conforme um comunicado divulgado pela Comissão de Tarifas Alfandegárias do Conselho de Estado, nesta quinta-feira.

Produto estrela da BGI Genomics é exibido na Pavilhão da China

Os modelos do Huo-Yan Air Laboratory da BGI Genomics, produto estrela de laboratório móvel de teste nucléico da gigante chinesa, foram exibidos na Pavilhão da China da Expo 2020 de Dubai durante 11 a 13 de janeiro.

China continua sendo destino favorito de investimento, informa WSJ

A China continua sendo um grande destino de investimento, pois suas startups de tecnologia atraíram uma quantidade recorde de financiamento de risco no ano passado, informou o Wall Street Journal nesta quinta-feira.

Últimas Notícias

Empresa brasileira de produtos médico-hospitalares cresce 20% em 2021

Faturamento foi de R$ 28 milhões.

Brasileiro buscou mais crédito para compra de veículo

Veículos pesados e motos se destacam

Varejo, petrolíferas e bancos puxam Ibovespa

Siderúrgicas e Vale ficam na contramão do mercado

Uso de cheque cai ladeira abaixo

Avanço tecnológico mudou hábito arraigado da clientela

Covid-19 fecha 478 agências bancárias em SP

500 bancários foram confirmados com covid-19.