Renda do trabalho diminuiu US$ 3,5 trilhões no ano

Resultado está sendo pior do que o previsto pela OIT.

Internacional / 21:02 - 24 de set de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

As perdas devastadoras nas horas de trabalho causadas pela pandemia trouxeram uma queda “drástica” na renda do trabalho para os trabalhadores e as trabalhadoras em todo o mundo, afirma a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Estima-se que a renda global do trabalho tenha diminuído 10,7%, ou US$ 3,5 trilhões, nos primeiros três trimestres de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019. Esse número exclui os efeitos das medidas de apoio à renda implementadas pelos governos. Ao mesmo tempo, as 500 maiores empresas do mundo pagaram US$ 275 bilhões em dividendos apenas no primeiro trimestre do ano.

A maior queda ocorreu nos países de renda média-baixa, onde as perdas de renda do trabalho atingiram 15,1%, sendo a região das Américas a mais atingida, com 12,1%.

A sexta edição do “Monitor da OIT: Covid-19 e o mundo do trabalho” destaca que as perdas globais de horas de trabalho nos primeiros nove meses de 2020 foram “consideravelmente maiores” do que as estimadas na edição anterior do estudo, divulgado em 30 de junho.

Assim como devemos redobrar nossos esforços para vencer o vírus, devemos agir com urgência e em larga escala para superar suas consequências econômicas, sociais e sobre o emprego. Isso inclui fornecer um apoio sustentado para empregos, negócios e renda”, afirmou Guy Ryder, diretor-geral da OIT.

Em escala global, a revisão das estimativas das perdas de horas de trabalho para o segundo trimestre (Q2) deste ano (em relação ao quarto trimestre de 2019) mostra uma queda de 17,3%, equivalente a 495 milhões empregos em tempo integral (considerando-se uma semana de trabalho de 48 horas), comparada à estimativa anterior de 14%, ou 400 milhões de empregos em tempo integral. Para o terceiro trimestre de 2020, prevê-se uma perda mundial de horas de trabalho de 12,1%, ou 345 milhões de empregos em tempo integral.

As projeções para o quarto trimestre pioraram significativamente. A OIT estima perdas globais de horas de trabalho de 8,6% no quarto trimestre de 2020 (em comparação com o quarto trimestre de 2019), o que corresponde a 245 milhões de empregos em tempo integral. Isso representa um aumento de 4,9%, ou 140 milhões de empregos em tempo integral, em comparação com a estimativa anterior da OIT.

Em países onde dados fiscais estão disponíveis para o segundo trimestre de 2020, existe uma correlação mostrando que quanto maior o estímulo fiscal (como uma porcentagem do PIB), menores as perdas de horas de trabalho. Um estímulo fiscal adicional de 1% do PIB anual teria reduzido as perdas de horas de trabalho em mais 0,8%.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor