Renner confirma oferta pública primária de ações

Em fato relevante nesta sexta-feira, o diretor de relações com investidores das Lojas Renner, Jorge Fontes Azevedo, confirmou que a varejista prepara oferta pública de até R$ 4,5 bilhões. A notícia foi veiculada primeiramente no site Brazil Journal (nesta sexta-feira), sob o título “Renner prepara oferta de até R$ 4,5 bi, mas não tem alvo em vista”. A varejista já estaria engajando bancos no processo.

O diretor confirmou aos seus acionistas e ao mercado em geral que foram engajados determinados assessores financeiros e está sendo avaliada a possibilidade de realizar uma oferta pública de distribuição primaria com esforços restritos de ações de sua emissão.

Não obstante, não há, nesta data, definição final quanto à realização da referida oferta, sua estrutura, destinação de recursos ou volume. A companhia manterá o mercado informado sobre quaisquer desdobramentos ou deliberações a respeito do assunto, em estrita observância à regulamentação aplicável, e esclarece que quaisquer comunicados aos acionistas e ao mercado relacionados ao assunto serão divulgados por meio de fato relevante nas páginas eletrônica da CVM e da companhia”, disse Azevedo. Itaú BBA, BTG Pactual, Morgan Stanley, JPMorgan e Santander devem ser os coordenadores de uma eventual oferta.

As ações da varejista de moda dispararam na bolsa paulista nesta sexta-feira após o blog financeiro Brazil Journal divulgar que a companhia prepara oferta de ações de entre R$ 4 bilhões e R$ 4,5 bilhões para financiar o plano de crescimento orgânico e se preparar para uma possível fusão/aquisição.

Ações em alta

Conforme a Reuters, às 14h40 desta sexta-feira, antes de ter a negociação suspensa por causa da divulgação do fato relevante, Lojas Renner ON subia 8,73%, a R$ 45,57 reais, maior alta do Ibovespa. No mesmo setor, Cia Hering ON saltava 7,1%, ainda embalada pelo anúncio de antes de ontem (14) quando recebeu – e recusou – uma proposta de fusão da Arezzo. Fora do Ibovespa, C&A Brasil ON e Lojas Marisa ON disparavam 10,4% e 12,15%, respectivamente.

Leia também:

Fitch publica atualização da metodologia de rating

Artigos Relacionados

B3 lucra R$ 1,25 bi no trimestre, aumento de 22,5%

“As pessoas têm movimentado as suas carteiras em artigos de maior risco, mas quando olhamos mais adiante ainda há incertezas sobre a retomada econômica”....

Andrade Gutierrez diz que irá alienar os papéis da CCR

Os papéis da companhia de infraestrutura CCR puxavam as altas da B3 nesta sexta-feira após a Andrade Gutierrez Participações S.A. (AG Participações) anunciar intenção...

De olho na Eletrobras, setor privado não investe

Ação da estatal vale quase metade do que valia há 11 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.