Rentistas 10 x 0 Poupadores

A alegação de que a restrição do confisco dos ganhos da caderneta de poupança a contas com depósitos superiores a R$ 50 mil só afetaria 1% do depositantes deveria estimular o Governo Lula a votar o projeto que taxa as grandes fortunas – que tem como um de seus autores o então senador FH. No entanto, o empenho do governo para confiscar os ganhos dos poupadores de classe média, responsáveis por 40% dos depósitos acima de R$ 50 mil, contrasta com a leniência em cobrar imposto sobre a renda do 1% dos mais ricos do país. Mais uma vez predomina a máxima de forte com os fracos e fraco com os fortes.

Afinidades
A nova investida contra a poupança também reafirma o padrão do relacionamento da chamada grande imprensa com o Governo Lula: enquanto bate forte no presidente e em seu entorno nas questões do varejão da política, nas questões-chave, a mesma mídia apóia em uníssomo as medidas que beneficiam o capital financeiro. O Jornal Nacional, por exemplo, ainda não conseguiu encontrar um entrevistado contrário à taxação da poupança.

Um terço
Os gastos com tecnologia da informação (TI) na América Latina devem aumentar e atingir a marca de US$ 293 bilhões até 2013, calcula a consultoria Gartner. O número eleva a região à condição de segundo maior mercado emergente em TI nos próximos quatro anos, atrás apenas da Ásia. Somando as quatro regiões consideradas como mercados emergentes (América Latina, Ásia/Pacífico, Oriente Médio/África e Leste Europeu), a previsão para os gastos até 2013 apontam para, aproximadamente, US$ 1,34 trilhão, valor equivalente a 36,4% do total de gastos com TI em todo o mundo, estimado em US$ 3,67 trilhões.

Passe livre
Para impedir a cobrança de taxa mensal de manutenção do sistema de pedágio eletrônico na Linha Amarela e na Ponte Rio-Niterói, a Comissão de Defesa do Consumidor da Assembléia Legislativa (Alerj) entrou com uma ação coletiva de consumo, na 1ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça. A tarifa custa R$ 6,15 por mês e é reajustada na mesma proporção e na mesma data que o pedágio. “Qual a justificativa para a cobrança de uma taxa mensal de manutenção do sistema se os guichês destinados aos motoristas que possuem o Passe Expresso sequer têm funcionários? Trata-se, evidentemente, de uma cobrança totalmente abusiva”, acusou a presidente da comissão, deputada Cidinha Campos (PDT). Além do fim da taxa, a ação pede que as duas empresas sejam obrigadas a restituir todos os valores cobrados indevidamente.

Mão única
A concessionária que opera a Ponte Rio-Niterói comemora o fim da implantação da quarta faixa em toda a extensão da pista sentido Rio. A “obra” demorou inacreditáveis dois meses e consumiu pouco mais que meia dúzia de latas de tinta preta, para apagar a sinalização anterior, e outra meia dúzia de tinta branca, para pintar a nova divisão entre as faixas.
Enquanto isso, tanto a concessionária quanto a ANTT se calam sobre a não implantação da “mediana móvel”. Previsto no contrato de concessão, o sistema permitiria a implantação de uma pista extra no sentido em que o trânsito fosse maior, com efeito idêntico ao da implantação da quarta faixa, mas com duas diferenças: primeiro, manteria o acostamento e as pistas largas, facilitando o fluxo de carros; segundo, teria um custo operacional diário para a concessionária. Apesar de, provavelmente, este custo já estar embutido na tarifa do pedágio, não se fala em dar desconto pela não implantação do serviço. Ou será que respeito aos contratos só é válido quando a favor das concessionárias de serviços públicos?

Coalhou
Produtores de leite da Bélgica despejaram, nesta quarta-feira, cerca de 3 milhões de litros de leite no campo, em protesto contra a queda do preço do produto. Mesmo reconhecendo que a garantia de preço é indispensável para o funcionamento da produção no campo, num mundo em que cerca de 1 bilhão de pessoas vive abaixo da linha de pobreza, existem formas mais inteligentes, e simpáticas, de protestar. Oxalá, os produtores de leite de outros países da Europa, como França e Alemanha, adotem formas diferentes de protesto.

Só uísque
Em tempo, apesar de o desperdício de alimentos ser uma das principais bandeiras midiáticas das ONGs, nenhum representante dessas organizações manifestou-se nesse episódio. Quem esperou ver algum ativista verde algemado a vacas, correr pelado pela grama ou aparecer estendido debaixo de trator, esperou em vão. Dizem os maliciosos de plantão que não foi por falta de apelo, mas de patrocínio.

Artigo anteriorEm busca do turista
Próximo artigoNa UTI do Obama
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

Se mirar Nordeste, Bolsonaro atingirá o próprio pé

Região tem menor média de casos e óbitos causados pela Covid.

Neodefensores do trabalhador ignoraram crise

Desemprego já era estratosférico em 2019, e apoiadores de Guedes nem ligavam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.