Renúncia não é um mau exemplo

A fama de Sérgio Moro circula o mundo, mas de uns tempos para cá – principalmente após a divulgação do telefonema entre Lula e Dilma – a imagem do juiz federal do Paraná não é uma unanimidade na imprensa internacional, mesmo a mais conservadora. A revista britânica The Economist publicou matéria em que diz que o debate tem girado em torno de “sutilezas legais” e indaga se Moro pode ter “ido longe demais”.

Já o espanhol El País, em artigo com o título “Juízes justiceiros que sonham com Watergate”, questiona: “Qual justiça decidirá sobre Lula: a que presume a inocência de todos acusados ou a que atende apenas à indignação nas ruas?”. Aproveita para explicar ao juiz paranaense o que foi o escândalo que derrubou o presidente norte-americano Richard Nixon. Moro, quando explicou a divulgação da ligação de Dilma, se escudou no que chamou de “o precedente da Suprema Corte norte-americana em EUA v. Nixon, em 1974, um exemplo a ser seguido”. “Esquece que, no caso de Watergate, quem gravou seus adversários não foi um juiz, mas o próprio presidente, que foi obrigado a renunciar. Não é um mal exemplo para um magistrado, especialmente se ele tiver ambições políticas”, alfineta a matéria de El País.

O português Público trouxe um artigo da jornalista e pesquisadora brasileira Sylvia Debossan Moretzsohn. Com o título “A justiça partidária e o limiar do golpe no Brasil”, ela analisa que, “surfando a onda de crescente popularidade na sua cruzada contra a corrupção, o juiz avançou até ultrapassar todos os limites: primeiro, no dia 4 de março, no episódio do abuso na condução coercitiva do ex-presidente Lula para depoimento – pois esse recurso só se aplica em caso de resistência ao mandado judicial – depoimento estranhamente realizado no posto da Polícia Federal no aeroporto de Congonhas, o que levantou suspeitas sobre a intenção de conduzi-lo, já preso, a Curitiba, sede da Lava Jato; e agora, com a flagrante ilegalidade do vazamento de conversas telefônicas entre a presidente Dilma Rousseff e Lula, logo após o anúncio de que o ex-presidente seria nomeado para a Casa Civil”.

Engajados

Um grupo de técnicos do BNDES estuda a possibilidade de constituir um comitê de especialistas para ajudar na formulação das políticas públicas para o hipotético Governo Temer. Muitos dos funcionários do banco (da ativa e já aposentados) consideram uma matéria de salvação nacional ajudar o país a recuperar-se do que chama de “catástrofe lulo-dilmista-petista, que praticamente levou o país à bancarrota econômica”.

Parcelado

Esta coluna denunciou que o Governo do Rio de Janeiro, apesar de não pagar o 13º integral dos servidores, distribuiu informe de rendimentos que incluía o valor integral do abono. A Secretaria de Planejamento reconheceu o erro e informou que novo contracheque e novo informe para o Leão estão disponíveis no Portal do Servidor.

Mas o principal problema continua: o parcelamento do 13º, que contraria a lei. O documento do governo reconhece que “o Estado do Rio de Janeiro não efetuou o pagamento, no prazo estabelecido, da integralidade da segunda parcela do 13º salário de 2015”.

Municípios buscam saída

Nesta quinta-feira, mais de 100 prefeitos brasileiros participarão da plenária deliberativa da 69ª Reunião Geral da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), no Rio de Janeiro (RJ). Temas como o subfinanciamento da saúde, combate ao Aedes aegypti, fechamento de contas dos mandatos que se encerram este ano e alternativas para o barateamento das tarifas do transporte coletivo urbano dominarão as discussões.

Serão apresentados dados da Multi Cidades – Finanças dos Municípios Brasileiros. A 11ª edição do anuário aponta que em 2014 a conjuntura econômica já dava os primeiros sinais da crise. Os municípios se ressentiram com a queda no total da arrecadação de ICMS dos estados, da qual recebem 25%. Por outro lado, na arrecadação tributária própria, o ISS teve um bom desempenho e contribuiu para o aumento real de 4,3% na receita corrente.

Embaixadores cariocas

O Rio sedia no próximo dia 29, no Hotel Copacabana Praia, o I Encontro dos Embaixadores do Turismo do Rio de Janeiro. Segundo Bayard Boiteux, vice-presidente executivo da Associação dos Embaixadores de Turismo e coordenador do encontro, “é a primeira vez que reunimos os agraciados dos últimos 20 anos em um encontro para entender melhor os rumos do projeto e conhecer alguns casos de sucesso desenvolvidos pelos embaixadores”. Este colunista, orgulhosamente, faz parte deste corpo diplomático carioca. O evento, que conta com o apoio da Fundação Cesgranrio e do site Consultoria em Turismo, terá como anfitrião Aloysio Teixeira.

Rápidas

Segundo a previsão da Concessionária Novo Rio, mais de 230 mil pessoas devem utilizar os terminais rodoviários do Rio de Janeiro e Niterói para viajar durante o feriado da Páscoa *** Depois de São Paulo, o Rio de Janeiro vai receber a 16ª Patchwork Design e a Contemporâneo – exposição internacional de arte têxtil, que acontecem de 31 de março a 2 de abril no Clube Monte Líbano, na Lagoa .

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.