Renúncia não é um mau exemplo

A fama de Sérgio Moro circula o mundo, mas de uns tempos para cá – principalmente após a divulgação do telefonema entre Lula e Dilma – a imagem do juiz federal do Paraná não é uma unanimidade na imprensa internacional, mesmo a mais conservadora. A revista britânica The Economist publicou matéria em que diz que o debate tem girado em torno de “sutilezas legais” e indaga se Moro pode ter “ido longe demais”.

Já o espanhol El País, em artigo com o título “Juízes justiceiros que sonham com Watergate”, questiona: “Qual justiça decidirá sobre Lula: a que presume a inocência de todos acusados ou a que atende apenas à indignação nas ruas?”. Aproveita para explicar ao juiz paranaense o que foi o escândalo que derrubou o presidente norte-americano Richard Nixon. Moro, quando explicou a divulgação da ligação de Dilma, se escudou no que chamou de “o precedente da Suprema Corte norte-americana em EUA v. Nixon, em 1974, um exemplo a ser seguido”. “Esquece que, no caso de Watergate, quem gravou seus adversários não foi um juiz, mas o próprio presidente, que foi obrigado a renunciar. Não é um mal exemplo para um magistrado, especialmente se ele tiver ambições políticas”, alfineta a matéria de El País.

O português Público trouxe um artigo da jornalista e pesquisadora brasileira Sylvia Debossan Moretzsohn. Com o título “A justiça partidária e o limiar do golpe no Brasil”, ela analisa que, “surfando a onda de crescente popularidade na sua cruzada contra a corrupção, o juiz avançou até ultrapassar todos os limites: primeiro, no dia 4 de março, no episódio do abuso na condução coercitiva do ex-presidente Lula para depoimento – pois esse recurso só se aplica em caso de resistência ao mandado judicial – depoimento estranhamente realizado no posto da Polícia Federal no aeroporto de Congonhas, o que levantou suspeitas sobre a intenção de conduzi-lo, já preso, a Curitiba, sede da Lava Jato; e agora, com a flagrante ilegalidade do vazamento de conversas telefônicas entre a presidente Dilma Rousseff e Lula, logo após o anúncio de que o ex-presidente seria nomeado para a Casa Civil”.

Engajados

Um grupo de técnicos do BNDES estuda a possibilidade de constituir um comitê de especialistas para ajudar na formulação das políticas públicas para o hipotético Governo Temer. Muitos dos funcionários do banco (da ativa e já aposentados) consideram uma matéria de salvação nacional ajudar o país a recuperar-se do que chama de “catástrofe lulo-dilmista-petista, que praticamente levou o país à bancarrota econômica”.

Parcelado

Esta coluna denunciou que o Governo do Rio de Janeiro, apesar de não pagar o 13º integral dos servidores, distribuiu informe de rendimentos que incluía o valor integral do abono. A Secretaria de Planejamento reconheceu o erro e informou que novo contracheque e novo informe para o Leão estão disponíveis no Portal do Servidor.

Mas o principal problema continua: o parcelamento do 13º, que contraria a lei. O documento do governo reconhece que “o Estado do Rio de Janeiro não efetuou o pagamento, no prazo estabelecido, da integralidade da segunda parcela do 13º salário de 2015”.

Municípios buscam saída

Nesta quinta-feira, mais de 100 prefeitos brasileiros participarão da plenária deliberativa da 69ª Reunião Geral da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), no Rio de Janeiro (RJ). Temas como o subfinanciamento da saúde, combate ao Aedes aegypti, fechamento de contas dos mandatos que se encerram este ano e alternativas para o barateamento das tarifas do transporte coletivo urbano dominarão as discussões.

Serão apresentados dados da Multi Cidades – Finanças dos Municípios Brasileiros. A 11ª edição do anuário aponta que em 2014 a conjuntura econômica já dava os primeiros sinais da crise. Os municípios se ressentiram com a queda no total da arrecadação de ICMS dos estados, da qual recebem 25%. Por outro lado, na arrecadação tributária própria, o ISS teve um bom desempenho e contribuiu para o aumento real de 4,3% na receita corrente.

Embaixadores cariocas

O Rio sedia no próximo dia 29, no Hotel Copacabana Praia, o I Encontro dos Embaixadores do Turismo do Rio de Janeiro. Segundo Bayard Boiteux, vice-presidente executivo da Associação dos Embaixadores de Turismo e coordenador do encontro, “é a primeira vez que reunimos os agraciados dos últimos 20 anos em um encontro para entender melhor os rumos do projeto e conhecer alguns casos de sucesso desenvolvidos pelos embaixadores”. Este colunista, orgulhosamente, faz parte deste corpo diplomático carioca. O evento, que conta com o apoio da Fundação Cesgranrio e do site Consultoria em Turismo, terá como anfitrião Aloysio Teixeira.

Rápidas

Segundo a previsão da Concessionária Novo Rio, mais de 230 mil pessoas devem utilizar os terminais rodoviários do Rio de Janeiro e Niterói para viajar durante o feriado da Páscoa *** Depois de São Paulo, o Rio de Janeiro vai receber a 16ª Patchwork Design e a Contemporâneo – exposição internacional de arte têxtil, que acontecem de 31 de março a 2 de abril no Clube Monte Líbano, na Lagoa .

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

A Disneylândia espacial dos trilionários

Jornada nas estrelas escancara a desigualdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Balanços guiarão, aparentemente, os mercados hoje

Europa e Nova Iorque precavidas, Ásia continua em queda livre.

Confiança da construção atinge maior nível desde março de 2014

Índice teve alta de 3,3 pontos e chegou a 95,7; já inflação do setor cai para 1,24% em julho.

IPCA-15 apresentou alta de 0,72% em julho

Maiores contribuições vieram da categoria habitação (2,14%), que contribuiu com 0,32%, e de transporte (1,07%), que adicionou 0,22%.

Itaú Unibanco deixa administração da XP

Decisão foi tomada no último dia 23, após análise concorrencial e prudencial; cisão foi aprovada pelo Banco Central.

Abertura de mercado

Após fim de semana tenso, segunda é sempre de trégua, pela ausência de parlamentares em Brasília, quanto mais em período de recesso.