Representante chinês pede coordenação e estabilidade sobre alimentação

Um representante chinês pediu na quinta-feira para que a comunidade internacional trabalhe em conjunto, no objetivo de estabilizar o mercado global de alimentos, garantir suprimentos diversos de alimentos e facilitar globalmente o comércio agrícola.

Zhang Jun (frente), representante permanente da China na Organização das Nações Unidas, discursa numa mesa redonda de alto nível sobre estados pequenos, multilateralismo e direto internacional, na sede da ONU na Nova York, 28 de abril de 2022. (Xinhua/Xie E)

Xinhua - Silk Road

Organização das Nações Unidas, 23 mai (Xinhua) — Um representante chinês pediu na quinta-feira para que a comunidade internacional trabalhe em conjunto, no objetivo de estabilizar o mercado global de alimentos, garantir suprimentos diversos de alimentos e facilitar globalmente o comércio agrícola.

“Primeiramente, precisamos fortalecer a coordenação e estabilizar o mercado global de alimentos”, disse o representante permanente da China nas Nações Unidas, Zhang Jun, na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre conflitos e segurança alimentar.

“Para preencher a falta de oferta, a comunidade internacional precisa trabalhar em conjunto para buscar suprimentos alimentares diversificados e manter um funcionamento fluído do comércio internacional agrícola”, disse ele, acrescentando que “é importante trazer de volta ao mercado internacional produtos agrícolas e fertilizantes da Ucrânia, Rússia e Bielorrússia. Agradar-nos-íamos os esforços pelo secretário-geral da ONU para este fim.”

Observando que, na era globalizada, uma qualquer pequena interrupção na cadeia de suprimentos é rapidamente transmitida, gerando um efeito cascata, Zhang disse que “armar a interdependência econômica só criará dificuldades artificiais e amplificará os riscos locais”.

“Pedimos a remoção rápida das restrições à produção e exportação de alimentos impostas por sanções unilaterais, de modo a permitir um fluxo constante de produção e fornecimento de alimentos”, disse ele.

Em relação sobre a assistência de emergência, Zhang disse que, uma vez que a situação de insegurança alimentar piora, a comunidade internacional, em particular os países desenvolvidos, devem aumentar fornecimento de alimentos e assistências de emergência, como também fornecendo ajuda oportuna e direcionada a grupos vulneráveis, como mulheres e crianças.

“É importante que as agências internacionais de ajuda humanitária garantam o acesso humanitário”, ele observou.

Sobre a reestruturação e reforma do sistema alimentar global, Zhang disse que “precisamos promover uma transformação profunda e aumentar a resiliência do sistema alimentar global”.

“Como muitas crises alimentares que enfrentamos desde o século 20, a crise atual mais uma vez traz à tona os problemas estruturais do sistema alimentar global. O padrão mundial de oferta e demanda de alimentos é caracterizado pela produção de alimentos altamente concentrada em poucos países, enquanto países consumidores estão geograficamente bem dispersos. Isso torna o equilíbrio entre oferta e demanda de alimentos altamente vulnerável a condições climáticas extremas, pandemias, conflitos armados e outros fatores emergenciais e imprevistos.”

Zhang disse que, para fortalecer a resiliência do sistema alimentar global, a fim de resistir aos riscos, é importante ajudar os países em desenvolvimento a aumentarem as suas capacidades de autossustentação, impulsionar a produção agrícola e rural, acelerar o progresso da ciência e tecnologia agrícola, melhorar a infraestrutura agrícola e expandir a disponibilidade de alimentos.

Photo taken on April 20, 2022 shows traditional Maltese bread at a bakery in Sliema, Malta. (Photo by Jonathan Borg/Xinhua)

“As três agências agrícolas da ONU e as instituições financeiras internacionais devem alavancar os seus respectivos pontos fortes e desempenhar um papel ativo na análise da situação, no aconselhamento de políticas e na coordenação de assistência, fornecendo mais apoio aos países em desenvolvimento”, disse ele.

Zhang pediu aos países desenvolvidos para que reduzam as barreiras comerciais e técnicas, deem mais assistência aos países em desenvolvimento em termos de financiamento, tecnologia, acesso a mercados e capacitação, desempenhando assim o seu devido papel na construção de um sistema de suprimento global alimentar eficiente, aberto e justo.

Tratando-se sobre a China, Zhang disse que a China sempre fez do fornecimento de alimentos à sua população uma prioridade máxima na sua governança nacional.

“Com 9% das terras aráveis ​​do mundo, alimentamos quase um quinto da população global total. Eliminamos a pobreza absoluta que atormenta o país por milhares de anos”, observou ele.

Referindo-se à frente política, Zhang disse que o mundo hoje enfrenta múltiplas crises e não há crise maior do que a prevalência da hegemonia e da política de poder, o que apresenta sérios desafios à equidade e à justiça internacional.

“Num momento cheio de riscos e crises, iniciar uma nova Guerra Fria, provocar o confronto de blocos e buscar a dissociação no domínio econômico e tecnológico não resolverá nenhum problema. Ao contrário, isso só traria mais problemas para o mundo”, ele disse. “O que o mundo mais precisa é de um verdadeiro multilateralismo, consistente, exemplar e responsável ​​pelos países grandes, e também uma cooperação global igualitária e inclusiva, onde trabalhamos juntos e compartilhamos juntos. Fim

Leia também:

Produção de chá eletrificada impulsiona indústria de chá na China

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bacen chinês enfatiza importância de apoio financeiro à economia real

O banco central da China disse nesta quarta-feira que irá construir um mecanismo eficaz para fornecer apoio financeiro à economia real.

Ambiente de negócios chinês aumenta confiança de empresas estrangeiras

Os esforços da China no aprimoramento do ambiente de negócios aumentaram a confiança das empresas estrangeiras, fortalecendo as suas determinações em expandir o investimento na China, segundo o Conselho Chinês para Promoção do Comércio Internacional (CCPIT).

Marca chinesa de automóveis de luxo Hongqi abre 1º showroom em Israel

A concessionária de carros israelense Samelet Group abriu nesta terça-feira o primeiro showroom da marca chinesa de limusines Hongqi na cidade de Tel Aviv, no centro de Israel.

Últimas Notícias

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

EUA: tiroteio em escola bate maior número em 20 anos

Segundo relatório, houve apenas 23 incidentes com vítimas fatais durante o ano letivo de 2000/2001.

Bebidas Online busca captar R$ 2 milhões com pessoas físicas

Com crescimento projetado de 19% para 2022, startup de delivery de bebidas usará recursos nas áreas de marketing, desenvolvimento de produtos e expansão do time