25.6 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, janeiro 22, 2021

Retomada?

“Os países centrais devem sair da crise em dois anos.” A previsão é do economista Reinaldo Gonçalves, da UFRJ. Apesar de esses países terem perdido boa parte da autonomia para praticar políticas keynesianas, Gonçalves, que é professor de Economia Internacional, ainda vê quatro instrumentos estruturantes à disposição desses governos: distribuição de renda via cobrança de impostos dos ricos, como quer Barak Obama, nos EUA; investimentos pesados em inovações, “que aumentam a produtividade, baixam preços e criam demanda”; aumento da competitividade internacional (consequência da inovação); e gastos bélicos.

Melhor negócio
“A guerra, do ponto de vista macroeconômico, ainda é o melhor negocio”, prossegue Gonçalves, que calcula que, em dois anos, ficará visível o “retorno do investimento (bélico)” feito no Afeganistão, no Iraque e, mais recentemente, na Líbia: “E pode vir por aí uma intervenção no Paquistão”, completou.
No entanto, enquanto a guerra (e os terremotos) estariam reconduzindo aos trilhos as locomotivas EUA, Alemanha e Japão, o professor da UFRJ vê alguns vagões descarrilhando em breve: “Sobretudo os países periféricos da Europa e o Brasil, cujo passivo externo deve chegar a US$ 2 trilhões em 2016”, projeta.

Vinho
Languedoc, região rica em vinhedos no sul da França, quer aumentar as vendas para o Brasil em 32% até 2015. No ano passado, foram exportados para o Brasil cerca de 1,2 milhão de litros , no valor de 2,5 milhões de euros. O crescimento do consumo da classe média no Brasil nos últimos cinco anos aumenta a atração exercida pelo mercado brasileiro. Os vinhos franceses ocupam a quinta posição no país, atrás de Chile, Argentina, Portugal e Itália, que ficam com 90% das vendas. De acordo com o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), as importações de vinhos pelo Brasil cresceram 27% no ano passado.

Anacronismo adiado
O Ministério do Trabalho adiou pela quarta vez a entrada em vigor das mudanças no sistema de ponto eletrônico. O prazo agora – “improrrogável”, diz a portaria do ministério – é 1º de janeiro de 2012. Segundo a presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis (Sescon-RJ), Márcia Tavares, a maioria das empresas ainda não adquiriu o sistema. “Isso se deve aos altos custos do equipamento, de arquivamento, de manutenção, material de consumo e também de pessoal. O valor médio dos aparelhos variam de R$ 1,7 mil a R$ 3,8 mil”, afirma. Estão obrigadas a adotar o novo sistema as empresas com mais de dez funcionários que já usam equipamento eletrônico para o registro da jornada de trabalho.

Anti-ecológico
De acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas Fabricantes de Equipamentos de Registro Eletrônico de Ponto (Abrep), foram comercializados até o final de julho desse ano somente 260 mil unidades, em um mercado potencial de 700 mil máquinas. A mudança criará o “eletrônico impresso”: apesar das marcações serem informatizadas, o relógio de ponto terá que emitir comprovantes em papel.

Agir primeiro
“Podemos reduzir tributos. Mas só se a situação piorar”, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, se referindo à possibilidade de agravamento da crise mundial. Caro ministro, inverta sua frase. A crise vai se agravar no Brasil justamente se não forem adotadas medidas de redução de impostos, aliadas à imprescindível queda da taxa de juros.

Artigo anteriorInflação de FH
Próximo artigoCasa própria
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.

EUA: expectativa por novos estímulos fiscais traz bom humor

Futuros dos índices de NY estão subindo, mesmo após terem atingidos novos recordes históricos no fechamento do pregão anterior.

Ajustando as expectativas

Bovespa andou na quarta-feira na contramão dos principais mercados da Europa e também dos EUA.

Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

Com mais de 55 milhões de sacas a região é a principal responsável pela maior safra brasileira da história.

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.