Comércio: 80% esperam melhores negócios em três meses

Segundo Fecomércio-RJ, entretanto, em relação ao quadro de funcionários nos últimos três meses, 18,8% afirmam que diminuiu bastante.

Segue em alta a confiança dos empresários do comércio de bens, serviços e turismo do estado do Rio quanto à melhora em seus negócios nos próximos três meses. 80,8% dos empresários esperam que a situação melhore, seguidos de 14,7% que aguardam uma estabilização e 4,4% esperam uma piora. É o que revela nova pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) com comerciantes do setor, realizada entre os dias 3 e 9 de janeiro, com a participação de 245 empresários do Estado do Rio de Janeiro. Com o avanço da vacinação no estado, mesmo com o aumento de casos relacionados à variante Ômicron, a expectativa sobre a retomada econômica continua aumentando entre o empresariado. 65,7% dos empresários consideram que, nos últimos três meses, houve uma estabilização ou melhora na situação de seus negócios.

Em relação à demanda pelos serviços das empresas, o índice dos que constataram um aumento apresentou um incremento: de 20,8% (dezembro) para 29,8% (janeiro). O índice dos que tiveram uma estabilização nas demandas permaneceu praticamente igual ao mês anterior: de 33,6% (dezembro) para 34,3% (janeiro). Já o número de empresários que notaram uma diminuição na procura por serviços/bens reduziu de 45,6% (dezembro) para 35,9% (janeiro). Para os próximos três meses, a expectativa de 88,5% do empresariado é que a demanda aumente ou estabilize, contra 11,4% que esperam uma redução na procura por seus produtos.

Quando perguntados sobre os principais fatores que atualmente limitam o seu negócio, 46,8% indicaram as restrições financeiras e outros 37,6% dos empresários apontam a insuficiência de demanda. Além disso, para 17% a falta de mão de obra é um dos principais impeditivos e por fim, a falta de mão de espaço e/ou equipamentos é apontada como obstáculo ao crescimento por 11% dos entrevistados.

Em relação ao quadro de funcionários nos últimos três meses, 18,8% afirmam que diminuiu bastante e outros 18,4% dos entrevistados informaram que diminuíram de alguma forma. Além disso, apenas 7,7% disseram que houve algum tipo de aumento das contratações.

Em janeiro, 56,7% afirmam que esperam manter o número de empregados pelos próximos três meses, índice semelhante ao de novembro (58%). O percentual de empresários que devem demitir está em 10,6%. Outros 32,7% de entrevistados devem aumentar de alguma forma seu quadro de funcionários nos próximos meses.

De acordo com os comerciantes, os preços dos fornecedores continuam em patamares altos: 87,3% perceberam algum aumento nos preços. Além disso, para o Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec-RJ), essa percepção no aumento dos preços, por parte dos fornecedores, já pode indicar um reflexo de altas nos custos devido ao valor dos combustíveis e também da energia elétrica.

Em relação ao abastecimento dos estoques, nos últimos três meses 43,1% dos empresários afirmaram que ficou abaixo do planejado, a ponto de fazerem novos pedidos, representando estabilidade na situação presente. Para 44%, a quantidade se manteve em relação ao esperado, e apenas 12,8% ficaram com estoque acima do planejado.

O índice de inadimplentes ou muito inadimplentes entre as empresas passou de 27,7% (dezembro) para 32,2% (janeiro). Desse total, 53,2% dos entrevistados estão com mais de um tipo de inadimplência. O número de empresários que não ficaram com restrições apresentou queda: de 55,1% para 43,7%. Entre os que ficaram inadimplentes, os gastos são associados a fornecedor (32,5%), aluguel (31%), luz (30,2%), bancos comerciais (26,2%), tributos federais (22,2%), parcelamentos de tributos com pagamento interrompido (20,6%) e Previdência/INSS patronal (18,3%).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brasileiro buscou mais crédito para compra de veículo

Veículos pesados e motos se destacam

10 milhões cadastrados para darem block em telemarketing

São Paulo, Minas e Rio são os que tem maior número de telefones bloqueados.

Balança comercial teve o maior superávit da série histórica

Já exportações do agro paulista aumentam 9,5% em 2021.

Últimas Notícias

Empresa brasileira de produtos médico-hospitalares cresce 20% em 2021

Faturamento foi de R$ 28 milhões.

Brasileiro buscou mais crédito para compra de veículo

Veículos pesados e motos se destacam

Varejo, petrolíferas e bancos puxam Ibovespa

Siderúrgicas e Vale ficam na contramão do mercado

Uso de cheque cai ladeira abaixo

Avanço tecnológico mudou hábito arraigado da clientela

Covid-19 fecha 478 agências bancárias em SP

500 bancários foram confirmados com covid-19.