Rio: consumo de classes C e D subiu 38% em maio

Pessoas passaram a fazer mais compras em estabelecimentos comerciais físicos e menos no virtual.

O consumo das classes C e D no Rio de Janeiro cresceu 38% em maio, recuperando as perdas de abril, quando houve queda no consumo em 26%. Os setores que mais se destacaram foram hotéis e motéis (40%), combustível (14%) e lojas de roupas (13%). houve queda nas categorias companhias aéreas (-17%), prestadores de serviços (15%) e serviços (9%). O resultado é da Pesquisa de Hábitos de Consumo da Superdigital, fintech do Santander.

No Brasil, a pesquisa mostra um crescimento de 8% no mesmo mês. O resultado aponta uma boa recuperação, uma vez que em fevereiro, março e abril, a pesquisa apresentou quedas sequenciais. O levantamento é realizado mensalmente e busca traçar o perfil do consumidor das classes C e D.

Em todo o país, os setores que mais alavancaram os números foram lojas de roupas (12%), transportes (10%), restaurante (10%), combustível (8%) e hotéis e motéis (8%). Os gastos que mais tiveram queda foram com diversão e entretenimento (-19%), principalmente, jogos online.

Neste mês, foi possível fazer uma análise sobre o comportamento de consumo, em que as pessoas passaram a fazer mais compras em estabelecimentos comerciais físicos e menos no comércio eletrônico, fato relacionado à reabertura gradual do varejo e maior mobilidade.

Em abril o consumo virtual representou 25% do total das compras e passou para 22% em maio. Já o consumo em lojas físicas passou de uma representatividade de 75% em abril para 78% em maio, com aumento nas categorias diversão e entretenimento (81%), serviços (12%), lojas de roupas (9%) e restaurante (7%).

Esta avaliação fica ainda mais evidenciada observando os valores médios gastos em maio com cada modalidade. Os que mais cresceram foram em companhias aéreas (7%), hotéis e motéis (5%) e restaurante (4%).

Outro estudo mostra que a inadimplência no varejo de moda aumentou 27% no mesmo mês de maio, se comparada com o ano passado. Os dados são do Índice Meu Crediário, pesquisa que mede os níveis de inadimplência junto a cerca de 200 varejistas do país. O índice de inadimplência de maio refere-se às compras realizadas pelos consumidores em fevereiro e que estão atrasadas entre 61 e 90 dias. Após 90 dias, o cliente já é considerado inadimplente pelos órgãos de proteção de crédito. Realizado pela fintech  Meu Crediário, o levantamento possui um nível de confiança de 95%.

Leia também:

Home office: mulheres estão mais sobrecarregadas que homens

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Anúncio do substituto do Bolsa Família é adiado

Promessa de Bolsonaro fez dólar comercial disparar e a bolsa de valores recuar mais de 3%.

Senado aprova auxílio-gás que barateia em 50% botijão de 13Kg

Pagamento do benefício será feito preferencialmente à mulher responsável pela família.

Mesmo com crise modelo de privatização da Eletrobras é aprovado

Empregados e aposentados da estatal terão prioridade para comprar 10% das ações.

Últimas Notícias

Anúncio do substituto do Bolsa Família é adiado

Promessa de Bolsonaro fez dólar comercial disparar e a bolsa de valores recuar mais de 3%.

Senado aprova auxílio-gás que barateia em 50% botijão de 13Kg

Pagamento do benefício será feito preferencialmente à mulher responsável pela família.

RJ: R$ 7 bi em cultura, ciência e tecnologia e esporte e lazer

RJ: R$ 7 bi em cultura, ciência e tecnologia e esporte e lazer é consequência do fato de a Comissão de Orçamento da Assembleia Legislativa...

Mesmo com crise modelo de privatização da Eletrobras é aprovado

Empregados e aposentados da estatal terão prioridade para comprar 10% das ações.

Conversa com Investidor: Kepler Weber (KEPL3)

Coordenação: Jorge Priori