Rio é o terceiro estado que mais abre empresas no Brasil

Resultado do primeiro trimestre ano é positivo se comparado ao mesmo período de 2020; 51% dos MEI trabalhavam com carteira assinada.

No primeiro trimestre deste ano foram abertas 85.911 empresas no Estado do Rio de Janeiro, estando atrás apenas de Minas Gerais (107.682 novos CNPJs) e São Paulo (300.034 novos CNPJs), que ocupam, respectivamente, o segundo e o primeiro lugar no ranking de novas empresas abertas. Em comparação ao mesmo período do ano anterior, há queda de 17,4%. Já quando comparado ao primeiro trimestre de 2020, o número de abertura de empresas apresentou crescimento de 2,9%, de acordo com o levantamento realizado pela Contabilizei, a partir de dados da Receita Federal.

Microempresas, empresas de pequeno e grande porte, além de indústrias e agronegócios, categorizadas como não MEI, representam 14,8% do total de empresas abertas (12.681 CNPJs), enquanto empresas da categoria Microempreendedor Individual (MEI) retratam a maior parcela do total, sendo 85,2%, equivalente a 73.230 CNPJs.

Ao considerar somente as empresas não MEI, há um decréscimo de 2% no número de aberturas, quando comparado ao primeiro trimestre de 2021. Já na comparação entre os mesmos meses de 2020, este crescimento é eminente, sendo de 34%.

Em comparação ao primeiro trimestre de 2021, a criação de CNPJs MEI obteve redução de 17,6% este ano. Ao comparar com o mesmo período de 2020, este número cresce em 0,2%.

O levantamento mostra também o desempenho da abertura de empresas por setor. Mais de 60% das empresas abertas no estado fluminense correspondem ao setor de serviços.

Já segundo levantamento do Sebrae, sete em cada 10 MEIs tinham emprego antes de oficializar o próprio negócio. Esse resultado pode indicar um crescimento do empreendedorismo motivado por necessidade nesse perfil de empreendedor nos últimos três anos. Em 2019, 63% dos empresários que se registraram nessa categoria estavam empregados antes de empreender. Em 2022, o índice saltou para 67% – média de sete a cada 10. Segundo o estudo, antes de se formalizarem, 51% dos MEI estavam contratados com carteira assinada e 16% eram empregados sem registro. Ainda de acordo com o levantamento, houve uma queda na proporção de microempreendedores individuais que já atuavam como empresários na informalidade. Em 2019, os empreendedores informais representavam 21% dos MEI e, em 2022, essa participação caiu para 15%.

Já estudo intitulado Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo, realizado pelo Datafolha, a pedido do Sindicato das Micro e Pequenas Indústrias do Estado de São Paulo (Simpi), mostra que pelo terceiro mês consecutivo as micro e pequenas indústrias (MPI’s) vêm sentindo o impacto da elevação de custos de produção, que hoje atinge 70% das empresas. Segundo dados da pesquisa, as MPI’s retornaram ao patamar de setembro de 2021, conforme gráfico a seguir, que mostra que sete em cada dez empresas registraram alta significativa nos custos de produção.

As notícias negativas para as micro e pequenas industrias vêm, principalmente, do aumento de custos de matérias-primas e insumos. O gráfico a seguir, em que o índice varia de 0 a 200 pontos, sendo 200 o resultado ótimo, onde nenhuma empresa teria alta significativa em seus custos de produção no mês anterior, mostra que em abril o cenário piorou, com recuo para 61 pontos, ante 72 pontos em janeiro.

Ainda segundo a pesquisa, nos últimos 15 dias, as maiores dificuldades relatadas pelas micro e pequenas indústrias são a alta nos preços de matérias-primas e insumos (78%), falta de matéria-prima e insumos nos fornecedores (40%), atraso na entrega de matérias-primas e insumos (35%) e queda na qualidade desses materiais (27%).

O pessimismo das micro e pequenas indústrias com retomada econômica caiu de 60% para 53%, entre março e abril, para os dirigentes que acreditam que a crise econômica no Brasil ainda é forte, afeta muitos os negócios e não dá para prever quando a economia voltará a crescer. Para 45% a crise está mais fraca, ainda afeta os negócios e a economia deverá voltar a crescer nos próximos meses. Apenas 5% acreditam que a crise já passou, não afeta mais os negócios e a economia já voltou a crescer.

Leia também:

Brasil registrou abertura de mais de 270 mil MEIs em fevereiro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

Últimas Notícias

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

EUA: tiroteio em escola bate maior número em 20 anos

Segundo relatório, houve apenas 23 incidentes com vítimas fatais durante o ano letivo de 2000/2001.

Bebidas Online busca captar R$ 2 milhões com pessoas físicas

Com crescimento projetado de 19% para 2022, startup de delivery de bebidas usará recursos nas áreas de marketing, desenvolvimento de produtos e expansão do time