Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

A prefeitura do Rio de Janeiro publicou hoje decreto com novas medidas de isolamento social para combater a pandemia de Covid-19. Entre as medidas, está a proibição de permanência de pessoas em vias e áreas públicas das 23h às 5h. Também foi decretado que bares, lanchonetes e restaurantes devem fechar, para atendimento presencial, a partir das 17h.

Esses estabelecimentos só poderão funcionar das 6h às 17h, podendo atender a um número máximo de clientes correspondente a 40% de sua capacidade instalada.

Há restrições também para comércios e serviços com atendimento presencial, que só poderão funcionar das 6h às 20h. As medidas passam a valer às 17h de amanhã (5) e serão mantidas, pelo menos, até o dia 11 de março.

Outras decisões anunciadas são a proibição de funcionamento de quiosques, barracas comerciais e ambulantes em toda a orla do município durante esse período. Também estão proibidas festas, eventos, feiras especiais, feiras de ambulantes, feirartes e os funcionamentos de boates e casas de espetáculo.

Pessoas que infringirem as regras estão sujeitas a multa de R$ 562,42 e também podem responder criminalmente, com base no artigo 268 do Código Penal (infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa), que tem pena de um mês a um ano de prisão. As atividades comerciais também estão sujeitas a apreensão de mercadorias e de bens, a multas e a interdições).

As medidas foram publicadas na edição de hoje (4) do Diário Oficial do município e adotadas devido ao aumento do número de casos e de óbitos por Covid-19, além da sobrecarga da rede hospitalar em todo o país.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse que as novas medidas restritivas adotadas pela administração municipal são uma forma preventiva de combater a Covid-19. Afirmou que não houve registro de aumento de casos, nem de óbitos, mas foi identificada uma tendência de alta nos atendimentos na rede de urgência e de emergência de pessoas com síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave, que antecedem a notificação de um caso de Covid-19.

“Essas medidas têm um objetivo principal: evitar que se repita em 2021 o genocídio de 2020, que aconteceu na cidade do Rio de Janeiro””, disse o prefeito, durante a apresentação das novas medidas de restrição e da nona edição do Boletim Epidemiológico, destacando que, em 2020, a capital teve taxas de mortalidade e de letalidade acima de São Paulo, a maior cidade do país e que tem o dobro da população do Rio. Paes afirmou que os dados dos atendimentos, ainda que sem confirmação da contaminação, são os que mais o preocupam. “Quando a gente olha para esse dado aí, ele é um dado que liga um sinal de alerta. É um dado que vem me incomodando e a todos da prefeitura desde o finalzinho da semana passada. Daí eu ter intensificado o debate com os especialistas sobre esse tema. Nosso objetivo é nos antecipar para que possamos manter os números baixos que estamos tendo este ano”, garantiu.

“Há uma situação nacional que isso possa chegar ao Rio de Janeiro. Ainda não chegou e espero que não chegue”, explicou. O quarto fator é a falta de respeito por parte da população às regras sanitárias e medidas restritivas já adotadas para evitar aglomerações, inclusive, com pessoas sem usar máscaras de proteção. “O que nós vemos, infelizmente, é uma irresponsabilidade”, afirmou Paes, isentando donos de bares e restaurantes, que segundo ele, têm colaborado.

Em São Paulo, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse à Rádio Bandeirantes na terça-feira que todo o estado deveria ser colocado “imediatamente” em uma fase mais restritiva.

“Diminuição da circulação principalmente a partir das 20h para evitar festas e aglomerações. Isso deveria ocorrer por um período mínimo de 15 dias. Conseguimos esfriar a velocidade inicial de transmissão da variante do coronavírus detectada inicialmente em Manaus”.

Ele estimou que só “no meio do ano” a vacinação comece a reduzir a mortalidade por Covid-19 no Brasil. Segundo o diretor do Butantan, os efeitos serão percebidos depois que pelo menos 50 milhões de pessoas estiverem imunizadas, mas isso ainda depende da compra de mais doses.

Para o coordenador do Centro de Contingência em São Paulo, as próximas duas semanas da pandemia serão “críticas”. Paulo Menezes também foi entrevistado e confirmou que estão em estudo medidas que aprofundam as restrições já previstas no plano de flexibilização. A ideia de criar a “fase roxa”, ainda mais restritiva que a vermelha, também vem sendo considerada.

 

Com informações da Agência Brasil

Leia mais:

Rio dará R$ 300 para a população vulnerável

Rede estadual de ensino do Rio volta hoje às aulas

Vereador quer saber quando Prefeitura do Rio pagará 13º

Artigos Relacionados

Aprovada entrega do IRPF até 31 de julho

Prazo atual é 31 de maio. Texto segue para sanção de Bolsonaro.

Jornalista agora pode ser MEI

Senado tentou incluir corretor de imóveis, publicitários e produtores culturais no projeto.

STF decide julgar no plenário a anulação de sentença de Lula

Julgamento prossegue nesta quinta-feira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Jornalista agora pode ser MEI

Senado tentou incluir corretor de imóveis, publicitários e produtores culturais no projeto.

STF determina reintegração de excluídos do Bolsa Família

Ministro Marco Aurélio avaliou que Governo Federal estava descumprindo determinação.

Preços dos medicamentos voltam a subir em março

Segundo levantamento, resultado reflete agravamento da pandemia, colapso das unidades de saúde e depreciação cambial.

Planos devem autorizar exame de Covid de forma imediata

Antes da determinação da ANS, os planos podiam demorar até três dias úteis para garantir o atendimento ao pedido.

Cresce demanda árabe por café verde e solúvel do Brasil

No primeiro trimestre deste ano, país exportou 37% mais café à região; além dos grãos verdes, crus, países têm demandado mais produto solúvel.