Rio prorroga medidas restritivas até 10 de maio

O município do Rio de Janeiro decidiu prorrogar até 10 de maio as medidas restritivas contra a Covid-19. As regras de funcionamento e permanência em lugares públicos permanecem as mesmas do decreto de sexta-feira passada. A permanência das pessoas na areia das praias e o comércio nesses locais, por exemplo, continuam proibidos nos fins de semana e feriados, sendo permitidos apenas nos dias úteis. Também segue proibida a permanência nas ruas das 23h às 5h todos os dias.

A prefeitura manteve ainda a proibição do funcionamento de boates, danceterias e casas de espetáculos. Comércio e serviços não essenciais, além de bares, lanchonetes e restaurantes, poderão funcionar com atendimento presencial ao público até as 22h.

Estabelecimentos localizados no interior de shopping centers, centros comerciais e galerias de lojas, assim como as atividades culturais e de entretenimento como museus, cinemas, teatros, casas de festa e parques de diversões, deverão funcionar com no máximo 40% da capacidade, se localizadas em locais fechados, e 60% se em locais abertos.

O prefeito Eduardo Paes disse que a cidade ainda está longe de uma “situação confortável”, em relação à pandemia, e que não é para esperar que a administração do município corra atrás das pessoas nas praias, para fazer cumprir as medidas restritivas que impedem a permanência de frequentadores nas areias durante o fim de semana.

“Já temos a cidade bastante aberta, enfim, as atividades econômicas podendo funcionar quase na sua plenitude. Existem algumas restrições sendo impostas ainda, principalmente esse negócio da praia no fim de semana. A gente está permitindo que as pessoas possam fazer as suas práticas esportivas e o seu lazer na praia. Durante a semana pode ficar, no fim de semana, não. Mas não esperem que a gente vai ficar também correndo atrás das pessoas nas praias. É uma tentativa de minimizar grandes aglomerações e grandes deslocamentos nos fins de semana”, disse hoje, durante a apresentação do 17º Boletim Epidemiológico da Prefeitura do Rio.

Na avaliação da prefeitura, como o número de casos suspeitos de síndrome gripal e de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) nas redes de urgência e de emergência, que apresentava queda, se estabilizou em um nível ainda alto nos últimos dias, o prefeito decidiu continuar com as restrições em vigor e foi mantida também a classificação de risco muito alto. Paes lembrou que esse é o dado que a prefeitura observa para decidir sobre as medidas restritivas a serem adotadas no município.

“A gente nota que, infelizmente, há uma certa estabilizada nesta curva, mas mantendo um platô bastante alto. Só olhar a curva que a gente vê isso. Tomamos as medidas com bastante antecedência quando começou a ter um aumento na rede de urgência e de emergência. Esse dado é o mais primário de todos. Ali, começa a se identificar que as pessoas podem estar contraindo a doença. A gente se animou quando há umas três semanas ele parou de crescer e começou a cair um pouco, mas agora deu uma estabilizada. Mais uma vez esse é o dado que está mais nos norteando”, observou.

Paes disse que também é avaliado o número de óbitos, que é o dado final que ninguém quer que exista, mas é muito importante entender que ainda há uma incidência muito grande de pessoas procurando a rede municipal de saúde com sintomas da doença. “Isso mostra que a gente está longe de estar em uma situação confortável, por isso, a manutenção das medidas restritivas, permitindo que a cidade funcione. A gente sabe que não dá para fechar tudo para todo o sempre”, pontuou, alertando para a gravidade do comportamento da doença.

Diante das constantes restrições de circulação em diversas cidades do país, ocorreu um aumento significativo na demanda por logística, resultado da expansão dos comércios eletrônicos e das compras virtuais. De acordo com dados divulgados pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), 54,5% das empresas entrevistadas veem a situação atual como ruim. E em sua maioria, acreditam que não vai mudar nos próximos seis meses (41,9%). Ainda segundo dados da 6ª rodada da Pesquisa de Impacto no Transporte – Covid-19, da CNT, a maioria das empresas entrevistadas acredita que não haverá mudanças no cenário nos próximos seis meses. Das 580 organizações de cargas e passageiros de todos os modais de transporte ouvidas, 28,6% estão otimistas e vislumbram um crescimento da demanda no setor.

 

Com informações da Agência Brasil

Artigos Relacionados

Conteúdo online voltado para o ensino e para ganhar dinheiro

Cada vez é mais possível aproveitar o conteúdo online para avanços desde a fluência do inglês das crianças a até aprender a operar como trader na bolsa.

Queda de faturamento atinge 82% dos MEI

Em Minas, 60% dos microempreendedores individuais formalizados na pandemia abriram o negócio por oportunidade.

Inflação oficial fica em 0,31% em abril

Grupo com alta relevante no mês foi alimentação e bebidas (0,40%), devido ao comportamento de alguns itens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Conteúdo online voltado para o ensino e para ganhar dinheiro

Cada vez é mais possível aproveitar o conteúdo online para avanços desde a fluência do inglês das crianças a até aprender a operar como trader na bolsa.

Queda de faturamento atinge 82% dos MEI

Em Minas, 60% dos microempreendedores individuais formalizados na pandemia abriram o negócio por oportunidade.

Inflação oficial fica em 0,31% em abril

Grupo com alta relevante no mês foi alimentação e bebidas (0,40%), devido ao comportamento de alguns itens.

Manhã de hoje é negativa em quase todo o mundo

Em Nova Iorque, Dow Jones e S&P futuros cediam 0,10% e 1,04%, respectivamente.

Projeção da Selic é de 5% no final deste ano

Para o ano que vem, analista projeta 6,5%, dado o alerta do Copom sobre o ritmo de normalização após reunião de junho.