Rio teve mais de 4 milhões de portabilidades em oito anos

Internacional / 07:46 - 10 de out de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Usuários de telefones móveis realizaram 33,81 milhões de trocas de operadoras sem mudar do número do telefone nos 8 anos de existência da portabilidade numérica no Brasil, completados em setembro. Conforme apuração trimestral da Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABRTelecom ), entidade administradora da portabilidade numérica, desde setembro de 2008, quando o serviço começou a ser oferecido no Brasil, até o dia 30 de setembro deste ano, 12,41 milhões (37%) migrações foram realizadas por usuários de telefones fixos e 21,40 milhões (63%) de móveis. O serviço de portabilidade numérica foi implantado gradativamente nos 67 DDDs em operação no Brasil entre setembro de 2008 e março de 2009. Desde que a portabilidade numérica passou a fazer parte dos serviços telefônicos dos DDDs 21,22 e 24 os usuários desta área realizaram 4,09 milhões de ações de portabilidade numérica. O equivalente a 1,58 milhão (39%) de solicitações feitas por usuários de telefones fixos e 2,51 milhões (61%) de telefones móveis. Ao fazer um recorte no terceiro trimestre de 2016 (julho a setembro), a ABRTelecom registra que 1,23 milhão de trocas de operadoras foram concluídas no País. Nesses três meses, 348,08 mil (28%) migrações foram demandadas por usuários de terminais fixos e 886,10 mil (72%) de móveis. Entre os telefones atendidos pelos DDDs 21,22 e 24, no Rio de Janeiro, o relatório da ABRTelecom mostra a efetivação de 210,38 mil solicitações de portabilidade numérica entre os meses de julho a setembro. Os usuários de telefones fixos respondem por 55,27 mil (26%) das transferências e os de móveis, por 155,11 mil (73%). Oito em casa 10 brasileiros entre nove e 17 anos usam a internet Cresceu a frequência de acessos entre as crianças e adolescentes que usam a internet, segundo a pesquisa TIC Kids, divulgada hoje. O levantamento indica que 80% da população brasileira entre 9 e 17 anos utiliza a rede. Entre esses, o percentual dos que se conectam mais de uma vez por dia subiu de 21%, no estudo referente a 2014, para 66% no atual, com dados coletados em 2015. O aumento do percentual de jovens que navegam na rede mais de uma vez por dia foi ainda mais expressivo na faixa de 15 a 17 anos (de 17% para 77%) e entre os jovens das classes A e B (de 21% para 75%). Entre os recortes apresentados, a menor variação foi entre as crianças e adolescentes das classes D e E. A alta passou de 25% para 49%. Para elaboração da pesquisa foram feitas 6,1 mil entrevistas presenciais com crianças e adolescentes e 3 mil com pais ou responsáveis, em 350 municípios, entre novembro de 2015 e junho de 2016. O trabalho foi realizado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), através do Centro Regional de 23,7 milhões de crianças e adolescentes usam a internet Usam a internet, segundo o estudo, 23,7 milhões de crianças e adolescentes. Estão desconectados 5,9 milhões de jovens, sendo que desses, 3,4 milhões nunca tiveram contato com a rede. Os maiores percentuais de uso entre os 9 e 17 anos de idade são registrados no Sul (90%) e no Sudeste (88%). No Norte, o índice cai para 56% e, no Nordeste, para 71%. No Centro-Oeste, o percentual é de 85%. A falta de disponibilidade de acesso no domicílio foi o principal obstáculo apontado pelos jovens. Segundo a pesquisa, 75% dos que não usam a rede (15% do total) apontam a falta do serviço no local onde vivem como razão. Entre o total de crianças e adolescentes na zona rural, 30% sofrem com o problema. Na região Norte, o acesso residencial está indisponível para 31% dos jovens, mesmo percentual entre os que vivem com até um salário mínimo. O telefone celular continua sendo o principal meio usado pelo público com menos de 18 anos para se conectar, sendo utilizado por 83% deles (82% na pesquisa anterior). O computador de mesa perdeu relevância, era usado por 56% dos jovens no levantamento anterior e agora faz parte do cotidiano de apenas 38%. O tablet era usado por 32% e, atualmente, por 21%. Nesse sentido, ficou em 31% o percentual de crianças e adolescentes que acessam a rede somente pelo celular. O índice chega a 41% entre os que vivem em áreas rurais e 53% nos residentes na Região Norte. No público entre 15 e 17 anos, 39% utilizam a internet apenas através do telefone móvel. Entre as motivações, 73% dos meninos e 84% das meninas disseram que se conectam para fazer trabalhos escolares. Enviar mensagens instantâneas é a atividade declarada por 77% do público feminino e 78% do masculino. Enquanto 78% dos jovens de ambos os sexos disseram que utilizam as redes sociais. Com informações da Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor