Risco BC

A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de manter a taxa básica de juros (Selic) em 16% ao ano contra a opinião de pelo menos 95% da sociedade brasileira, não é apenas uma afronta ao país, tão ou mais grave do que a matéria do correspondente do The New York Times. É um alerta, reiterado, dos riscos da terceirização do Banco Central que, alguns incautos, chamam de BC independente. Independente de quem, cara pálida?

Rainha da Inglaterra
A decisão do ministro da Fazenda, Antônio Palocci, de descartar a correção da tabela do imposto de renda, cerca de um mês depois de o presidente Lula prometer, publicamente, “notícia boa nos próximos dias”, reforça a impressão dos que pensam que, apesar de derrotado fragorosamente em dois plebiscitos, o parlamentarismo está em pleno vigor no país. Com Palocci, no papel de chefe de governo, restando a Lula, o de chefe de Estado.
Rainha da Inglaterra II
A terceirização da presidência da República na era petista é, como diria o ministro Gilberto Gil, mais uma faceta do modelo “um é a continuidade do outro”. Em 1998, na metade do interminável do seu governo, o presidente FH confundiu os papéis e atreveu-se a anunciar, no horário eleitoral da sua campanha para a reeleição que “o governo não elevaria os juros”. Apenas poucas horas depois, o Banco Central encarregou-se de restabelecer a verdade sobre os verdadeiros donos do pedaço: decretou mais um aumento da taxa básica de juros (Selic).

Novo golpe
A substituição da presidente do Partido do Congresso, Sônia Ghandi, consagrada pelas urnas, pelo ex-ministro das Finanças Manmohan Singh, arquiteto das políticas neoliberais na Índia, é um rude golpe na democracia e ameaça a transformar as eleições ritual formal ou numa pantomina. Seria o equivalente ao povo brasileiro eleger Lula e ver este ceder o poder a Pedro Malan.

Bola dentro
Em mais uma demonstração de que o esporte pode ocupar espaços inalcansáveis para a política, um time da minoria árabe que vive em Israel conquistou esta semana, pela primeira vez, a Copa de Israel. Embora o futebol esteja longe de ser o esporte de maior tradição naquela área convulsionada, a conquista do Bnei Sakhnin, que venceu  por 4 x 1 o Hapoel Haifa, diante de 38 mil torcedores – uma multidão num país com apenas cerca de 5 milhões de habitantes – no Estádio Nacional de Ramat Gan, perto de Tel Aviv, foi muito comemorada pelo prefeito árabe de Sakhnin, Muhamad Bashir, que a qualificou de “um momento histórico”. Ele disse esperar que ela sirva como ponte entre as duas comunidades.

Para americano ver
A condenação de um dos militares torturadores que atuam no Iraque a apenas um ano de prisão dá bem a mostra de como chateou o governo Bush a violência contra os prisioneiros iraquianos.

Encalhe
As exportações, que somaram US$ 80 bilhões nos últimos 12 meses, turbinaram a área logística, que deve crescer 30% em 2004. A estimativa da Associação Brasileira de Logística, que faz em junho, em São Paulo, sua oitava conferência anual, é de que 10 mil empresas atuem diretamente no segmento. Apesar do bom desempenho, a entidade reclama de problemas de infra-estrutura (mau aproveitamento e más condições de estradas, ferrovias, hidrovias e portos). Por causa dessas dificuldades, a safra de 2004 está ameaçada, porque a estrutura atual poderá não ser suficiente para escoar toda a produção.

Academia
Com a presença de todos coordenadores de programas de pós-graduação das áreas, foi criado, no último dia 14, na Fundação de Economia de Campinas da Universidade de Campinas, o Fórum Nacional de Pós-Graduação das Áreas de Educação Física, Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Fórum-PG-EF/Fono/FT/TO). A entidade, que será presidida pelo coordenador da pós-graduação da Universidade Católica de Brasília, Ricardo Jacó de Oliveira, vai representar os programas da área diante das instituições nacionais e estrangeiras e sugerir propostas para as políticas de pós-graduação, entre outras funções.

Doce
As exportações brasileiras de mel cresceram 14.000% no período de 2000 a 2003, saltando de US$ 231 mil para US$ 45,5 milhões. No ano passado foram exportadas 19,3 mil toneladas de mel, sendo 10,6 mil toneladas para o mercado alemão e 6,8 mil toneladas para o norte-americano. A Confederação Brasileira de Apicultura (CBA) estima que a produção de mel no Brasil tenha atingido 25 mil toneladas em 2003.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO outro
Próximo artigoOs números, os números

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.