Risco do capital

Nos Estados Unidos, o capital de risco, que é uma importante fonte de financiamento das empresas inovadoras e das novas empresas de base tecnológica, caiu 60% no primeiro trimestre de 2009 na comparação com o mesmo período de 2008, relaciona o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). A queda foi ainda mais acentuada nos investimentos de risco na indústria de comunicação: 80%.

Decifra-me…
Qual seria a política econômica de José Serra na Presidência da República? Em palestra em novembro de 2000 (“O Pensamento Progressista: dos anos 60 aos anos 90”), o governador de São Paulo e provável candidato tucano concluía: “Para o novo pensamento progressista brasileiro, o Estado nacional persiste e, portanto, tem de elaborar e aplicar políticas próprias, deve sustentar um projeto nacional de desenvolvimento, que, embora sob formas renovadas, continue buscando o desenvolvimento da economia, a defesa da soberania nacional, a diminuição das desigualdades sociais, a consolidação e o fortalecimento da democracia.”

…ou devoro-te
Já em entrevista recente, após critica o real anabolizado e a falta de perspectiva de um país que se especializa em commodities, Serra deixa dúvidas sobre quanto ainda comunga de seu passado cepalino: “A diferença existe em relação a políticas macroeconômicas, e não à estabilidade. Eu só posso dizer o seguinte: em nenhum dos preceitos do Consenso de Washington figura a idéia de que para desenvolver o país você precisa megavalorizar a moeda. Isso é simplesmente um erro, não é ortodoxo nem heterodoxo”.

Violência aumenta
A propaganda não condiz com a realidade, admite o ex-prefeito Cesar Maia – um entusiasta do governo colombiano – ao analisar números do jornal El Tiempo sobre o total de assassinatos na Colômbia, em 2009 (15.817, ou 32 mortes por 100 mil habitantes). Em Medellín houve um aumento de 64% e foram 1.432 homicídios; em Cali, o aumento foi de 17%, alcançando 1.615 homicídios (75 por 100 mil habitantes). Oito de cada dez casos de homicídios foram cometidos com armas de fogo.

Beleza
Um curso para quem quer ficar na moda será ministrado por Thomas Dourado, “estilista pessoal” e autor do livro Mania de Beleza (Nova Razão Cultural). Serão quatro sábados, das 8h às 12h. Mais informações em www.estacio.br/férias

Tecnologia de ponta
Uma parceria entre Embrapa Solos, Universidade de Rio Verde e Perdigão desenvolveu processo de tratamento dos dejetos da criação de suínos para criação de fertilizante de alta qualidade, para utilização em sistemas de produção de grãos, sem a necessidade de equipamentos especiais. Milhares de toneladas de dejetos animais são produzidas diariamente no Brasil. Esses dejetos normalmente passam por tratamentos sanitários e são posteriormente utilizados como fertilizantes. Contudo, grande parte dos nutrientes presentes nesses dejetos são perdidos, o que o novo processo evita.
“Vale lembrar que com o desenvolvimento das técnicas de compostagem e granulação, uma nova linha de pesquisa se abre dentro da Embrapa”, diz o pesquisador da Embrapa Solos e líder do Projeto Agrosuíno, Vinicius Benites.

Direito público
Não é devida a cobrança de direito autoral de instituição pública que promove evento público gratuito. Esse foi o fundamento usado pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, em julgamento que livrou a Universidade Federal de Minas Gerais do pagamento de direitos autorais. Para o TRF-1, “a jurisprudência se firmou no sentido que não é devida a cobrança de direito autoral de instituição pública que promove evento público gratuito, pois o acesso aos espetáculos ocorreu de forma gratuita ou com a troca de ingresso por alimentos não perecíveis, destinados, estes, a instituições filantrópicas”.

Girando a bicicleta
Depois do terrorista da mamadeira, os serviços de inteligência do G7 produziram, às vésperas do fim do ano, o atentado improvisado. Tanto num caso como no outro, mais importante que uma apuração não-carnavalizada dos fatos é fornecer combustível para o funcionamento da máquina da indústria do antiterrorismo. Como ensina Naomi Klein, no seu último livro lançado em 2009, A doutrina do choque, o recurso ao medo é fundamental para dar “um choque de obediência às pessoas”, que, em condições normais, não aceitariam passivamente serem privadas de direitos fundamentais.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAo lado
Próximo artigoPassarinho azul

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Mercados operam mistos no exterior

No Brasil haverá resposta ao Copom.

Elevação na Selic deve repercutir no mercado

EUA: divulgação de PIB do terceiro trimestre e balanços de grandes empresas são o foco das atenções no cenário internacional.

TSE forma maioria contra cassação da chapa Bolsonaro-Mourão

PT, PCdoB e PROS pedem cassação da chapa por cometimento de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

IGP-M acumula inflação de 21,73% em 12 meses

Alta da taxa de setembro para outubro foi puxada pelos preços no atacado.

Mirando agora na PEC dos Precatórios

Ultrapassada a decisão do Copom, investidores vão mirar na avaliação da PEC cheia de 'jabutis' que ainda não foram retirados.