24.5 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

Risco fiscal gera queda no Brasil

Os mercados internacionais amargaram quedas consideráveis, tendo em vista o aumento considerável no número de infectados por Covid-19 na Europa e a ausência de esperança quanto ao pacote de estímulos nos EUA. No Brasil, o risco fiscal e o exterior impactaram negativamente o principal índice da B3.

Nova Iorque teve desempenho misto com os agentes ponderando os números dos dados do varejo, superando as expectativas do mercado e a possiblidade do adiantamento de uma vacina por parte da Pfizer e BioNTech. Apesar de Trump propor um pacote de US$ 1,8 trilhão para ajudar a economia americana, Larry Kudlow, diretor do Conselho Econômico da Casa Branca, acredita que é pouco provável que o pacote seja aceito antes das eleições.

O Dow Jones teve alta de 0,39% e o S&P 500 ficou estável em +0,01%. A Nasdaq perdeu 0,36%.

Na Europa, o humor dos investidores melhorou em relação aos demais dias da semana. A proposta de Trump sobre o pacote de estímulos e o possível uso da vacina, ainda em estudo, da Pfizer em conjunto com BioNTech, ajudaram os mercados.

Paris e Milão lideraram as altas, com ganhos de 2,03% e 1,70%, respectivamente. Frankfurt e Londres tiveram valorização de 1,62% e 1,49%. Madri subiu 0,48%.

São Paulo fechou em queda, descolando das Bolsas do mundo desenvolvido na tarde de sexta-feira, devido às expectativas negativas em relação ao risco fiscal no país, uma vez que não há perspectiva clara relativa à condução da política fiscal. Assim, a taxa de juros foi pressionada mais uma vez. O DI com vencimento para janeiro de 2027 fechou negociado a 7,57% contra 7,53% na quinta-feira (15).

O fiscal também pressionou as ações, fazendo o Ibovespa perder 0,75%, a 98.309,12 pontos. O dólar teve alta de 0,34%, cotado a R$ 5,65.

Apesar da possibilidade do uso emergencial da vacina produzida pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech, o mercado de petróleo ainda não digeriu o aumento nos casos de coronavírus no hemisfério norte.

O WTI para novembro fechou com queda de 0,19%, a US$ 40,88. O Brent com vencimento para dezembro caiu 0,53%, cotado em US$ 42,93.

As Bolsas asiáticas iniciaram a semana majoritariamente em alta, com vistas às expectativas renovadas por estímulos nos EUA. Apesar de ainda existirem divergências, Pelosi se mostrou favorável à nova possibilidade de pacote.

A sinalização positiva da Pfizer, ainda na sexta-feira, também aumentou o apetite pelo risco nas praças asiáticas.

As Bolsas da China continental, todavia, viraram para o vermelho, após o PIB do país ter resultado abaixo das expectativas, alcançando 2,7% ao trimestre e 4,9% ao ano.

Na China, o Xangai composto e Shenzhen recuaram 0,71% e 0,70%, respectivamente. Em Tóquio, o Nikkei teve ganhos de 1,11%. Fora da China continental, Hong Kong subiu 0,64% e Taiwan se valorizou em 1,24%. Na Coréia, o Kospi avançou 0,22$. Bombaim também subiu forte, a 1,12%.

 

Para hoje (19/10) – O retorno da possibilidade de estímulos anunciadas por Pelosi faz com que a esperança dos agentes retorne, levando os futuros em Nova Iorque e as Bolsas Europeias a abrirem em alta.

No Brasil, Guedes e Maia, em evento virtual, informam a impossibilidade de extensão dos gastos emergenciais e do estado de calamidade. Além disso, Guedes disse ser improvável a elevação dos gastos para 2021.

O IPC-Fipe na 2ª quadrissemana de outubro subiu em 1,05%, contra a estimativa de 0,97%, mostrando aceleração dos preços em São Paulo.

A agenda na Europa hoje está relativamente vazia, sendo preenchida pelos discursos de Christine Lagarde, diretora do Banco Central Europeu (BCE); e de Jon Cunliffe, membro do Comitê de Política Monetária do Bank of England (BoE, o BC inglês).

Lagarde discursará na abertura da conferência online do BCE sobre política monetária e Cunliffe falará na conferência do Fundo Monetário Internacional e no Painel de Líderes de Bancos Centrais.

Jerome Powell também fará seu discurso na reunião do Fundo Monetário Internacional sobre Pagamentos Transfronteiriços e Moedas Digitais. Mais tarde, Richard Clarida falará sobre as perspectivas econômicas e sobre as estratégias de política monetária nos EUA.

Haverá ainda a divulgação do Livro Bege do Fed, a evidenciar as perspectivas da autoridade monetária em relação à economia americana.

O Tesouro Americano divulgará a segunda observação do balanço orçamentário de setembro. A expectativa é de que o déficit tenha queda de 38%, saindo de US$ -200 bilhões para US$ -124 bilhões.

As expectativas de queda no déficit das contas públicas americanas estão relacionadas ao retorno parcial da economia americana, gerando mais receita para o governo.

Na primeira pesquisa do indicador, foi registrado déficit no montante de US$ -125 bilhões.

Do ponto de vista corporativo, a Vale (VALE3) divulgará parte de seu desempenho do terceiro trimestre após o fechamento dos mercados. Segundo os especialistas consultados pela Bloomberg, a produção da companhia pode chegar a 85,7 milhões toneladas de minério.

 

Brasil: Relatório Focus  – As expectativas dos analistas de mercado tendem a piorar em relação aos números de inflação.

Tal aumento pode levar a uma taxa de crescimento de stead state – isto é, de longo prazo – menor.

Após os números do IGP-10 acumularem alta de 19,85% em 12 meses e de 3,20% ao mês em outubro, e também considerando o comportamento do IPC-S, ambos divulgados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), as perspectivas de inflação tendem a se elevar.

No que diz respeito ao PIB, após os dados de atividade econômica de serviços, comércio e do IBC-Br, é provável que as expectativas de crescimento melhorem para o fim desse ano.

Todavia, para o ano que vem, o cenário fiscal pode gerar pressões nas perspectivas de crescimento.

.

Nova Futura Investimentos

www.novafutura.com.br

Artigos Relacionados

Índice da Universidade de Michigan mostrou nova deterioração

Expectativa para o começo do primeiro trimestre permanece negativa por conta dos riscos associados à Covid-19.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Agravamento da crise sanitária reflete na esfera política e econômica

Ocupação de leitos em UTIs para pacientes com Covid é a pior desde julho; chega-se a um dos períodos mais graves da pandemia no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.