Risco Morgan

Depois de pagar multa de US$ 2 bilhões para pôr um ponto final nas investigações da Securities and Exchange Comission (SEC) – órgão regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos – sobre sua participação na falência fraudulenta da Enron, o J. P. Morgan, que se autoarvorou o direito de calcular o “risco país” de nações em desenvolvimento, está às voltas com novas acusações de práticas nebulosas. Dessa vez, o principal executivo do banco, John Mack, é investigado por insider information na Pequot Capital Management, que administra a bagatela de US$ 7 bilhões em fundos de hegde. Já passou da hora de uma ONG criar o risco do dono do “risco país”.

Estelionato anunciado
As eleições para presidente da República que se realizam neste domingo se realizam sob o signo do maior estelionato eleitoral da história contemporânea brasileira. Embora Lula e Geraldo Alckmin, por sua prática pregressa, se revelem convergentes na defesa da calamitosa política econômica que obliterou o significado do desenvolvimento do imaginário de duas gerações de brasileiros, na campanha, ambos esconjuram qualquer comprometimento com seus dogmas econômicos. Exceto em linguagem decodificável apenas pelos iniciados no economês – em sua grande maioria os beneficiários da transferência de recursos do setor produtivo para o financeiro e seus áulico$ – a defesa das privatizações, do desmonte do Estados, do ataque a direitos previdenciários e trabalhistas, do corte de gastos públicos em infra-estrutura, investimentos e no social, não apenas são negados pelo petista e por seu equivalente tucano, como atribuídos reciprocamente ao adversário por mera tática eleitoral.
Essa esquizofrenia política faz com que o país vá às urnas sob a ameaça de que, qualquer que seja o eleito, aplicará uma agenda oculta e de conteúdo antagônico ao defendido no mundo cor-de-rosa do horário eleitoral. Fosse um bem ou serviço, seria o caso de se ir ao Conar, por propaganda enganosa. Como o “sabão” vendido pelos marqueteiros ocupará a Presidência da República, no entanto, está-se diante de caso típico de uma crise anunciada.

Desconfiança?
A partir de novembro, toda a correspondência emitida pelo Departamento de Controle Econômico da Superintendência de Seguros Privados (Susep) estará disponível para as empresas do setor, semanalmente, na sede da autarquia. Em comunicado, a Susep afirma que “essa medida está sendo adotada em virtude de dificuldades observadas no mercado com relação ao recebimento de correspondência enviada pela autarquia”. Os Correios vão bem, obrigado.

Alforria
Serão nesta segunda e terça-feira as duas audiências públicas em São Paulo sobre portabilidade do número de telefone. Ambas ocorrerão, das 19h às 21h30m, no auditório da Anatel (Rua Vergueiro 3.073, próximo ao Metrô Vila Mariana). A Consulta Publica 734, que está provocando polêmica pela resistência das operadoras de telefonia a “libertar” seus clientes, foi prorrogada até 6 de novembro.
A portabilidade possibilita ao assinante da telefonia (fixa ou móvel) mudar de prestadora e manter o número do telefone. É um instrumento para incentivar a competição na telefonia. A Anatel espera que a mudança traga melhoria na qualidade dos serviços e no atendimento ao usuário, além de oferecer alternativas de escolha para o assinante.
Recente pesquisa do Gallup mostrou que cerca de 45% dos clientes das operadoras de telefonia celular são ativamente desengajados – jargão que, em português, é traduzível como extremamente insatisfeitos com as empresas. Esse número corresponde a 41 milhões de pessoas com “atitude antagônica” em relação à empresa e à marca.

Iiic
A Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) derrubou mais cinco vetos da governadora Rosinha Garotinho (PMDB) a projetos de lei. Um deles reduz a alíquota de ICMS para aguardente, de 18% para 17%.

Rede do bem
A Rede Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) e a LBV fizeram uma parceria para arrecadar alimentos não-perecíveis destinados à Campanha Natal Permanente de Jesus – O Pão Nosso de Cada Dia. A partir desta segunda-feira, todos os alunos da Faetec serão convidados a participar da arrecadação de alimentos em suas unidades de ensino.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFilhos da crise
Próximo artigoLição

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.

Exterior cauteloso pode prejudicar negócios locais

Índices futuros acionários em Nova Iorque operam em queda significante: temores relacionados a uma possível recessão nos EUA.

Marrocos quer se desenvolver como polo de tecnologia

Setor digital emprega 120 mil pessoas no país; país tem investido em acordos e memorandos para aumentar investimento na área.

Ipea prevê crescimento de 1,8% para o PIB em 2022

Setores de agropecuária e industrial devem mostrar relativa estabilidade; ´para 2023, a estimativa é de variação positiva de 1,3%.

Receita paga hoje restituições do segundo lote do IR

Estão sendo depositados R$ 6,3 bi a 4,25 milhões de contribuintes; já o prazo de entrega da declaração anual do MEI termina nesta quinta.