Risco zodiacal

A seguradora norte-americana All State divulgou um estudo relacionando riscos de acidentes de automóvel e os signos dos segurados. Quem é Virgem, Leão ou Touro deve, teoricamente, tomar mais cuidado. Já os nascidos (como gostam de falar os autores de horóscopo) em Escorpião podem quase dispensar o seguro: o risco para eles é quase um décimo dos que os dos que carregam o signo de Virgem.
Após repercussão negativa, a empresa  (que não é uma anã – US$ 32 bilhões de receita, US$ 16 bilhões de Patrimônio Líquido, dados de 2009) se desculpou, dizendo que era uma brincadeira e que não leva isto em conta nos cálculos dos seguros.

Ajuste
O presidente nacional da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, criticou duramente a afirmação do ex-presidente Lula, que chamou de “oportunista” a decisão das centrais sindicais de reivindicarem aumento real para o salário mínimo. Ele também rebateu a afirmação de que a reivindicação representaria quebra do acordo firmado com o governo: “Os trabalhadores brasileiros não querem mudança do acordo firmado, mas o ajuste aos efeitos da crise financeira global que continua a nos ameaçar a renda, os empregos e, principalmente, o mercado interno.”

Sem castas
Patah acrescentou que reajustar o mínimo a R$ 580 “será muito mais eficiente para distribuir renda e reforçar o mercado interno do que as medidas adotadas pelo Governo Lula ao abrir mão de bilhões de reais para liberar o compulsório para os bancos, que acabaram investindo em títulos do Tesouro, em vez de ajudar com crédito nossa economia. Da mesma forma, o governo investiu mais de R$ 230 bilhões, através do BNDES, para o financiamento de empresas, sem a contrapartida social”. “Queremos um Brasil da igualdade, sem privilégios para as castas dominantes, como parece ser a escolha deliberada do atual governo”, destacou.

Oportunismo&oportunidade
Depois de torrar R$ 195 bilhões com juros, apenas no último ano de seu governo, oportunismo deveria ser a última palavra que o ex-presidente Lula deveria usar para criticar a campanha das centrais sindicais para garantir aumento real ao mínimo. A não ser que as oportunidades do país estejam restritas aos rentistas.

Reconstruir
Uma grande variedade de serviços será oferecida no Feirão SOS Empresas, nesta quarta-feira, no Country Club de Nova Friburgo (RJ). Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Firjan, Sebrae/RJ, BNDES, BB, Bradesco, Itaú, Oi, Receita Federal e diversos outros órgãos e empresas vão orientar os empresários e empreendedores da Região Serrana na fase de reconstrução de suas atividades. O feirão, de 9h a 18h, será no Country Club.
Outra medida será a realização de uma rodada de negócios – no âmbito do programa Compra Rio – para estimular grandes empresas a adquirirem seus produtos na região. A primeira delas deverá ocorrer dentro de dois meses, em Nova Friburgo, e contará com a participação de Leader, Leroy Merlin e Vale, que vão negociar com pequenos fornecedores dos pólos metal-mecânico e de moda íntima da cidade.

Outras paragens
Pesquisa realizada com mil turistas estrangeiros que visitaram o Rio de Janeiro na virada do ano confirma que este tipo de visitante traz menos ganhos – pelo menos no curto prazo – para a cidade do que o turista que se hospeda em hotéis ou similares. O gasto médio diário de 85% dos visitantes que chegam em transatlânticos é inferior a US$ 120; apenas 5% gastam mais de US$ 190. Já pesquisas anteriores, feitas com turistas que não os de cruzeiro, mostram despesas bem superiores. No Carnaval de 2010, 57% dos estrangeiros gastaram, em média, mais de US$ 120, sendo que 13% superaram os US$ 180 diários. Em 2009, na virada do ano, 58% despenderam mais de US$ 130, com 3% gastando acima de US$ 290. A pesquisa foi realizada pelo site Consultoria em Turismo.

Caro
Um fato fica claro na pesquisa coordenada pelos professores Bayard Boiteux e Mauricio Werner: o Rio – melhor dizer o Brasil – está cada vez mais caro para o estrangeiro. No item “Pontos negativos”, em 2009 não era escolhida a opção “Preços altos”; no Carnaval de 2010, já apareciam as primeiras críticas aos elevados valores cobrados no Sambódromo. Na pesquisa do final de 2010, início de 2011, “Preços altos” foi a primeira opção para 45% dos entrevistados.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDefinições de Dilma
Próximo artigoDilma define seu lado

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Projetos de energias renováveis em substituição ao uso do diesel

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Eletrobras firmaram um Pacto de Energia para atuarem conjuntamente na busca de soluções...

Proposta atualiza regulamentação sobre as cooperativas de crédito

Texto em análise na Câmara dos Deputados promove uma série de modificações na Lei do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), abordando o Projeto...

Reforma administrativa abre caminho para terceirização

Mesmo mantendo a estabilidade e os direitos adquiridos dos servidores atuais, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/20, estabelece o critério de avaliação...

Fitch: ‘AAA (bra)’ à Proposta de Emissão de Debêntures da Localiza

A Localiza atua nas principais cidades e aeroportos do Brasil e também em diversos países da América Latina, como Argentina, Paraguai, Colômbia e Equador. Os...

CPI da Pandemia ainda tem muito a apurar

Na reta final dos trabalhos a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia teve uma quinta-feira agitada durante o depoimento do empresário Danilo Trento,...