Riscos para países que não têm reservas adequadas

Os riscos de médio prazo para a estabilidade financeira mundial e o crescimento permanecem elevados, analisa o Global Financial Stability Report (GFSR), do FMI. “Um aperto súbito e agudo das condições financeiras poderia trazer à tona uma série de vulnerabilidades acumuladas ao longo dos anos. Nas economias avançadas, as principais vulnerabilidades financeiras são os níveis elevados e crescentes de alavancagem no setor não financeiro, a deterioração contínua das normas de subscrição e avaliações exageradas de ativos em alguns mercados importantes.”

O total da dívida do setor não financeiro em mercados financeiros importantes cresceu de US$ 113 trilhões (mais de 200% do seu PIB combinado) em 2008 para US$ 167 trilhões (quase 250% do seu PIB combinado). “Os bancos aumentaram suas reservas de capital e liquidez desde a crise, mas ainda estão expostos por terem em suas carteiras empresas, famílias e devedores soberanos altamente endividados; por deterem ativos opacos e ilíquidos ou por recorrerem a financiamento em moeda estrangeira”, entrega o FMI.

O endividamento externo continuou aumentando na maioria das economias de mercados emergentes. “Isso gera problemas para os países que estão enfrentando riscos de financiamento externo e choques comerciais, mas que não detêm reservas adequadas nem dispõem de bases de investidores internos sólidas para amortecer o impacto de choques externos. Em vista desse ambiente externo desafiador, as autoridades nas economias de mercados emergentes devem se preparar para novas pressões para a saída de capitais.”

 

Dólar forte

Os indicadores desta semana devem confirmar que a inflação, inclusive o núcleo, segue acima da meta perseguida pelo Fed dos EUA. Os dados de empregos criados devem corroborar a percepção de dinamismo econômico. Ambos os dados reforçam a expectativa de alta dos juros, levando à continuidade do movimento de fortalecimento do dólar, analisa a Mapfre Investimentos.

Ao longo deste ano, a moeda norte-americana se valorizou 9,9% frente a uma cesta de moedas de seus parceiros comerciais. O dólar está em seu ponto de maior valorização dos últimos 16 anos.

É interessante observar que a paridade do dólar frente ao real vem apresentando comportamento inverso ao observado frente às demais moedas desde meados de setembro. A moeda brasileira apreciou-se 11,9% perante o dólar entre 13 de setembro e o final da semana passada. Neste mesmo período, as moedas dos parceiros comerciais dos EUA se depreciaram 1,9% frente ao dólar. Ou seja, a moeda brasileira apreciou-se quase 15% frente as moedas dos parceiros comerciais dos EUA em termos nominais. Cabe avaliar a partir de agora se as expectativas favoráveis para a economia brasileira justificam tal apreciação”, comenta a Mapfre.

 

Cheque em branco

Paulo Guedes começa a preencher o cheque em branco que parte dos eleitores deu a Bolsonaro. E a conta é alta. Reduzir as reservas em moeda forte é chamar a crise para o colo. Não demora, o presidente receberá um zap do colega argentino: “Yo soy tú mañana”

 

Rápidas

O Ibracon (Instituto dos Auditores Independentes do Brasil) patrocinará, pelo terceiro ano consecutivo, os Jogos Contábeis do curso Bacharelado em Ciências Contábeis do Centro Universitário Senac – Santo Amaro. A etapa final será realizada nesta quinta *** A Comissão de Direito e Liberdade Religiosa do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) promoverá o seminário “A cidadania religiosa num Estado laico”, nesta quarta-feira, das 14h às 17h, na Biblioteca Daniel Aarão Reis, no Centro do Rio. Inscrições: www.iabnacional.org.br/eventos *** Na próxima segunda-feira, a Shell Brasil promove mais uma edição da Feira de Negócios do Shell Iniciativa Jovem (IJ), no Museu do Amanhã, Rio de Janeiro. O evento reunirá 47 empreendedores do programa, que apresentarão os seus projetos *** A consultora Cris Guerra, do blog Hoje Vou Assim, inspirada no seu livro Moda intuitiva para vendedores, fará palestra na Fecomércio MG, dia 9. Inscrições: www.fecomerciomg.org.br/2018/10/palestra-moda-intuitiva-com-cris-guerra/ *** No dia 8, a partir das 9h, acontecerá o simpósio “Protestantismo, Escravidão e Abolicionismo”, na Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), no Campus Higienópolis, em São Paulo. Inscrições: simposiomackenzie.wixsite.com/abolicionismo

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Imposto maior sobre corporações poupa ricaços

Piketty calcula que tributação sobre grandes fortunas poderia render 10 vezes mais.

Governo quer reduzir indústria naval a desmonte de ferro-velho

Deputados cobram a utilização e a inovação do parque industrial instalado no Rio.

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Para oito em 10, pandemia afetou planos de carreira

Levantamento feito com mais de 5 mil pessoas mostra que 73% sentem que suas carreiras estão estagnadas ou avançando lentamente.

Emirados Árabes e Líbano compraram arroz do Brasil em março

Segundo associação do setor, os dois países estiveram entre os destinos internacionais do arroz brasileiro no mês passado.

Indústria tenta se recuperar no primeiro trimestre

Setor de bebidas se destacou no trimestre, com 53,8% de crescimento no período e 16,7% no acumulado de 12 meses.

China produzirá 3 bilhões de vacinas até fim do ano

Sinovac, que produz a Coronavac, promete entregar 2 milhões de doses.

Rio aumenta incentivo para cultura e esporte

Restituição do ICMS aumenta para 2% e 0,5% .
Monitor Mercantil