RJ terá receita extra de R$ 100 bilhões

Uma receita extra de R$ 100 bilhões nos próximos dez anos é o que prevê o governo do Estado do Rio de Janeiro com o novo Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que foi entregue na noite da desta terça-feira (26) ao Tesouro Nacional e apresentado à imprensa nesta quarta-feira. Para efeito de comparação, o estado deve fechar este ano com arrecadação de R$ 116 bilhões. Ou seja, trata-se de quase um ano extra de receitas no período previsto.

Segundo o secretário estadual de Fazenda, Nelson Rocha, o plano é composto de três pilares: desenvolvimento do estado, pagamento de parte da dívida com ativos e ajustes obrigatórios do RRF. “Sem desenvolvimento não haverá recuperação possível”, afirmou.

A duração do novo regime é de dez anos, sendo que haverá 30 anos para a dívida de R$ 172 bilhões ser paga. Em 2022 e 2023, R$ 6,9 bilhões serão quitados. O primeiro ano está isento de pagamento. No início deste mês, a Assembleia Legislativa (Alerj) aprovou um novo pacote de ajuste enviado pelo governador Cláudio Castro (PL) como exigência do plano de recuperação.

Essas medidas permitirão uma economia de R$ 4,5 bilhões em despesas ao longo de dez anos, segundo a Fazenda. Inicialmente, a ideia do governo era economizar R$ 10 bilhões, mas já sabendo que alguns pontos seriam rejeitados na Casa.

O pacote da Assembleia determina a adoção de um teto de gastos e mudanças na aposentadoria dos funcionários públicos. Com pelo menos 25 anos de serviço, as mulheres verão a idade mínima passar de 55 para 62 anos; os homens, de 60 para 65.

O alívio de caixa no âmbito dessas medidas obrigatórias aprovadas na Alerj será de R$ 4,5 bilhões em dez anos. Isso garantirá os salários em dia para o funcionalismo e ajudará na capacidade de investimento, segundo o governo.

É uma falácia dizer que não podemos investir porque estamos no regime. Nós precisamos investir porque estamos no regime”, disse o secretário de Casa Civil, Nicola Miccione.

Para alcançar o ambicioso aumento de arrecadação, o Estado aposta em medidas como o Pacto RJ, que prevê investimentos em infraestrutura; no espaço fiscal promovido pelo novo regime; na arrecadação de royalties e participações especiais; e em ganhos com fiscalização em participações especiais.

Já no caso do pagamento da dívida com ativos, a principal aposta é na securitização da dívida ativa, que deve resultar em R$ 44 bilhões.

É numa nova etapa do Rio. O Rio se coloca como referência para os demais estados que vão pleitear suas recuperações”, alegou Nelson Rocha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

SuperaRJ chega a R$ 200 milhões em recursos liberados pela AgeRio

Foram liberados cerca de R$ 57 milhões em recursos para MEIs, autônomos e informais.

Maricá ganhará parque industrial e Terminal de Ponta Negra

Iniciativa vai gerar desenvolvimento e oportunidades de emprego a partir do gás natural.

Últimas Notícias

Cresce mercado de investimento em ações da China

O investimento em ações na China apresentou crescimento este ano, uma vez que o volume de fundos levantados e o investimento registraram um crescimento...

CVM alerta: Atuação irregular de Business Bank BNI Investiments S.A

A Comissão de Valores Mobiliários está alertando ao mercado de capitais e ao público em geral sobre a atuação irregular de Business Bank BNI...

Usina TermoCamaçari ficará com a Unigel até 2030

A Petrobras, em continuidade ao comunicado divulgado em 11/05/2021, informa que, após a retomada das negociações com a Proquigel Química S.A., subsidiária da Unigel...

STF é questionado sobre inconstitucionalidade de privatizações

O coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, defendeu nesta segunda-feira, em audiência pública na Câmara dos Deputados, que o Supremo Tribunal...

Mais um Fiagro na listagem da B3

Ocorreu nesta segunda-feira o toque de campainha que marcou o início de negociação do terceiro Fiagro na B3, o JGP Crédito FI Agro Imobiliário. As...