Rodrigo Bacellar assume a presidência do União Brasil no RJ

Bacellar ganha autonomia para definir rumos do União Brasil no RJ; Copacabana contra Madonna e mais notas

348
Rodrigo Bacellar
Rodrigo Bacellar (foto Alerj)

O presidente da Alerj, deputado Rodrigo Bacellar, assumiu esta semana a presidência do partido União Brasil no Estado do Rio de Janeiro. Ele será o principal articulador político da legenda, definindo candidaturas e alianças políticas do partido para as eleições municipais deste ano. O presidente nacional do União, Antônio Rueda, deu ao parlamentar autonomia para definir os rumos do partido no estado.

Multa para fraude em vaquinha virtual

O deputado Rosenverg Reis (MDB) é o autor do projeto de lei que prevê multa administrativa de 20 mil Ufirs, cerca de R$ 90 mil, para pessoas que fraudarem campanhas de vaquinhas solidárias online criadas para financiar tratamentos de saúde no âmbito do Estado do Rio de Janeiro. O projeto tramita nas comissões da Alerj.

Jair Bittencourt
Deputado Jair Bittencourt (foto de Rafael Wallace, Alerj)

Homenagem à unidade de saúde

Por iniciativa do deputado Jair Bittencourt (PL), o Hospital São Vicente de Paulo, em Bom Jesus do Itabapoana, no Norte Fluminense, receberá a Medalha Tiradentes. O deputado também destinou R$ 600 mil em emenda parlamentar ao orçamento do estado para a unidade, considerada referência na região.

CPI da violência cibernética contra a mulher

Após nove meses de trabalho, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Violência Cibernética contra as Mulheres, da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), aprovou seu relatório final. O documento, com mais de 600 páginas, sugere, entre várias medidas, a atualização tecnológica das Delegacias de Atendimento à Mulher (Deam) e dos Núcleos de Atendimento à Mulher (Nuam), e a capacitação do efetivo policial destas unidades para os atendimentos às vítimas de violência cibernética.

Espaço Publicitáriocnseg

Copacabana não quer Madonna

A apresentação de Madonna no dia 4 de maio, na praia de Copacabana, com ingresso gratuito, está dividindo os moradores do conhecido bairro do Rio. A grosso modo, metade dos moradores é contra o show; outra metade é a favor. A Associação de Moradores de Copacabana não se posiciona, mas quer que o evento tenha reforço na segurança pública, para que não haja riscos para quem mora lá. Muitos usam como argumento o Baile da Favorita, em janeiro de 2020, que reuniu 300 mil pessoas na praia e teve tumulto, correria e roubo de celulares, carteiras e bolsas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui