Rota para jogar para escanteio a especulação

Chongqing, no sudoeste da China, não produz nenhum fertilizante de potássio, mas se tornará um centro de vendas do produto graças às rotas ferroviárias ligando a cidade à Europa. “No fim de março, o primeiro trem carregando 500 toneladas de fertilizantes de potássio produzido no Cazaquistão vai chegar a Chongqing no seu retorno da Alemanha”, disse administração da cidade à agência de notícias Xinhua. “A Iniciativa Cinturão e Rota cria muitas oportunidades para a cooperação econômica e comercial bilateral”, afirmou Zhang Jun, presidente da diretoria de uma empresa de potássio no Cazaquistão.

Desde 2013, a iniciativa cada vez mais influente tem impulsionado o comércio e investimento entre a China e os países ao longo das rotas e oferecido uma solução para as dificuldades econômicas globais. As importações e exportações combinadas da China com os países ao longo do Cinturão e Rota superaram 6,3 trilhões de iuanes (cerca de R$ 2,83 trilhões) em 2016, um aumento de 0,6% em relação a 2015, de acordo com o Ministério do Comércio da China. As empresas chinesas ajudaram a construir 56 zonas de cooperação econômica e comercial em 20 países ao longo das rotas com um investimento combinado superando US$ 18,5 bilhões, gerando quase US$ 1,1 bilhão em receita fiscal e 180 mil empregos nos países.

A Iniciativa Cinturão e Rota se tornou o produto público internacional mais popular e uma plataforma para a cooperação internacional com melhores perspectivas no mundo”, afirmou o ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi. “A Iniciativa se opõe ao protecionismo e isolacionismo de vistas estreitas”, disse Sergei Luzyanin, diretor do Instituto de Estudos do Extremo Oriente sob a Academia Russa de Ciências. “Somente tínhamos a opção ocidental europeia-americana de integração e desenvolvimento econômico nos anos 1990, agora há uma nova opção partindo da China.”

Marco Polo

A proposta chinesa faz sucesso na Europa. Mario Lettieri e Paolo Raimondi, economista de Roma, escrevem na Resenha Estratégica que “a Rota da Seda está no DNA da Itália. Não por acaso, foram italianos, em especial, Marco Polo e o padre jesuíta Matteo Ricci, que deram a conhecer a China a uma Europa que conjugava o localismo com as ambições colonialistas”. Recente missão empresarial italiana, comandada pelo presidente Sergio Mattarella, retornou com da China com um caderno de acordos econômicos superior a 5 bilhões de euros em diversos setores, do agroalimentício à exploração espacial, dos transportes às novas tecnologias, das pesquisas à cultura. “Tenha-se em mente que participar da implementação da Nova Rota da Seda significa estar envolvido em um extraordinário projeto histórico, com corredores de transportes, desenvolvimento e urbanização, que exigem a capacidade de se trabalhar em áreas complexas e de múltiplos propósitos. De fato, o projeto envolverá diretamente numerosos países que formam um vasto mercado, antecipando um forte crescimento da classe média, com pelo menos 3 bilhões de pessoas a mais, até 2050, e um aumento no comércio mundial da ordem de US$ 2,5 trilhões de dólares”, exultam os economistas romanos.

Cinturão e Rota trata-se da construção de uma impressionante variedade de infraestruturas, incluindo ferrovias, rodovias, portos e plataformas logísticas. Poderá integra-se com o projeto russo de infraestrutura, o Cinturão de Desenvolvimento Eurasiático, que liga a Europa com Moscou e daí até o estratégico porto de Vladivostok, no Oceano Pacífico. “Na verdade, a cidade russa de Kazan já está se tornando o hub de conexão central entre os dois corredores.” “Tais projetos de desenvolvimento intercontinentais exigem, evidentemente, grandes linhas de crédito e financiamentos consideráveis. Para isso, a China criou o Banco Asiático de Investimentos em Infraestrutura (AIIB), ao qual já aderiram a Itália e outros 50 países. Este banco será essencial para o financiamento necessário, mas espera-se que venha a tornar-se um promotor de novas formas de financiamento produtivo e não especulativo”, finalizam Lettieri e Raimondi.

Rápidas

A Philips anunciou a nomeação do chileno David Reveco Sotomayor como CEO para a América Latina, cargo que ocupará a partir de 1º de abril. Ele substituirá Henk de Jong, que assumiu a posição de diretor de Mercados Internacionais e membro do Comitê Executivo da multinacional *** Nesta terça-feira, a Fiesp realizará programação a fim de comemorar o Dia Mundial da Água (quarta-feira). Detalhes em www.fiesp.com.br/agenda/mudanca-do-clima-e-seguranca-hidrica-reflexos-e-impactos-para-a-sociedade/ *** O conselho formado pelos empresários Ricardo Amaral, Boni, Roberto Medina e o presidente da ACRio, Paulo Protasio para definir as políticas de turismo da cidade do Rio de Janeiro fará sua primeira reunião aberta nesta segunda-feira, na sede da Associação Comercial, às 16h. Informações: conselhosconf@acrj.org.br

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

MPEs veem oportunidades geradas pela crise

Principal mudança foi alocação de recursos para trabalhar e atender remoto, seguida por investimentos em tecnologia para vendas não presenciais.

Mudança de sinais

Terça começou tensa para os mercados de risco no mundo; hoje, a expectativa para o dia é de Bovespa seguindo em recuperação.

Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Eles são representantes da União no Conselho da empresa, petrolífera divulgou nota ontem à noite.

Biden quer estados priorizando vacinação de professores

Presidente americano pediu que educadores recebam pelo menos uma dose de vacina.

PEC fiscal e lockdown ficam no radar em dia de PIB

Em Nova Iorque, as pressões dos treasuries e a queda das companhias de tecnologia tiveram forte impacto nas Bolsas.