Roubo de caminhões e carretas cresceu 4,65% no semestre

Roubo de cargas teve alta de 7,61%; Cubatão, Cajamar, Itaquaquecetuba, Osasco e São Bernardo do Campo subiram no ranking.

O Estado de São Paulo registrou 2.338 ocorrências de roubo ou furto de caminhões, caminhões-trator, reboques e semirreboques, nos seis primeiros meses de 2021. Uma alta de 2,19% em relação ao primeiro semestre do ano passado. Foram 1937 roubos (alta de 4,65%) e 401 furtos (queda de 8,24%). Os dados acabam de ser publicados no Boletim Econômico Tracker – Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), a partir da análise dos boletins de ocorrência registrados pela Secretaria de Segurança Pública.

O estudo analisou os quatro tipos de veículos separadamente. A quantidade de roubos e furtos de reboques, até junho de 2021 (154 ocorrências), já se aproxima do patamar dos acumulados de 2019 (212 registros) e do ano passado (189 ocorrências). E a quantidade de roubos de caminhões, nos seis meses de 2021, já representa 53,97% do registrado em todo ano de 2020.

“Durante a pandemia, o trânsito de automóveis reduziu consideravelmente nas grandes cidades. Em contrapartida, caminhões, utilitários e motos ganharam mais destaque, à medida em que os brasileiros aumentaram a demanda de compras online e por aplicativos de delivery. Além disso, o setor de Agronegócio foi um dos poucos que se manteve aquecido frente à crise sanitária, com a utilização predominante do transporte rodoviário. Esses fatores combinados resultaram em uma maior exposição de veículos pesados, cargas e utilitários, rodando dentro e fora das cidades, e fatalmente despertando a atenção e o interesse de criminosos”, analisa o diretor comercial do Grupo Tracker, Rodrigo Abbud.

Para o coordenador do estudo e professor do Departamento de Pesquisas em Economia do Crime da Fecap, Erivaldo Costa Vieira, a retomada econômica do setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correios contribuiu para esse aumento.

“Em junho de 2021, o número de roubos e furtos a caminhões e reboques teve alta de 7,22%, na comparação com junho de 2020. No mesmo período, o setor cresceu 25,1%. Analisando o ano de 2020, os roubos e furtos a caminhões e reboques sofreram uma diminuição das ocorrências de 23,57%, quando comparado a 2019. No acumulado do ano passado, o setor de transportes registrou recuo de 9,3%, no estado de São Paulo, de acordo com dados do IBGE”.

Os municípios de Cubatão, Cajamar, Itaquaquecetuba, Osasco, São Bernardo do Campo e Embu das Artes subiram no ranking e se destacam negativamente em 2021 entre as mais visadas pelos criminosos para roubo. O topo da lista continua ocupado por São Paulo, Guarulhos e Jundiaí. “Em Cajamar, em todo o ano de 2020 foram registrados 33 boletins, enquanto em apenas seis meses deste ano, já são 72 ocorrências. Uma das hipóteses para esse aumento substancial de roubos é o fato de o município atrair cada vez mais centros de distribuição para a região, com incentivo fiscal e por ter acesso privilegiado pela Rodovia Anhanguera e Rodoanel” afirma o coordenador do Comando de Operações do Grupo Tracker, Vitor Correa.

São Paulo, Campinas e Guarulhos lideram o ranking dos municípios com mais furtos de caminhões e reboques. Subiram de posição Ribeirão Preto, Osasco, São Carlos, Jaguariúna e Valinhos. Já na capital, os bairros com maior número de boletins registrados, em 2021, foram: São Domingos (29); Vila Maria (21); Jaraguá (17); Vila Leopoldina (17) e Jaguará (16). Já as maiores incidências de furtos, no primeiro semestre deste ano, foram: Anhanguera, Sapopemba, Freguesia do Ó, Grajaú e Rio Pequeno.

O roubo de cargas nos seis primeiros meses de 2021 cresceu 7,61% em relação ao primeiro semestre do ano anterior. Só no mês de junho foram 493 ocorrências, um aumento significativo de 19,65% em relação a junho de 2020.

Segundo o Grupo Tracker, os bandidos dão preferência para produtos alimentícios, combustíveis, têxteis, eletrônicos, bebidas, cigarros, defensivos agrícolas e itens farmacêuticos. Estima-se que uma carga roubada seja vendida por “meia nota”, ou seja, 50% do valor total da nota fiscal da mercadoria em questão. Os delitos geralmente são praticados pela manhã, momento em que os veículos de carga saem dos embarcadores totalmente carregados. As quadrilhas especializadas mantêm o motorista em cárcere privado até que seus objetivos sejam concluídos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Contração seguida do PIB configura recessão técnica

A quinta-feira foi marcada pela repercussão dos dados divulgados sobre o Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos...

Ministro ‘terrivelmente evangélico’ já tem opositores

O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu nesta quinta-feira que a posse de André Mendonça será no dia 16 de dezembro, às 16 horas. A...

Parlamento gaúcho na luta contra liquidação da Ceitec

TCU suspendeu em setembro a desestatização da única estatal que fabrica semicondutores na AL.

Últimas Notícias

Contração seguida do PIB configura recessão técnica

A quinta-feira foi marcada pela repercussão dos dados divulgados sobre o Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos...

Renova Energia fecha negócio da Brasil PCH

A Renova Energia, em recuperação judicial, concluiu nesta quinta-feira a venda de sua posição majoritária na Brasil PCH, sociedade que reúne 13 usinas de...

ANP aprova novas regras para firmas inspetoras de combustíveis

A Diretoria da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou nesta quinta-feira (02) a resolução que revisa os requisitos necessários para...

Dia de alta para Petrobras e Braskem

A quinta-feira foi um dia de propensão a risco. “Tivemos uma alta bastante expressiva de alguns papéis na bolsa como Petrobras e Braskem. A...

B3 faz leilão do Fundo de Investimentos da Amazônia

Dia 16 de dezembro, a B3 realizará o leilão de valores mobiliários integrantes da carteira de ações do Fundo de Investimentos da Amazônia (Finam),...