Roupa suja

A solenidade de início de operação da usina termelétrica Eletrobolt (RJ), ontem no Palácio Guanabara, surpreendeu pela forma como as autoridades falaram sobre os problemas do mercado de energia. O diretor de energia da Petrobras, Delcídio do Amaral Gomez, provocou o presidente do Operador Nacional do Sistema (ONS), Mário Santos, ao cobrar a regulamentação de medidas que não deixem o sistema de geração de energia privada “morrer na xerox (burocracia)”. Mário Santos não se fez de rogado e respondeu, não sem antes lembrar a longa amizade entre ele e o diretor da Petrobras: “Ele (Delcídio) sabe o que penso e nem sempre se pode falar tudo que se pensa”. Hoje, na reunião do ministério do apagão, Santos espera resolver o problema que aflige Delcídio e a empresa controladora da Eletrobolt, a norte-americana Enron. Assistindo a toda a discussão, o governador do Rio, Anthony Garotinho.

Viúva
Especialistas do setor de energia, céticos, desconfiam que a conta da venda da produção das termelétricas privadas do tipo mercantil – que não opera com comprador firme – vai acabar com o governo federal. Ou seja, no final, a conta ficará com o contribuinte-consumidor.

Paraíso nacional
O contrabando e/ou a importação ilegal no Brasil somam cerca de US$ 20 bilhões ao ano, causando perda de arrecadação de impostos da ordem de US$ 9,6 bilhões ao ano. A estimativa é do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco), que apresenta, hoje, em audiência pública, na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados, ia 25 (terça-feira), dossiê preparado a partir das denúncias da imprensa. O presidente do Unafisco, Paulo Gil Introíni, salienta que essa atividade ilegal agrava o desemprego no país.
Paraíso nacional II
Introíni promete divulgar documento, entregue semana passada ao secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, com propostas de reformulação do atual sistema de controle aduaneiro e de combate ao contrabando e ao descaminho. Uma das principais proposta do Unafisco é a revisão da Instrução Normativa 111/98, que, segundo a entidade, na prática impossibilita que os fiscais controlem a carga que passa pelos portos, pois a maioria das mercadorias é liberada automaticamente pelo Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex), sem a fiscalização ter qualquer contato com a carga ou checar sua documentação. A mesma IN permite que a documentação das cargas fiscalizadas seja devolvida aos importadores após o desembaraço aduaneiro, inviabilizando qualquer verificação posterior.

Linha de passe
Uma historiografia do futebol no Brasil e suas implicações na vida social do país, como o racismo nos anos 20 e a derrota do Brasil para a França na final da Copa do Mundo de 1998. Esses são os temas do livro A invenção do país do futebol: mídia, raça e idolatria (Maud), que será lançado hoje, às 19h, na Livraria Marcabru, no Gávea Trade Center. Escrito a seis mãos pelos professores Ronaldo Helal, Antonio Jorge Soares e Hugo Lovisolo, a obra trata desde da análise de textos de Graciliano Ramos, Mário Filho e Eduardo Galeano ao estudo do papel do jornalismo e da mídia na construção das imagens dos heróis dos gramados. Em tempo de desconstrução, não acadêmica, do futebol, o livro ganha em atualidade.

A calhar
Mais do que um presente de aniversário, a repentina de convocação de Ronaldinho para a seleção brasileira foi uma mão na roda para o atacante da Internazionale resolver importante problema contratual com a Nike. Como mostram documentos revelados pela CPI da Nike, para o contrato assinado com a multinacional norte-americana continuar vitalício, o jogador brasileiro não pode ficar mais de dois anos sem ser convocado para a seleção, também patrocinado pela Nike. Como o último jogo de Ronaldinho pela seleção da CBF foi em outubro de 1999, pode-se dizer que a salvação veio aos 44 minutos do segundo tempo.

Bola de cristal aposentada
O empresário Jorge Gerdau Johannpeter admitiu que, em apenas seis meses, errou seis vezes  em suas projeções sobre a variação cambial. Segundo confessou, no início do ano, previu que o dólar subiria entre 6% e 8% até dezembro. No acumulado desde janeiro, a disparada da moeda norte-americana chegou a superar os 40%, antes da queda de ontem. Pelo sim, pelo não, o presidente do Grupo Gerdau diz agora preferir não arriscar novos cálculos. Resta a abdicação da quiromancia ser seguida pelos babalorixás do mercado e da equipe econômica.

Artigo anteriorExportador
Próximo artigoPelo ralo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

‘Eu quero uma casa no campo…’

Êxodo urbano: mais de 1,3 milhão de famílias brasileiras pretendem migrar para áreas rurais.

Direita vence no Equador

Banqueiro Guillermo Lasso vence socialista Andrés Arauz no segundo turno da eleição.

Mercados internacionais abrem com cautela

Enquanto isso acontece lá fora, aqui Ibovespa ensaia leve alta.

Semana começando sob tensão

Desde a semana passada, segue a novela do Orçamento.

Eleição no Peru está indefinida. Empate técnico entre 5 candidatos

Primeiro turno será no domingo. segundo turno está previsto para o dia 6 de junho.