S/A

A transformação de universidades em empresas de capital aberto pode radicalizar o processo de mercantilização do ensino, mas abre, digamos, um novo nicho para esse tipo de empreendimento. Umas principais representantes desse novo paradigma universitário, por exemplo, negocia com a Financiadora de Estudo e Projetos (Finep) um financiamento para criar cursos de pós-graduação. Graças à exigência da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, que determina que, ao menos, dois terços dos docentes das universidades tenha mestrado ou doutorado, essa universidade pode ostentar a condição de uma das empresas do Brasil com maior número de doutores e mestres.

Pós-esculhambação?
Se o entendimento resultar na adesão desses estabelecimento$ ao campo da pesquisa acadêmica, a iniciativa deve ser saudada como positiva. No entanto, se o movimento redundar na reprodução na pós-graduação do mesmo tipo de seleção praticada na graduação, estaremos a poucos centímetros do rebaixamento do ensino stricto sensu. E, como revela a ausência de medidas práticas diante dos pavorosos resultados do Provão na graduação, a, até aqui, séria fiscalização da Capes estará sob permanente pressão para flexibilizar seus critérios de avaliação.

2+6+7+2+2+2+6
Para desejar feliz Dia dos Namorados no dia 12, basta digitar no celular 3+3+5+4+9 3+4+2 3+6+7 6+2+6+6+7+2+3+6+7 e enviar uma mensagem SMS, o popular torpedo. A agilidade e o romantismo são possíveis graças ao T9, um software de texto que auxilia na digitação. A ferramenta está disponível em mais de 75% dos celulares no mundo e quem utiliza o T9 para escrever SMS aumenta em média 103% o envio de mensagens, informa a empresa que criou o software.

Parceria
Os hospitais Pró-Cardíaco e o Albert Einstein unem sua experiência no Rio de Janeiro e São Paulo e realizam um simpósio sobre resultados assistenciais e inovação tecnológica, que ocorrerá no 25º Congresso da Socerj. No evento, especialistas das duas instituições debaterão seus resultados clínicos e assistenciais na área cardiovascular comparáveis a centros de excelência internacionais, além da importância do investimento em inovações como as pesquisas com células-tronco na cardiologia. O encontro acontecerá nesta sexta, no auditório A do Rio Cidade Nova Convention Center, das 12h30 às 14h.

Cidadania na rede
O Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) lança, na sua página na Internet – www.inesc.org.br – o Jogo da Cidadania. Trata-se de um game virtual que busca familiarizar crianças e jovens com as noções de orçamento e  distribuição de recursos públicos, ao ensinar como lidar com os problemas de uma cidade. O produto foi desenvolvido por parceria com a Kinder Not Hilfe (KNH).

Finanças
Sistema Financeiro e Bancário – Teoria e Questões (Campus-Elsevier) é o livro que Carlos Arthur Newlands Jr. lança no próximo dia 18, às 18h, na Caixa Cultural (Av. Almirante Barroso, 25, sobreloja – Centro – RJ).

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Artigo anteriorBoa notícia
Próximo artigoMulta mantida
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.