Sabor das ruas do Brasil traz nova experiência a convidados chineses

Feijão fradinho e azeite de dendê, com recheio de vatapá e caruru, uma mordida, camadas ricas, terno e suculento, é a comida tradicional do Brasil acarajé.

Capa do documentário “O Sabor das Ruas do Brasil”. (Xinhua)

Xinhua - Silk Road

 

Beijing, 18 jan (Xinhua) – Feijão fradinho e azeite de dendê, com recheio de vatapá e caruru, uma mordida, camadas ricas, terno e suculento, é a comida tradicional do Brasil acarajé.

Recentemente, o documentário “O Sabor das Ruas do Brasil”, filmado pelo diretor brasileiro Tiago Arakilian, promovido e distribuído pela Embaixada do Brasil na China, foi lançado em várias plataformas online na China. O documentário apresenta dez comidas típicas das ruas brasileiras, explorando a diversidade e sabores integrados no Brasil, sendo bem recebido pelos internautas chineses.

A fim de permitir que os convidados chineses degustassem a autêntica comida brasileira, na noite de 14 de janeiro, a Embaixada do Brasil na China, em conjunto com a plataforma da cultura de catering “the Hutong”, realizou um encontro offline de compartilhamento das iguarias apresentadas no documentário nos Hutongs (um tipo de ruela muito comum nas cidades no norte da China) em Beijing.

Paula Garcia, chefe brasileira do evento, mora na China há mais de três anos. Ela apontou que chineses e brasileiros têm muito em comum na alimentação. A gente tem o hábito de sentar na mesa e colocar todos os pratos no meio para as pessoas se servirem.

“A melhor forma de você conhecer uma cultura é por meia da comida,” disse Paula, “Eu gosto de provar os pratos típicos. No Brasil, a comida chinesa que a gente tem é bem diferente do que a gente encontra aqui. Por exemplo, eu não imaginava que você tinha tanto os pratos diferentes usando a berinjela, que eu gosto demais.”

“Às vezes o mesmo ingrediente que você tem no Brasil, aqui na China se usa de uma maneira completamente diferente, que você nunca parou para pensar”, adicionou Paula.

Acarajé, pastel, coxinha, baião-de-dois e crepes de tapioca, foram cinco pratos servidos na festa. Entre eles, o pastel é considerado uma comida que vem da China.

“Há algumas semelhanças entre a culinária chinesa e brasileira”, disse Larissa Costa, diretora do Escritório Cultural da Embaixada do Brasil em Beijing. Ela observou que os chineses e brasileiros amam comida picante, costumam comer frango e porco, feijão e arroz, e a gente pode encontrar comidas fritas semelhante nas ruas dos dois países. “Gostaríamos de aproveitar esta oportunidade para trazer um pouquinho mais do calor do Brasil para este inverno chinês”, acrescentou.

Os convidados que vieram para experimentar a culinária brasileira ficaram entusiasmados com os pratos da noite. “Acho que pastel e coxinha são meus favoritos”, disse Li Huifen, convidado que provou comida brasileira pela primeira vez, “Eu só sabia do carnaval sobre o Brasil, mas depois de provar os petiscos brasileiros hoje, senti que combinavam com os gostos chineses, minha impressão do Brasil ficou mais tridimensional.”

Paulo Estivallet de Mesquita, embaixador brasileiro em Beijing, também participou da festa. “O Brasil e a China são dois países que são muito distantes geograficamente mas têm influências comuns. O Brasil se tornou o maior fornecedor de alimentos da China e queremos que o povo dos dois países tenham a oportunidade de experimentar essa diversidade, essa história diferente, essa cultura diferente, e a gastronomia é uma parte muito importante da cultura”, disse.

Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal e a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais do Brasil, as exportações brasileiras de carne suína atingirão 1,13 milhão de toneladas em 2021, sendo que quase a metade foi exportada para a China. A China importou um total de 950.000 toneladas de carne bovina do Brasil, tornando-se o seu maior comprador. As exportações de soja do Brasil atingiram 86,83 milhões de toneladas, um recorde. Destes, cerca de 60 milhões de toneladas foram vendidas para a China. Fim

 

Os convidados aproveitam a festa, realizada em Beijing, capital da China, em 14 de janeiro de 2022. (Xinhua/Zhou Yongsui)

Leia também:

Segunda “loja verde” da Starbucks na China entra em operação

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Banco central da China injeta liquidez via recompra reversa

O Banco Central da China injetou na sexta-feira 10 bilhões de yuans (cerca de 1,48 bilhões de dólares) de recompra reversa, visando manter a liquidez do sistema bancário.

Representante chinês pede coordenação e estabilidade sobre alimentação

Um representante chinês pediu na quinta-feira para que a comunidade internacional trabalhe em conjunto, no objetivo de estabilizar o mercado global de alimentos, garantir suprimentos diversos de alimentos e facilitar globalmente o comércio agrícola.

Envios de celulares na China alcançam 69,35 milhões de unidades no Q1

As remessas de telefones celulares da China tiveram uma queda anual de 29,2%, chegando cerca de 69,35 milhões de unidades no primeiro trimestre deste ano, de acordo com um relatório da Academia Chinesa de Tecnologia da Informação e Comunicações (CAICT, sigla em inglês).

Últimas Notícias

Alta do preço do aço puxa queda no setor de construção

Redução da Tarifa de Importação do Vergalhão do Aço causou discussão no setor.

Três perguntas: NFTs de coleção

Por Jorge Priori.

Por que mexer no ICMS e manter dividendos elevados?

Acionistas ganham em dividendos tanto quanto toda a população perderia com corte no imposto.

Rio, petróleo e prosperidade

Por Ranulfo Vidigal.