34.6 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Saco sem fundo

A soma de sonegação, evasão, elisão, brechas legais e fraudes provocaram um buraco de R$ 32 bilhões na receita do INSS no primeiro ano do governo Lula, segundo a Associação Nacional dos Servidores da Previdência (Anasps). A previsão da Anasps é que este rombo chegue a R$ 36 bilhões em 2004, equivalente a 40% da receita de R$ 90 bilhões do instituto. O presidente da Anasps, Alexandre Barreto Lisboa, critica o governo petista por não cobrar dívidas, não capitalizar o INSS, “estimular e apurar o calote”, através do Refis.

Biografia
A manutenção da política econômica de Palocci ameaça fazer Lula entrar para a história pela porta dos fundos como condutor do crescimento mais medíocre imposto ao Brasil. Se entre os anos 50 e 80, a média do crescimento nacional foi de 7% ao ano – equivalente a um Japão por ano – na década perdida de 80 a média desabou para 2,1%, para recuar ainda mais, para 2%, na década desperdiçada de 90. Com queda de 0,2% no PIB no seu primeiro ano de governo e promessa de crescimento medíocre para o restante de seu mandato, Lula caminha para fazer um governo mais medíocre que a soma dos de FH e Collor, caso não mude sua política econômica.

Rio gosta do Lessa
No próximo dia 24, às 19h, o presidente do BNDES, Carlos Lessa, recebe no Plenário Barbosa Lima Sobrinho, da Assembléia Legislativa do Rio, a Medalha Pedro Ernesto. Autor da proposta, o deputado André Corrêa (PPS-RJ) justificou a homenagem como um reconhecimento “aos relevantes serviços prestados aos país, à experiência administrativa e ao elevadíssimo nível cultural” de Lessa, além dos “novos e promissores rumos” que vem dando ao BNDES.

Dores do parto
A adoção de uma política externa mais afirmativa, em contraste com o alinhamento automático tucano com os interesses dos Estados Unidos causa engulhos em setores do Itamaraty. A carta enviada ao secretário-geral, Samuel Pinheiro Guimarães, pelo embaixador Luiz Antonio Jardim Gagliardi,  na qual refere-se em termos muito pouco diplomáticos a Guimarães e ao chanceler Celso Amorim para justificar a antecipação de seu pedido de aposentadoria voluntária, revela como a aceitação de certas mudanças é dolorosa para os que vêem no papel desempenhado até então pela política externa nacional um fatalismo histórico.

Fila
Tema do momento, a obtenção de emprego é o mote do curso Marketing Pessoal – Desenvolvendo Empregabilidade, da Associação e o Sindicato dos Bancos do Rio de Janeiro – que poderiam começar em casa, aumentando o número de bancários ao invés de inflarem as agências com caixas eletrônicos. O curso começa nesta segunda-feira e termina na quinta, de 18h30 a 21h30. Inscrições pelos telefones (21) 2253-1538 e 2203-2188 ou e-mail ozanete@aberj.com.br

Nota zero
Os professores e os funcionários administrativos da Universidade Candido Mendes entram em greve nesta segunda-feira. A paralisação, que atinge os campus do Centro e de Ipanema, se estende até quarta-feira, quando nova assembléia vai deliberar os rumos do movimento. Com um passivo trabalhista que soma R$ 8 milhões, entre salários não pagos, reajustes legais não obedecidos e não depósito de FGTS, entre outras obrigações, a universidade propos um redutor salarial e parcelar o pagamento dos atrasados em 20 vezes. Professores e funcionários administrativos resolveram, então, entrar em greve.

Economia
A Nova Dutra, concessionária da Rodovia Rio-São Paulo, deixou de recolher cerca de R$ 230 mil, referente ao ISS de janeiro, por conta de uma disputa política na cidade fluminense de Itatiaia. Segundo a prefeitura, a Lei Complementar Federal 116/03 possibilita a cobrança do imposto em cada município em cujo o território haja extensão de ferrovia, rodovia, postes, cabos, dutos e condutos de qualquer natureza, objetos de locação, sublocação, arrendamento, direito de passagem ou permissão de uso, compartilhado ou não. No Rio, a lei atingiria Telemar, Furnas, Cerj, Light, MRS e outras. Itatiaia não consegue arrecadar o imposto porque a Câmara de Vereadores não aprovou o Projeto de Lei 241/03. A estimativa é que a cidade deixe de recolher ao seu cofre R$ 8 milhões este ano. As empresas que seriam atingidas não se queixaram da morosidade do Legislativo municipal.

Artigo anteriorPopular
Próximo artigoSem monopólio
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.