Saída para crise cambial é fechamento do câmbio

Com os Estados Unidos jogando a crise econômica mundial no colo dos outros, reagir mantendo os negócios de sempre é deixar a ideologia xiita suplantar o pragmatismo. A menos que o objetivo seja garantir o lucro astronômico da mesma casta de sempre, a equipe econômica precisa mudar o rumo – ou dar espaço para os mais experientes e competentes. Não se trata de impedir perdas daqueles que estão nas bolsas ou no mercado cambial, mas de garantir tranquilidade à economia do país.

O economista e jornalista José Carlos de Assis afirma que a única medida razoável que pode ser adotada em face da crise cambial é o fechamento do câmbio. “Nenhum dólar das reservas, por nenhuma razão, deve sair do país enquanto a crise durar. É o meio de assegurar que, nas próximas semanas e meses, o país não fique sem dinheiro para financiar investimento, tecnologias e outros ativos reais.”

Uma crise que transforma bilhões de investimentos em cinzas, em questão de horas e de dias, será superada com a reforma tributária, a reforma administrativa, o pacto federativo e não sei quantas mais outras reformas?”, questiona Assis. “Hipócrita. Como pode dizer que essas reformas, todas inviáveis a curto prazo e inúteis a longo prazo, podem dar alguma contribuição, mínima que seja, ao enfrentamento da atual crise?”

Assis acrescenta que é “inadequado atribuir ao coronavírus a tragédia em que estamos mergulhados. Ele apenas agrava a situação. A razão fundamental, no Brasil, é uma das políticas econômicas mais estúpidas jamais tentadas na história do capitalismo, inclusive no Chile do Pinochet. Este resguardou para o governo algumas estatais estratégicas do cobre, que reforçaram o orçamento público, enquanto aqui queremos liquidar com as empresas públicas estratégicas, como Petrobras, Eletrobras e outras 15, todas essenciais para o desenvolvimento”.

 

Visão técnica

O país de 200 milhões de técnicos de futebol tem agora outro tanto de especialistas em infecção dando palpites. A coluna recorreu à Sociedade Brasileira de Infectologia para ter informação confiável. Segundo a entidade, a capacidade de contágio, que é o número médio de “contagiados” por cada pessoa doente, do coronavírus é de 2,74, ou seja, uma pessoa doente com Covid-19 transmite o vírus, em média, a outras 2,74 pessoas. “Comparativamente, na pandemia de influenza H1N1 em 2009, esta taxa foi de 1,5, e no sarampo é em torno de 15”, informa a Sociedade.

Um ponto interessante é a opinião dos especialistas sobre uma medida que tem se alastrado, o fechamento de escolas e faculdades. “Neste momento da epidemia no Brasil não está recomendado fechar escolas ou faculdades ou escritórios. O fechamento de escolas pode levar a várias famílias a terem que deixar seus filhos com seus avós, pois seus pais trabalham. Nas crianças, a Covid-19 tem se apresentado de forma leve e a letalidade é próximo a zero; já no idoso, a letalidade aumenta muito. No idoso com mais de 80 anos e comorbidades, a letalidade é em torno de 15%.”

Neste momento, fechar os estabelecimentos de ensino pode significar alastrar a doença entre os mais vulneráveis, os idosos.

 

Sem força

Há gente da oposição que lamenta o cancelamento dos atos pró-governo do dia 15. Acreditam que as manifestações mostrariam a real força de Bolsonaro – e que, a julgar pelo movimento de abortar os atos usando como desculpa o coronavírus, estava mais para fraqueza.

 

Rápidas

Vinte artistas brasileiros aceitaram o desafio de apresentar através da arte uma visão sobre o Alzheimer. O resultado dessa iniciativa poderá ser vista em exposição na Casa da Ciência da UFRJ, que vai até 31 de maio, patrocinada pela Rede D’Or São Luiz e idealizada pelo coletivo ArtBio *** Domingo, das 12h às 18h, tem feira de produtos cultivados sem agrotóxicos no Caxias Shopping *** Sábado tem campanha de adoção de animais no Carioca Shopping, parceria com o projeto Entre Pegadas, das 15h às 19h *** Cláudia Chueri Kodja, doutora em História Econômica da USP, estará na próxima segunda-feira, a partir das 10h, na Confederação Nacional do Comércio no Rio de Janeiro, a convite do Consulado Geral do Líbano, para discutir as “Alternativas para crise econômica global”.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

Mortes dos essenciais

Aumentam em mais de 50% óbitos de caixas, frentistas e educadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Eleição no Peru está indefinida. Empate técnico entre 5 candidatos

Primeiro turno será no domingo. segundo turno está previsto para o dia 6 de junho.

Equador: Não haverá contagem rápida no domingo de eleições

Arauz, candidato do ex-presidente Rafael Correa lidera as pesquisas com 37% das intenções de voto contra 30% do candidato do Aliança Creo, o banqueiro Guillermo Lasso.

Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação

Segundo FGV, fato reflete avanço das campanhas de vacinação contra a Covid.

Brasil movimentou R$ 2 tri em transações com cartões em 2020

Transações digitais foram impulsionadas por modernização do mercado e pandemia.

IPCA de março variou abaixo da expectativa do mercado

Nossa projeção para o ano que vem permanece de 6,5%, podendo ser antecipada para este ano.