Saída para desabastecimento tem que ser importação?

Petróleo segue o caminho do minério de ferro.

Apesar de ser autossuficiente no setor, com uma produção de petróleo e gás natural do Pré-sal, em setembro de 2,85 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d) – representando 74,10% do total nacional (3,84 milhões de boe/d) – o maior registro histórico mensal, tanto em termos absolutos quanto em percentual de participação na produção total do país.

Esses números não são suficientes para impedir que o Brasil se transforme em grande importador de combustíveis para evitar o desabastecimento, possibilidade endossada pela própria Petrobras, quando admitiu que não conseguirá atender todos os pedidos de gasolina e diesel recebidos para o próximo mês. Cerca de 80% do consumo interno de derivados é abastecido por refinarias domésticas, quase todas pertencentes à Petrobras, e os demais 20% são resolvidos com importação.

Países árabes como Arábia Saudita, Argélia e Iraque estão entre os fornecedores de produtos petrolíferos ao Brasil. A própria Petrobras informou nesta semana que a demanda adicional de derivados poderá ser absorvida por empresas importadoras.

Segundo o relatório de produção e vendas da Petrobras do 3º Trimestre de 2021, divulgado na quarta-feira, o crescimento nas vendas de derivados para o mercado interno aconteceu no mesmo momento em que houve significativo aumento no volume de importações, que cresceram na ordem de 116,1% (de 192 mil bpd no 3T20 para 415 mil bpd no 3T21), sobretudo em virtude das importações extraordinárias de Diesel e Gasolina. Só nesses dois combustíveis, o aumento nas importações foi da ordem de 548,1%, no caso do Diesel, e nada menos que 950,0% no caso da Gasolina. Segundo a Petrobras, esse aumento das importações ocorreu em função ao aumento das vendas no mercado doméstico.

“Vai haver aumento na importação”, disse a Agência de Notícias Brasil-Árabe (Anba) o diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Pedro Rodrigues. Há resistência do mercado a essa opção, porém, já que os preços de combustíveis em outros países estão acima dos patamares praticados no Brasil pela Petrobras.

A venda de ativos ligados diretamente a refino está levando a produção de petróleo ao mesmo destino do setor siderúrgico, onde o Brasil é o maior produtor de minério de ferro mas importa toda a necessidade de aços nobres. A falta de investimento em mais refinarias levará o país a virar grande produtor de petróleo e grande importador de combustível para consumo interno.

Leia também:

Novembro complicado: greve de caminhoneiros e desabastecimento

1 COMENTÁRIO

  1. A urgência deve ser reduzir o uso de combustéveis fósseis para fazer face ao aquecimento global, portanto a prioridade deve ser reduzir o consumo de combustíveis fósseis

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Anatel recebe cerca de 1 milhão de queixas

Reclamações foram contra serviços de telefonia, internet e TV.

Ação civil para incluir fonte solar em leilão de energia

Associação do setor fala em 'tratamento isonômico para empreendimentos fotovoltaicos participarem de leilões do Governo Federal.'

‘Política do calendário eleitoral reduz preço da gasolina’

Combustível recuou quase 10%; para Deyvid Bacelar, Bolsonaro tirou do preço o ICMS, que ia para escolas, hospitais... mas não mexeu no PPI'.

Últimas Notícias

Nubank: resultado do 2T22 e a perspectiva de recuperação das ações

Destaque para captação de clientes, mas risco de inadimplência é alto.

Rio CVB: Receita do Rock in Rio acima de US$ 158 milhões

Evento deve gerar pagamento de US$ 7,9 milhões em impostos à cidade.

Anatel recebe cerca de 1 milhão de queixas

Reclamações foram contra serviços de telefonia, internet e TV.

Europa admite 2 pesos na crise na Ucrânia e em Gaza

Cinismo típico da mentalidade colonial

Ação civil para incluir fonte solar em leilão de energia

Associação do setor fala em 'tratamento isonômico para empreendimentos fotovoltaicos participarem de leilões do Governo Federal.'