Salário (dos policiais): uma bomba-relógio

Por Dirceu Cardoso Gonçalves.

A Polícia Militar de São Paulo, o mais rico dos estados, paga o 26º menor salário entre as congêneres das 27 unidades federadas. Esse é o resultado de pelo menos 10 anos sem reajuste algum e, muitos deles, até sem a reposição inflacionária, exigida por lei.

Há vários governos – desnecessário nominar quais – onde os executores da política salarial para a corporação criaram artifícios e variáveis que só remuneram pontualmente os policiais da ativa e não incorporam essa remuneração para fins de aposentadoria e pensão. É um flagrante desrespeito à legislação que, pela especificidade da área, determina salários iguais para ativos e inativos. Esse procedimento de penduricalhos quebra a necessária unidade da tropa, separando-a perniciosamente. É uma divisão maléfica aos objetivos corporativos e não pode prevalecer.

O salário insuficiente – que há muito leva o PM a trabalhar no “bico”, que é perigoso e ilegal, mas tolerado – já levou muitos companheiros de farda a perderem a saúde e até a vida. O governo-patrão, para dar a sensação de estar pagando melhor ao policial, o induziu a “vender” seus dias de folga na discutível Função Delegada; com isso, além de acalmar o profissional mal remunerado, ainda abiscoitou junto à população a imagem de possuir mais policiais do que os existentes.

Mas o policial, que deixou de descansar é que sofre as consequências físicas desse “bico oficial”. Sentindo o presente ruim e o futuro incerto, muitos já pediram baixa e foram buscar melhores oportunidades na iniciativa privada ou em outras instituições públicas. Por conta disso, a cada dia, crescem os claros – vagas não preenchidas – nos quadros da corporação.

E o mais trágico é que perdemos grandes quadros, capacitados a enfrentar difíceis concursos e a ter sucesso nas profissões escolhidas. As baixas ocorrem de soldados a oficiais e tornam preocupante o futuro. Os que pedem baixa agora poderão, dentro de alguns anos, fazer falta para compor a linha de frente da corporação.

É impróprio politizar o tema. O salário dos policiais é uma questão exclusivamente econômica. O que São Paulo – e vários outros estados – pagam a seus policiais não é suficiente para se viver condigna e seguramente. É preciso que os governantes e seus executores da política econômica e salarial reconheçam essa realidade e se esforcem para solucionar as distorções.

É injusto que o Estado invista consideráveis somas na admissão, formação e treinamento das tropas e depois condene-as à dificuldade financeira na vida profissional e, com isso, acabe perdendo-as para outros segmentos.

O policial – tanto civil quanto militar – é um servidor diferenciado. Tem de ganhar o suficiente para poder morar em segurança com sua família, não ter de dividir o transporte público com os transgressores que combate no seu dia a dia, e poder cumprir suas obrigações pessoais e familiares sem depender de favores de quem quer que seja. Sua atividade exige essa independência e requer salários compatíveis.

Não é só São Paulo. Todos os estados deveriam ter salários compatíveis aos seus policiais. Só isso será capaz de pacificar a classe e motivá-la a esmerar-se cada dia mais em suas atividades. Da forma que têm sido tratados, os profissionais que não implodem (cometendo o suicídio por más condições de vida) ou explodem (praticando excessos em suas atividades) fatalmente caem em depressão ou, pelo menos, na desmotivação.

A grande prejudicada, nessa situação, é a corporação e, na ponta, a comunidade. Os que têm oportunidade já estão deixando as corporações, o que também é prejudicial a todos os que carecem de segurança, pois não a terão.

O policial precisa de salário justo e legal. Nada de bônus, auxílios e outros artifícios que servem apenas para acalmá-lo num momento pontual e o deixam desamparado para o futuro. A política salarial divisionista é uma verdadeira bomba atômica que pode sair do controle.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves é tenente, dirigente da Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo (Aspomil).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Fome dói, adoece e mata!

Por Renata Abreu.

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...