Sancionada lei que cria o Bolsa Banqueiro

BC admite que uso dos depósitos voluntários provocará significativa redução artificial da dívida.

A Lei 14.185/21, que autoriza o Banco Central (BC) a remunerar depósitos voluntários das instituições financeiras, foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro e entrou em vigor nesta quinta-feira.

Atualmente, o BC administra a quantidade de dinheiro no sistema bancário por meio da venda, com compromisso de recompra, de títulos públicos de sua carteira. São as chamadas operações compromissadas, que entram no cômputo da dívida pública do Governo Federal.

Os depósitos voluntários vão funcionar como um instrumento alternativo, segundo a Agência Câmara. A taxa de rendimento e as condições dos depósitos, se à vista ou a prazo, serão definidas por ato do BC.

Segundo a coordenadora nacional da Auditoria Cidadã da Dívida, Maria Lucia Fattorelli, trata-se do “Bolsa Banqueiro, sem limite e sem justificativa”, que “pretende legalizar a insustentável remuneração diária aos bancos”.

Em artigo publicado esta semana, o analista do Banco Central Cláudio Jaloretto reconhece que o uso do depósito voluntário remunerado provocará uma “significativa redução artificial da dívida”.

Leia também:

Poupança acumula rendimento de apenas 1,6% em 12 meses

Artigos Relacionados

Taxar dividendos aumentou investimentos na França

Redução, nos EUA e na Suécia, só elevou distribuição de lucros.

Petroleiro tem maior produtividade da indústria no Brasil

Mesmo com setor extrativista, participação industrial no PIB caiu de 25% para 20%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Taxar dividendos aumentou investimentos na França

Redução, nos EUA e na Suécia, só elevou distribuição de lucros.

Petroleiro tem maior produtividade da indústria no Brasil

Mesmo com setor extrativista, participação industrial no PIB caiu de 25% para 20%.

Exportação cresce, mas só com produtos pouco elaborados

Superávit de quase US$ 7 bilhões até a quarta semana de julho.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.