Sangue

O Banco Central Europeu quer que a Espanha “flexibilize” ainda mais sua legislação trabalhista, autorizando pagamentos abaixo do salário mínimo. Segundo El Economista, o BCE solicitou ao governo de Zapatero que, em troca da reativação do programa de compra de dívida espanhola, houvesse uma “desvalorização competitiva” dos salários. O salário mínimo é de 641,4 euros, e o BCE quer contratos especiais com remuneração máxima de 400 euros mensais. O trabalhador não pagaria impostos e ficaria fora do sistema previdenciário.
A carta foi enviada em agosto, quando ainda presidia o BCE Jean-Claude Trichet. Apesar de o teor ter sido revelado por Mariano Rajoy, que venceu as últimas eleições e substituirá Zapatero este mês, não se sabe se o novo governante apoiará a proposta.

Público x privado
O episódio que questiona o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, por misturar consultoria com influência política não deve ser rebaixado à luta política dentro dos cânones do moralismo seletivo cativado por grande parte da imprensa tupiniquim. O debate sobre as relações entre público e privado não pode ficar restrito ao desejo de apear do poder mais um ministro da presidente Dilma Rousseff.
O Brasil precisa conhecer os nomes de todos ex-ocupantes de cargos públicos, petistas, tucanos e de outras agremiações, que, tendo tratado de interesses de Estado, atravessaram com rapidez a tênue fronteira que os separam dos objetivos privados, para receber contracheques de pelo menos sete dígitos.. Essa investigação precisa concentrar-se em posições-chave, como Banco Central, Ministério da Fazenda e outros cargos decisórios da equipe econômica.
Deixar tão relevante tema seguir a lógica do varejo político é garantia de repetição do recorrente jogo soma zero, praticado por petistas e tucanos, em que acusações mútuas de malfeitorias servem, não para desembocarem em investigação judicial e eventuais punições duplas, mas para umas anularem outras.

Família milionária
Como consultorias têm preços subjetivos, tanto servem para ouvir opiniões de especialistas e/ou detentores de informações privilegiadas em governos dos diferentes níveis, como para legalizar, com direito a recibo e desconto de imposto de renda, pagamento de propinas por favores prestados a consultores ex-governantes.
Nos Estados Unidos, por exemplo, a lei limitou a US$ 1 milhão o pagamento que os agentes públicos podem receber anualmente por palestras. A generosa restrição, porém, não foi impeditiva de ganhos extras para políticos criativos. Ex-presidente da Câmara dos Representantes e pré-candidato Republicano mais badalado da vez, Newt Gingrich, por exemplo, depois de atingir o teto legal, passou a ter a mulher convidada para fazer palestras em seu lugar, garantindo assim o double million.

Futuro
A consultoria de TI Gartner revelou suas previsões para 2012. As principais são: a bolha de investimentos vai explodir para as redes sociais de consumidores em 2013 e para as companhias de software social empresarial em 2014; até 2016, pelo menos 50% dos usuários de e-mail empresarial vão depender primariamente de um leitor móvel, em vez de um computador de mesa; até 2015, os projetos de desenvolvimento de aplicações voltadas para smartphones e tablets vão superar os projetos nativos de PCs a uma taxa de quatro para um; no final de 2016, mais de 50% das companhias da Global 1000 terão armazenados dados confidenciais dos clientes na nuvem pública; até 2016, o impacto financeiro do crime virtual aumentará 10% por ano.
Em relação a outros videntes, como estatísticos de futebol ou economistas de mercado, a Gartner tem a seu favor que costuma acertar a maioria das previsões.

Recompensa
O Secretário de Transporte do Estado do Rio de Janeiro, Júlio Lopes, julgou o acidente que envolveu um catamarã da Barcas S/A, no último dia 28, como “inaceitável”. Ato contínuo, revelou que o governo deve subsidiar a passagem em R$ 1,30. Atualmente a tarifa é de R$ 2,80 entre Rio e Niterói, mas já foi autorizado reajuste para R$ 4,40. O passageiro pagaria R$ 3,10, e o restante fica na conta da viúva.

Artigo anteriorFonte
Próximo artigoDe olho no fundão
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Produção industrial de janeiro teve variação acima do esperado

Números foram em linha com o mercado, avançando 0,4% no mês, mas nota-se evidente perda de momento no índice ao longo dos últimos meses.

Volatilidade permanece com juros externos

Hoje é dia de encerramento em queda nos principais mercados da Ásia, Europa operando no campo negativo.

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.