São Paulo apresenta a relação renda/gasto mais negativa do país

Lares com auxílio governamental gastaram mais com alimentos básicos; mais da metade dos consumidores precisa de crédito.

São Paulo foi o estado que apresentou a relação renda/gastos dos domicílios mais negativa do Brasil. Intitulado Domestic View, o estudo da Kantar entrevistou virtualmente 5.779 lares no final de 2020. A amostra representa 57 milhões de lares brasileiros. Foram avaliadas sete áreas no que se refere a despesas que impactaram o bolso durante a pandemia em 2020, incluindo alimentação, moradia, serviços públicos, higiene pessoal e limpeza. Tanto na Grande São Paulo quanto no interior, a renda média mensal ficou 19% menor do que os gastos. Na primeira região, em que 53% receberam auxílio governamental e 48% não, a relação foi R$ 1.444 contra R$ 1.775. E na segunda, em que 47% receberam e 53% não, foi R$ 1.464 contra R$ 1.807.

Os lares com auxílio governamental gastaram mais com alimentos básicos, enquanto os sem priorizaram indulgência e frutas, legumes e verduras. Na Grande São Paulo, nos lares que receberam o auxílio, o consumo de carnes, aves, ovos e peixes representou 30%, seguido por frutas, legumes e verduras, com 15%, salgadinhos e doces (8%) e pratos congelados prontos (5%). Já no interior esses percentuais foram 31%, 15%, 9% e 5%, respectivamente.

Considerando o Brasil todo, o estudo indica que 67% dos lares brasileiros estão endividados, e esse número sobe para 69% se considerarmos somente as classes C e DE. O consumo de alimentos e bebidas dentro do lar, higiene e limpeza caseira representou quase 60% dos gastos nas classes DE em 2020, enquanto despesas em lazer, habitação e bebidas dentro de casa ficaram concentradas nas classes AB.

As classes DE foram mais impactadas com gastos com habitação, passando de 18% em 2019 para 22% em 2020, e no setor de alimentação aumentaram o consumo de frutas, legumes e verduras, igualando esses gastos aos das classes AB.

Ainda no setor de habitação, o estudo aponta um importante movimento da classe DE migrando do aluguel para o financiamento, passando de 5% dos gastos em 2019 para 12% em 2020, reflexo de juros baixos e taxas atrativas para aquisição de moradia própria ou para investimento, que levaram a um aumento do mercado de financiamento imobiliário em 2020. Enquanto isso, as classes AB diminuíram gastos com trabalhadores domésticos (-3 p.p. em relação a 2019) e com manutenção/reforma (-8 p.p.).

O aluguel de imóveis representou ¼ dos gastos de quase 17% das famílias no ano passado, principalmente das classes CDE. Os lares das classes AB e DE que pagam aluguel diminuíram gastos com alimentação e priorizaram outras cestas de consumo, como bebida alcoólica e artigos de limpeza nas classes AB, e higiene pessoal e FLV (frutas, legumes e verduras) nas classes DE. A classe C foi a única que manteve os gastos com alimentação, mesmo pagando aluguel, com destaque para doces, salgadinhos e pratos prontos congelados.

Entre os gastos com serviços públicos, energia elétrica foi o que mais pesou no bolso do brasileiro durante 2020. As classes mais baixas foram as mais afetadas, chegando a uma variação de 30% em relação a 2019.

Já levantamento da Boa Vista indica que mais da metade dos consumidores precisam de crédito no atual cenário econômico.

Dos consumidores que alegam a necessidade de crédito, quase metade deles opta por soluções mais tradicionais para equilibrar as finanças: 49% pretendem solicitar empréstimos em bancos e financeiras. Como alternativa, 29% dos entrevistados dizem que irão escolher o cartão de crédito, seja de bancos, seja de lojas. A pesquisa teve como objetivo identificar novos hábitos e perspectivas de compra dos consumidores brasileiros diante do momento atual da economia.

Com o avanço da crise, em 2021, 82% dos consumidores disseram ter revisado seu orçamento doméstico.

A pesquisa foi feita por meio de entrevistas online, realizadas entre 13 a 31 de maio, com consumidores que buscaram informações e orientações no site Consumidor Positivo da Boa Vista; contou com a participação de aproximadamente 300 respondentes, considerando homens e mulheres representantes das diferentes classes sociais e regiões do país. A margem de erro é de 4 pontos percentuais, para mais ou para menos, e o grau de confiança é de 80%.

Leia também:

Comércio eletrônico teve alta de 13,05 % no primeiro semestre

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Deputados querem venda direta de etanol aos postos

Em audiência pública da Comissão de Minas e Energia, realizada nesta terça-feira, deputados defenderam a aprovação da Medida Provisória 1063/21, que autoriza produtores e...

Lira e Pacheco querem limitar calote de precatório a ‘só’ R$ 49 bi

Mais da metade dos pagamentos ficaria para negociações não determinadas.

Site público expõe milhões de dados pessoais, CNPJs e placas

Vazamento pode ter partido de empresas de telecomunicações.

Últimas Notícias

Queiroga ficará em quarentena em NY

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não volta por enquanto ao Brasil. O motivo não foi o gesto obsceno que fez com o dedo,...

Startup de inteligência artificial terá acesso ao hub de dados da B3

A 4KST, fintech de inteligência artificial, com foco em eficiência financeira, e a B3 anunciaram nesta terça-feira um acordo com foco em compartilhamento e...

BNDES: R$ 166 milhões para linhas de transmissão da Energisa Tocantins

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 166 milhões para a Energisa Tocantins Transmissora de Energia (Grupo Energisa),...

UE tenta expandir oportunidades no oeste da China

Nos primeiros oito meses de 2021, o volume comercial entre a China e a União Europeia (UE) aumentou 32,4% ano a ano. O volume...

Deputados querem venda direta de etanol aos postos

Em audiência pública da Comissão de Minas e Energia, realizada nesta terça-feira, deputados defenderam a aprovação da Medida Provisória 1063/21, que autoriza produtores e...